“Contos Definitivos” é leitura obrigatória do Vestibular de Verão Unifra


Por Evelin Bitencourt

 

Contos Definitivos reúne os doze contos mais importantes de Machado de Assis.

Além de ser uma das leituras obrigatórias do Vestibular de Verão da Unifra, “Contos Definitivos” também é um compilado dos doze principais contos de Machado de Assis: A cartomante; Pai contra mãe; Um homem célebre; Missa do galo; Uns braços; Noite de almirante; Cantiga de esponsais; O espelho; Conto de escola; O caso da vara; O alienista e  Teoria do Medalhão.

Segundo a professora Sabrine Menezes, do Instituto Federal Farroupilha (IFF – Campus São Vicente do Sul), as obras do escritor representam o público burguês de modo tão realista que acabam por provocar, entre os leitores, mais identificação que constrangimento. De fato, o uso de recursos como o tempo psicológico, através do qual a linha temporal da narrativa pode aumentar ou diminuir de acordo com o estado de espírito do personagem, a reflexão sobre a mesquinhez humana e a visão pessimista assumida diante do mundo e da humanidade são características marcantes nos livros de Machado.

A professora ainda destaca os temas mais abordados pelo autor:

  • Adultério
  • Sociedade parasitária (relacionada, principalmente, à escravidão)
  • Razão x loucura
  • Egoísmo, vaidade, interesse e hipocrisia
  • Ambiguidade feminina
  • Análise psicológica, pessimismo e ironia
  • Análise dos valores sociais – muito ligados a vida das pessoas que habitavam o Rio de Janeiro no século XIX

Com relação aos contos presentes em “Contos Definitivos”, destaca-se a temática de crítica social e denúncia as crueldades cometidas durante o período da escravidão no Brasil, presentes na narrativa de “Pai contra mãe”. Cândido Neves é o protagonista da história e sua profissão é caçar os escravos que fugiam das fazendas e aplicar-lhes as penas devidas. Este apaixona-se por Clara e o romance não é bem visto aos olhos de Mônica, a tia da jovem. O conto foi adaptado ao cinema pelo cineasta Sérgio Bianchi, ganhando o título “Quanto vale ou é por quilo?”, que se vale da temática para fazer uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social.

“A cartomante” revela o adultério de Rita, casada com Vilela e que acaba por se envolver com Camilo, um dos amigos de infância do marido. A figura da cartomante é apresentada como charlatã e de maneira sinistra mente e engana os personagens, levando-os a um destino trágico. Sabrine destaca a caracterização de Rita como infiel, mentirosa, que engana o marido e faz oposição ao idealismo romântico, na qual a mulher era vista como angelical, sem defeitos, pura e fiel.

O Laproa produziu uma versão em vídeo sobre o livro. Confira!

 

 

 

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *