Equipe do Handebol Feminino de SM em entrevista no Central do Esporte


Por Gabriele Bordin

 

Integrantes do HFSM contam sobre a vitória na 22ª Copa Mercosul de Handebol. Foto: Juliano Dutra. Labfem

Nesta segunda-feira, 05, integrantes do time HFSM (Handebol Feminino de Santa Maria) deram entrevista ao programa Central do Esporte, contando sobre a vitória deste domingo, 03, na 22ª Copa Mercosul de Handebol. É o primeiro time feminino adulto de Santa Maria a ganhar a competição.

Os entrevistados foram a jogadora Juliana Segalla, o técnico do time Bráulio Kissner, graduado em design pela Unifra, e o auxiliar técnico Lucas Dias, graduado em Educação Física. Eles vieram acompanhados das medalhas, as quais mostraram orgulhosos.

Na final da competição, ganharam do Scuola Italiana, time do Uruguai, o qual haviam perdido na primeira fase. O HFSM contou com o apoio do treinador Alexandre Schineider, de Concórdia e meninas de outros times. Juliana Segalla contou que os intercâmbios de apoio ocorrem muito entre os times e, assim, formam boas parcerias.

A equipe do HFSM foi formada em 2012, com jogadoras que praticavam o esporte desde crianças, um sonho que já vem de anos.

O técnico Bráulio Kissner conta sobre os desafios que enfrentam. Diz que hoje é difícil ter um time de atletas que possam treinar. A equipe tem três ensaios por semana, um deles das 22h até a meia-noite, nas segundas-feiras. Muitas das jogadoras trabalham, é um time pequeno, mas elas resistem. A equipe busca apoio de patrocinadores, através da Lei do Incentivo ao Esporte, além de outros meios, para que as jogadoras tenham o menor gasto financeiro particular possível.

O projeto Polo

O Projeto Polo busca formar times de handebol feminino com meninas  em torno de 13 anos de idade, de escolas que atuam junto à periferia da cidade. Atualmente, o projeto está sendo executado nas escolas Marieta d’Ambrósio, Marista Santa Marta, e Instituto São José. Além disso, tem parcerias com as escolas Colégio Francisano Sant’Anna, Colégio Militar de Santa Maria e Colégio Fátima.

A equipe busca apoio federal para dispor de material, como chuteiras, para as crianças. Segundo os entrevistados, eles vão às periferias porque acreditam encontrar muitos talentos ali, – meninas que muitas vezes não recebem incentivo de outros meios. A proposta é fazer com que todas as crianças tenham oportunidade de jogar, salientando a necessidade de apoio às escolas. “É a sustentabilidade do handebol”, diz o professor Gilson Piber, que participou do bate-papo.

O programa Central do Esporte vai ao ar nas segundas-feiras a partir das 19h, na TV Unifra, canal 15 da Net, com reprise às 23h. Todos os programas também são disponibilizados no YouTube, no canal unifraonline.

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *