Em seu último dia de evento FLISM relembra Mario Quintana


Por Heloisa Helena Canabarro

 

Os professores Pedro Brum Santos e Escobar Nogueira durante a FLISM. Foto: Heloisa Helena Canabarro / LABFEM

A Festa Literária de Santa Maria que foi realizada dos dias 11 a 13 de setembro, no auditório da CESMA, relembrou o famoso poeta Mario Quintana em seu último dia de evento, na sexta-feira. Este ano completa 25 anos de sua morte e, além de relembrar o poeta, a principal questão levantada foi a respeito da permanência da sua poesia no cenário literário atual.

Mario Quintana nasceu na cidade de Alegrete, no Rio Grande de Sul. O autor publicou seu primeiro livro em 1940, porém, só em 1960 obteve verdadeiro reconhecimento de suas obras. Foi considerado um dos maiores poetas do século XX, mestre da palavra, do humor e da síntese poética. Em 1980 recebeu o Prêmio Machado de Assis e, em 1981, o Prêmio Jabuti de Personalidade Literária do Ano.

A FLISM trouxe ao palco para falar do poeta o professor da UFSM e doutor em Letras, Pedro Brum Santos, e Escobar Nogueira, poeta, escritor e professor de literatura. Os palestrantes falaram sobre a vida, obras, sua simplicidade, musicabilidade e leram alguns trechos de seus poemas. Também debateram sobre como suas obras foram importantes para um determinado momento e que, embora nos dias atuais Mario Quintana não seja tão lembrado, ficará para sempre na história.

 

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *