Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Esportes

O Padel não para de crescer

No próximo final de semana, Santa Maria vai sediar o Circuito Gaúcho de Padel. Com a parceria Squadra Padel Club, Cesla Complexo Esportivo e do Star Padel Club, o torneio conta com premiação de até 4 mil reais. As inscrições

Dia do Desafio ocorre em Formigueiro depois de uma pausa de 2 anos

Depois de dois anos, o Dia do Desafio voltou a ocorrer na prefeitura municipal de Formigueiro. O secretário dos esportes João Machado, junto com a professora de educação física Artemia Busetto, organizaram atividades e exercícios para os funcionários da prefeitura. Dos

Primeiro jogo no estádio Presidente Vargas sem o uso da máscara

Inter SM jogou pela primeira vez no estádio Presidente Vargas com o uso da máscara totalmente liberado ao público. O time jogou contra o Pelotas, o estádio que tem uma lotação maxima de 6.600 pessoas reuniu aproximadamente 1700, não possuindo limitações

Inter de Santa Maria disputa a Divisão de Acesso

A primeira divisão do futebol gaúcho tem início em menos de 15 dias. O Gauchão Série A2 – Divisão de Acesso está marcado para começar no dia 15 de agosto. Em virtude das restrições impostas pela pandemia da Covid-19, o

Inclusão de atletas LGBT no esporte

Cada vez mais, vemos pessoas LGBTQIA+ ocupando espaços e ganhando as devidas visibilidades. O esporte é considerado como um meio de inclusão e um intermédio para as lutas contra os diversos preconceitos presenciados na sociedade. Porém, é ainda considerado um

A realidade do Esporte Clube 14 de Julho

“O sentimento de ser jogador é maravilhoso. Desde criança sempre foi meu sonho.  Começou a ser realizado quando tinha 16 anos, fui jogar no Defensor de Montevideo, Inter-Santa Maria, Caxias, Avaí-SC, e depois para o 14 de Julho. Foi uma

Mente e disciplina: como os atletas lidam com a volta às atividades

O autocontrole e a capacidade de equilíbrio mental, são fatores comumente trabalhados na rotina de um atleta. Porém, desde o começo do surto do novo coronavírus, estas competências foram testadas, a ponto de exigir dos desportistas conhecerem-se mais, para que

Quem entrou nos Conjuntos I e III da UFN nesta quarta, 25 de maio, provavelmente notou algo diferente na instituição. Seja nas escadas ou no pátio estavam diversos adesivos, cada um incentivando a um desafio físico. Isso aconteceu em uma parceria da Universidade Franciscana com a academia Up Fitness em comemoração ao Dia do Desafio. A data especial ocorre sempre na última quarta feira do mês de Maio, e tem como objetivo o incentivo a prática de atividade física por parte da população.

Adesivo nas escadas do Conjunto III, promovendo pequenos desafios. Imagem: Ian Lopes.

Sobre o incentivo ao exercício físico, Gabriel Santos, que é profissional de educação física e funcionário da academia, comentou: “É importante nesse período pós pandemia mostrar o quando a atividade física é boa para o corpo e mente. Quem praticava teve uma recuperação melhor, as pessoas muitas vezes acham que é estético e acabam não olhando pelo lado da saúde. A OMS recomenda 300 minutos semanais de atividades leves, como deslocamento de um lugar a outro, e 150 minutos de atividades pesadas, como academia por exemplo.” Além dos adesivos, a UP Fitness também trouxe uma bicicleta ergométrica para ser usada em um desafio no intervalo das aulas da tarde e da manhã.

Bicicleta ergométrica utilizada nas atividades do intervalo do Dia do Desafio. Imagem: Ian Lopes.

Mesmo aqueles que já praticavam atividades físicas se sentiram incentivados a participar dos desafios. Aline Schmidt e Jordana Figueiredo, ambas alunas do 7º semestre de odontologia, passaram pelo desafio da bicicleta e contaram sobre a experiência: “Mesmo já praticando nós nos sentimos incentivadas a participar, vimos também várias pessoas aqui fazendo o exercício no intervalo. Ver outras pessoas engajando também ajuda na motivação.” Os participantes também recebiam brindes por participar das atividades.

No próximo final de semana, Santa Maria vai sediar o Circuito Gaúcho de Padel. Com a parceria Squadra Padel Club, Cesla Complexo Esportivo e do Star Padel Club, o torneio conta com premiação de até 4 mil reais. As inscrições podem ser feitas pelo site da Federação Gaúcha, nas categorias profissionais, amadoras, sênior, sub-12, sub-14, sub-16 e sub-18.

No mês de abril, o Squadra Padel Club reuniu cerca de 330 duplas para seu torneio de inauguração da nova estrutura, ou seja, mais de 600 inscritos de todo o estado do Rio Grande do Sul, Brasil e países sul-americanos disputaram o campeonato realizado em Santa Maria. O clube possuía quatro quadras e depois da reforma, com um ‘CTRL+C CTRL+V’, mais quatro foram construídas, totalizando oito quadras de vidro.

Pódio do torneio inauguração Squadra Padel Club 1ª Categoria. Imagem: Portal Super Padel

Este é um dos sinais de que o esporte vem crescendo e fazendo cada vez mais adeptos nos últimos anos, principalmente na cidade e região. Douglas Fernandez, professor de padel no Squadra, ressalta: “Hoje, Santa Maria é uma potência do padel”. O professor comenta que o crescimento do esporte é impressionante e isso pode ser visto em todo estado, mas nas cidades menores perto de Santa Maria, como São Sepé, Júlio de Castilhos, Tupã e outras, é algo bem significativo.

Douglas Fernandez acredita que essa ascensão se deve pela viralização do esporte na internet e o trabalho feito nas redes sociais. O World Padel Tour (WPT), circuito mundial que reúne os melhores jogadores do planeta e conta com três brasileiros no top 50, é transmitido por meio do YouTube e de seu site, facilitando o acesso do público. Ainda segundo o professor, o principal fator para esse desenvolvimento tão rápido é por causa dos investidores e da coragem que eles têm.

Outro motivo que pode ser considerado essencial é a parceria e a leveza de competitividade que existe no padel, é o que relata João Vitor Neves, estudante de Educação Física e praticante do esporte. “O crescimento vem da forma que é jogado o padel, unindo vários grupos, familiares, amigos e homens e mulheres jogando juntos”, acrescenta.

João Vitor Neves em torneio em Santana do Livramento. Imagem: arquivo pessoal.

O estudante é de Santana do Livramento, mas já morou em Alegrete e hoje reside em Santa Maria e explica que nessas cidades teve contato com atletas de alto nível, bem rankeados tanto no Brasil, como no mundo. Atualmente, João Vitor está fazendo estágio em padel e pretende seguir trabalhando no esporte.

Além de jogadores profissionais, praticantes e clubes, o que está crescendo também são sites especializados no esporte, o Portal Super Padel, de Maycon Henschel, é um exemplo. “Há cerca de um ano comecei a jogar padel. Me apaixonei pelo esporte. E bem rápido. Além de jogar, sempre gostei de acompanhar os grandes torneios, grandes jogadores, e notícias relacionadas a isso, mas no Brasil ainda não temos bons canais informativos”, comentou.

Maycon explica que já passa boa parte do tempo acompanhando informações relevantes do esporte e achou que seria interessante juntar o conhecimento que possuía da área do marketing com o mundo das notícias, e começar a compartilhar conteúdo. “Eu também enxerguei uma lacuna no mercado, que pode gerar oportunidades de negócios, e isso será importante para determinar o sucesso do portal. A ideia é expandir para coberturas fotográficas, transmissões dos jogos, entrevistas, documentários, etc. Mas o primeiro passo é o que estamos dando agora, que é criar o portal e gerar conteúdo de valor para as pessoas, assim fortalecemos o esporte e crescemos nossa audiência”, destaca o responsável pelo site. Segundo ele, é perceptível a curva de ascensão que o esporte tem no Brasil, com cada vez mais clubes inaugurados e quadras lotadas. “Não tenho dúvidas de que esse crescimento está muito no começo ainda. Teremos bastante gente praticando padel em pouco tempo”, complementa Maycon Henschel.

O QUE É O PADEL?

Jogo disputado em duplas, em quadras com 20m de comprimento por 10m de largura, com paredes ou vidros no fundo e uma parte das laterais recoberta por telas. As raquetes são feitas de fibra de carbono e as bolinhas parecidas com as do tênis, o que muda é o peso.

ONDE PODE JOGAR PADEL EM SANTA MARIA?

Squadra Padel Club – Rua Pinheiro Braileiro, 961

Telefone: (55) 99600.0961 https://squadrapadelclub.com.br/

Star Padel Club – Rua Diácono João Luiz Pozzobon

Telefone: (55) 99990.3074 https://www.starpadelclub.com.br/

Cesla Complexo Esportivo – Rua Antônio Gonçalves do Amaral, 1547

Telefone: (55) 99714.5395 https://ces.la/

Texto produzido pelo acadêmico de Jornalismo Lucas Acosta, na disciplina de Jornalismo Especializado, durante o 1º semestre de 2022.

As atividades foram realizadas no pátio da Prefeitura de Formigueiro. Imagem: Ingrid Barcelos

Depois de dois anos, o Dia do Desafio voltou a ocorrer na prefeitura municipal de Formigueiro. O secretário dos esportes João Machado, junto com a professora de educação física Artemia Busetto, organizaram atividades e exercícios para os funcionários da prefeitura. Dos estagiários até o prefeito, todos participaram do Dia do Desafio, que começou com uma série de dinâmicas que foram de alongamentos até polichinelos.
O Dia do Desafio tem o intuito de incentivar hábitos mais saudáveis e o costume de se exercitar no dia a dia o que pode ajudar até mesmo no desempenho no trabalho.  Segundo a funcionária Bruna Guimarães, que trabalha no setor do patrimônio público, esse dia é importante para que seja lembrada a relevância  da atividade física.

Texto do acadêmico Miguel Cardoso, para a disciplina Linguagem das Mídias, durante o 1º semestre de 2022.

Inter SM jogou pela primeira vez no estádio Presidente Vargas com o uso da máscara totalmente liberado ao público. O time jogou contra o Pelotas, o estádio que tem uma lotação maxima de 6.600 pessoas reuniu aproximadamente 1700, não possuindo limitações quanto ao número de torcedores dentro do estádio.

Imagem: Renata Medina

De acordo com a assessora do clube, Renata Medina, durante o período da partida notava-se poucas pessoas ainda utilizando a proteção.

O torcedor Patrício Dias não fez uso da máscara em nenhum momento. “Os demais torcedores também não estavam usando. Em todo o setor das sociais eu vi apenas um homem, já idoso, com o equipamento de proteção”, completa ele.

Patrício Dias no estádio assistindo o jogo do Inter SM. Imagem: Patrício Dias

Esse foi o primeiro jogo que Patrício participou depois de dois anos de pandemia, para ele “Foi como um retorno à normalidade de antes da covid”, concluiu.

Nas arquibancadas o clima era tanto de festa, quanto frustrante o time santamariense ficou apenas no empate com o pelotas mesmo tendo um à mais em campo desde os 19 min do primeiro tempo. O jogo só abriu o placar os 35 min do segundo tempo quando Balbino fez um gol para o Inter SM mas o empate não demorou a chegar logo no reinício da partida Jarro fez um para o Pelotas, ele que também foi um dos nomes do jogo, avançou em uma jogada individual, driblou o goleiro alvirrubro tirando os zagueiros de cena.

O resultado do jogo foi um empate de 1 a 1, mas nas arquibancadas foi uma vitória para a despedida das máscaras.

FICHA TÉCNICA

Inter-SM: Lúcio; Luvas Evangelista (Balbino), Negretti (Théo), Boré e Rafinha (Salib); Thiago Costa, Tony Júnior, Everton Sena, Yuri Souza (Vinicius) e Saldanha (Gabriel); Henrique Bahia
Técnico: Leocir Dall’Astra

Pelotas: Cetin; Raphinha (Murilo), Cambuci, Léo Kanu, Vavá (Maicon); Igor Silva, João Vitor (Itaqui), Jardel e Eliomar (Sapeka); Otávio e Caíque (Jarro)
Técnico: Antônio Pícoli

Arbitragem: Vinícius Oliano, auxiliado por Douglas Vidarte e Dakimalo Gomes

Gols: Balbino (I) e Jarro (P)

Local: Estádio Presidente Vargas

Colaboração: Luiza Silveira

Imagem de Gerd Altmann /Pixabay

Com o passar dos anos, os cuidados à saúde têm se tornado cada vez mais importantes no âmbito esportivo. A prática e o treino passaram a ganhar mais atenção por parte de profissionais da área médica, assim como avaliadores de desempenho, que, por meio de suas funções, buscam evitar sérias complicações físicas à atleta em diferentes modalidades. 

Definido pela literatura médica como causa repentina, o mal súbito é uma parada cardíaca que pode ocorrer por causas cardiológicas (obstrução das artérias do coração; doenças ou distúrbios elétricos no músculo cardíaco) ou neurológicas (crise convulsiva; AVC hemorrágico ou isquêmico), bem como o uso de drogas e doenças metabólicas. Recentemente, ao contrário de outras doenças cardiovasculares, o mal súbito tornou-se recorrente na vida de atletas considerados saudáveis. Ocorrências no futebol, basquete, surf e triatletismo chamam atenção pelo número de casos e avaliações acerca dos motivos que levaram as vítimas ao infarto.

Segundo o cardiologista do Centro de Treinamento em Emergências Cardiovasculares da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), Agnaldo Piscopo relata que o problema é acarretado por propensão hereditária, condições cardíacas (arritmia e hipertrofia de coração) ou até mesmo o overtraining, considerado o excesso da prática de exercícios, além dos limites do corpo. “Quando a pessoa faz atividade física de alta performance, é possível que ela apresente variáveis como inflamação, alterações eletrolíticas e miocardite causada por infecções. Essas condições não são detectáveis em exames clínicos comuns nem dão sintomas” , destacou o especialista em uma entrevista cedida ao grupo Veja.

“É um quadro típico de alguém que tem uma interrupção do fluxo sanguíneo ao cérebro. Na maioria das vezes, isso é provocado pelo próprio coração“, comenta Piscopo. De acordo com um estudo realizado em 2017, pela Annals of Internal Medicine, com mais de nove milhões de participantes de triatlo em três décadas (1985 a 2016), exibiu que 135 pessoas morreram repentinamente ou tiveram uma parada cardíaca, sendo 107 delas mortes súbitas. Deste total, 90 mortes e paradas cardíacas foram durante a natação, o que representa mais de 66% das mortes ocorreram na água.

No futebol, o quadro apareceu repentinas vezes. Dentre algumas, vale citar um dos mais marcantes casos de tragédias nos gramados, quando Camarões e Colômbia se enfrentaram em 2013, pelas semifinais da Copa das Confederações. Partida em que o volante camaronês Marc-Vivien Foé, de 28 anos, sofreu um mal súbito, identificado por um problema no coração que avolumava os riscos de ataque cardíaco durante a prática da atividade. Outra ocorrência foi Serginho, zagueiro de 30 anos do São Caetano, que teve um desmaio em campo durante um jogo com o São Paulo, no Morumbi, válido pelo Campeonato Brasileiro de 2004. O jogador foi levado ao hospital, mas morreu horas depois. Ele sofria de uma cardiomiopatia hipertrófica, mas seguiu atuando mesmo sabendo dos riscos.

Ainda nas quatro linhas, a EuroCopa deste ano causou uma preocupação logo de início. No jogo de estreia, entre Dinamarca e Finlândia, o atacante dinamarquês Christian Eriksen, de 29 anos, caiu desacordado no gramado e precisou de atendimento médico instantâneo que durou quase 15 minutos. O atleta recebeu massagem cardíaca e foi retirado com o uso de balão de oxigênio. Segundo o médico da seleção Morten Boesen, Eriksen sofreu um mal súbito e foi ressuscitado em campo com o uso de um desfibrilador. Ele passou por cirurgia e se recupera em casa.

Além destes casos, diversos outros já foram registrados em demais esportes como basquete, natação e surf. Saiba mais no áudio produzido por Gianmarco de Vargas e Pablo Milani.

 

Gustavo Oliveira, educador físico – Foto: Arquivo Pessoal

Para minimizar o risco de um mal súbito, o profissional de educação física Gustavo Oliveira classifica como indispensável a presença de um membro de sua área na equipe. “O conhecimento técnico, evidenciando-se aqui, método de treinamento, fisiologia do exercício e biomecânica são fundamentais na prevenção de doenças e lesões”, esclarece. Ele salienta que, sempre antes de iniciar um treinamento físico ou a prática de um esporte, deve ser feita avaliação médica e física, para que sejam identificadas as possibilidades e as limitações do atleta.

Desta forma, é possível ofertar orientações voltadas à preparação e evitar lesões ou problemas fisiológicos. Caso um atleta passe mal durante o exercício, Oliveira detalha o procedimento a ser adotado. “Primeiramente deve-se ligar para o atendimento de emergência local. Em caso de fraturas ou contusões, o local da lesão deve ser preservado, evitando-se ao máximo manipulação local. Em paradas cardiorrespiratórias, é necessário desobstruir vias aéreas com a manobra tríplice e realizar ressuscitação cardiopulmonar (RCP) até a reanimação ou chegada da emergência”, explica.

Sheila Leal, Fisioterapia – Foto: Arquivo Pessoal

Assim como na educação física, a fisioterapia também compartilha de importante função preventiva. É o que destaca a fisioterapeuta Sheila Leal, pós-graduada em traumato e ortopedia, dermato funcional e instrutora de pilates, ao explicar que para se evitar contratempos, deve-se “trabalhar na prevenção de lesões visando o condicionamento, força muscular, propriocepção”. No flagrante de um caso de mau súbito, ela acrescenta sobre a importância da presença de um fisioterapeuta, pois trata-se de um especialista em biomecânica, principalmente na imobilização das articulações ao remover o indivíduo, a fim de prevenir uma futura complicação. 

Já no que tange a reabilitação desportiva do atleta, Sheila entende que “o mais importante é estar atualizado com as técnicas mais eficazes para cada tipo de lesão, pois vão surgindo diferentes abordagens compradas em estudos científicos, Uma das necessidade é manter-se informado nas partes preventiva e de tratamento”. Além da fisioterapia e da educação física, a enfermagem destaca-se pelo seu alto grau de compromisso com a saúde. Considerado o profissional conhecedor do serviço de atendimento pré hospitalar, a presença de enfermeiros vem sendo cada vez mais valorizada em grandes eventos esportivos. Jogos Olímpicos, Copa do Mundo, entre outras modalidades festivas, tem investido ano a ano em recursos e equipamentos direcionados à assistência prestada por equipes médicas. A enfermeira santamariense Tamires Pugin, avalia como positiva e agregadora a inserção destes enfermeiros junto ao esporte, principalmente por ainda ser uma área pouco explorada na profissão.

Outro ponto destacado por ela, é a relevância do conhecimento compartilhado, sobre como saber agir em uma situação de mal súbito, na ausência de um enfermeiro. Na área esportiva, até hoje, existem categorias de campeonatos que não agregam a ala médica na realização de jogos, o que tende a comprometer a saúde de um desportista, em casos de contratempos físicos. “Deveríamos ser treinados desde a escola para atendimento de primeiros socorros, pois nunca se sabe em que situações podemos precisar”, frisou Tamires. De acordo com a enfermeira, outra recomendação é jamais mexer na pessoa que sofre uma queda: “Existem protocolos de movimentação específica visando provocar o menor dano possível na vítima. Deixar que o pessoal treinado e habilitado faça a remoção de forma segura”.

Diante dessas situações, fica evidente a importância da atuação eficiente e ágil de enfermeiros e pessoas conhecedoras da reabilitação física do corpo humano. Como citado no material, os casos de mal súbito não são exceções, ainda mais pelo alto grau de ocorrências entre atletas. Para auxiliar na compreensão de como funciona o procedimento de reanimação,  a acadêmica em Terapia Ocupacional, Thais Pagnossin, que possui qualificação em primeiros socorros, explica como fazer uma massagem cardíaca corretamente.

https://www.youtube.com/watch?v=y7XWl1HZv4A

Texto: Gianmarco de Vargas e Pablo Milani

Reportagem produzida no primeiro semestre de 2021 sob supervisão da professora Glaíse Palma, na disciplina de Jornalismo Esportivo.

 

Nesta quarta-feira, dia 25 de agosto, ocorreu a live Primeira Pauta: A menor distância entre a sua faculdade e a nossa redação, uma parceria da Universidade Franciscana com o Grupo RBS. O encontro foi mediado pelo Iuri Lammel Marques e com os convidados Márcio Luiz, chefe do Globo Esporte RS e Eduardo Moura, setorista do Grêmio no Globo Esporte RS. O projeto da RBS tem o objetivo de incentivar estudantes de todo o estado a participar do concurso Primeira Pauta, onde será contratado um estagiário para os veículos da empresa. 

A live focou em apresentar o Grupo RBS para os participantes, além da apresentação e relatos pessoais dos convidados, Márcio Luiz e Eduardo Moura. Os dois contaram como chegaram até a RBS e o que fazem hoje lá, comentando sobre a carreira, a relação com outros veículos e com parceiros de cima do país, as relações com o público e com os times do estado. As principais mudanças ocorridas durante a pandemia também foi ponto de discussão.  

As inscrições para o concurso estão abertas e vão até o dia 19 de setembro, os candidatos devem enviar um vídeo de até 3 minutos respondendo a pergunta: “Por que eu quero participar do projeto jornalístico Primeira Pauta?”. Serão 15 escolhidos na primeira etapa e depois 5 para a terceira, o conteúdo produzido pelos finalistas será veiculado na Rádio Gaúcha e na GZH.

Inter-SM em treinamentos para a Divisão de Acesso. Imagem: Renata Medina

A primeira divisão do futebol gaúcho tem início em menos de 15 dias. O Gauchão Série A2 – Divisão de Acesso está marcado para começar no dia 15 de agosto. Em virtude das restrições impostas pela pandemia da Covid-19, o campeonato foi interrompido na última temporada, após a realização de três rodadas.

Serão 16 clubes competindo, divididos em dois grupos com oito equipes em cada. A primeira etapa é uma disputa em turno e returno, classificando-se os quatros melhores para as quartas de final. A partir dessa etapa, os jogos serão no sistema mata-mata em ida e volta, prosseguindo assim na semifinal e na final. 

O campeão e o vice-campeão estarão classificados para o Gauchão Série A 2022 e os piores de cada grupo da fase inicial, vão direto para o rebaixamento do Gauchão Série B – Segunda Divisão. 

Conheça os grupos:

GRUPO A: Glória; Igrejinha; Passo Fundo; União Frederiquense; Tupi; Veranópolis; Cruzeiro e Brasil de Farroupilha.

GRUPO B: Inter de Santa Maria; São Gabriel; Guarani-Va; Guarany-Ba; São Paulo; Lajeadense; Bagé e Avenida.

O troféu da Série A2 homenageará o jornalista Sérgio Cabral, que sempre se dedicou ao crescimento do futebol gaúcho, atuando por muitos anos no jornal Diário Popular e também em emissoras de rádio de Pelotas. As taças que o campeão e o vice da competição erguerão terão o nome do profissional, que morreu em novembro de 2020, aos 61 anos, após uma cirurgia cardíaca. 

Clássico Inter-SM e São Gabriel

A primeira rodada do campeonato terá, entre os jogos, um clássico muito conhecido na região: O Inter-SM e o São Gabriel irão estrear no campeonato, no dia 15, no Estádio Presidente Vargas. 

 Esporte Clube Internacional (Inter-SM)

O clube brasileiro de futebol, da cidade de Santa Maria, no RS, teve sua fundação inspirada no Sport Clube Internacional, desde o nome até as cores do Inter-SM. Fundado em 16 de maio de 1928, o Esporte Clube Internacional nasceu como resultado de várias reuniões no extinto Café Guarany, entre um grupo de jovens que praticava o esporte.  

Na primeira partida oficial, válida pelo Torneio Início de 1930, o colorado santa-mariense venceu o 7 de Setembro por 1 a 0, no Estádio dos Eucaliptos. Um ano depois, conquistou o seu primeiro troféu, em uma partida amistosa contra o Brasil, com vitória de 5×2. Três anos mais tarde, venceu seu primeiro campeonato oficial: o Citadino de Segundos Quadros de Santa Maria.

Em 1940, o Internacional venceu pela primeira vez o seu maior rival, o Riograndense por 1×0 e, em 1954, o clube disputou seu primeiro Campeonato Gaúcho. Disputou o Campeonato Brasileiro de 1981 levando a Taça de Prata e, em 1982, participou da primeira divisão do futebol brasileiro e de uma semifinal de Campeonato Brasileiro Série B em 1984. 

Com um histórico de vitórias, o clube segue ainda na luta por lugares melhores. A pandemia do covid-19, instalada em 2020 no mundo inteiro, afetou o time em diversos aspectos, assim como toda a área do esporte. Porém, o time continua em busca de seu espaço e retorna com muita garra aos estádios este ano. 

Inter-SM na Divisão de Acesso

O Inter-SM, nos últimos quatro anos, conseguiu chegar em duas semifinais da competição. No ano de 2020, estava em segundo lugar na Divisão de Acesso, realizando uma ótima campanha e com um time consideravelmente forte. No entanto, em virtude da pandemia da Covid-19, o campeonato teve que ser cancelado.

Treinamentos para a Divisão de Acesso seguem em ritmo intenso. Imagem: Renata Medina.

O analista de mercado do time, Marcos Pedrozo, revela que este ano, o clube acredita estar preparado para a competição, com uma equipe competitiva de acordo com as características do treinador e com jogadores no perfil adequado ao modelo de jogo. Na parte física, o time está indo para a segunda semana de treinamentos, onde a primeira foi destinada mais à adaptação. Os 35 dias de pré-temporada estão servindo para preparo dos atletas e a chegada de novos atletas. 

A comissão técnica será mantida, Sananduva comandará a casamata, Guilherme Tocchetto será o auxiliar técnico e Henrique Braibante o preparador físico. A equipe se completa com o preparador de goleiros Ed Palmieli e os analistas de desempenho Mateus Bolivar e Flavio Salla. 

Esse ano o clube optou por trazer atletas com mais experiência, com conhecimento e contato com o campeonato gaúcho.  “Esses atletas tem que saber o peso que é essa competição e o maior objetivo do clube, que é trazer o acesso”, diz Marcos Pedroso.  

Primeiro amistoso contra o Grêmio em Porto Alegre. Imagem: Renata Medina

O Inter-SM vem realizando amistosos até a competição se iniciar. O primeiro amistoso de preparação para a Divisão de Acesso, foi na cidade de Eldorado do Sul, na região metropolitana de Porto Alegre. A disputa aconteceu no sábado 31 de julho, às 15h, no Centro de Treinamento Hélio Dourado.

O Alvirrubro teve muito trabalho no primeiro amistoso, o time santa-mariense saiu atrás no marcador, porém com muito esforço alcançou o adversário e conseguiu a virada, derrotando a equipe sub-20 do Grêmio por 2 a 1.

Retorno das torcidas nos estádios 

Recentemente, na Agência Central Sul foi publicada uma matéria a respeito do retorno dos torcedores aos estádios, veja e reveja. Até o momento não há nenhuma novidade, no entanto os clubes e as federações seguem atentas aos protocolos e normas a respeito do assunto.

Em entrevista ao Diário de Santa Maria, a assessoria de comunicação do Inter-SM, há uma possibilidade do retorno dos torcedores ainda nos jogos da Divisão de Acesso. Na sexta-feira, 30, foi concedido pela Federação Gaúcha de Futebol (FGF) um protocolo geral para a volta do público nos estádios no Rio Grande do Sul. 

Ao que tudo indica de acordo com o protocolo, a decisão depende somente da aprovação da Prefeitura de cada município. Em caso de aprovação do retorno, será permitido no máximo 25% da ocupação do estádio, o que equivale a 1.665 pessoas no Estádio Presidente Vargas, por exemplo. Além disso, é indispensável a apresentação da carteira nacional de vacinação, sendo obrigatória a imunização com as duas doses ou o exame RT-PCR com prazo máximo de 72h. Além de protocolos como venda de ingressos apenas de modo antecipado com prioridade para sócios em dia.

 

  • Reportagem feita na disciplina de Jornalismo Esportivo, durante o 1º semestre de 2021, sob supervisão da professora Glaíse Palma.

Bandeira gay dentro do estádio. Imagem: GettyImages

Cada vez mais, vemos pessoas LGBTQIA+ ocupando espaços e ganhando as devidas visibilidades. O esporte é considerado como um meio de inclusão e um intermédio para as lutas contra os diversos preconceitos presenciados na sociedade. Porém, é ainda considerado um tabu associar a prática esportiva com atletas não héteros. 

A decisão em assumir seu gênero e/ou orientação sexual sempre gerou muito preconceito e o afrontamento a essas escolhas, embora evoluções lentas sejam vistas com o passar dos anos. O dia 17 de maio de 1990 marcou o mundo quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças. 

A data geralmente é marcada por manifestações que fortalecem as lutas travadas no cotidiano, assim como o mês de Junho, considerado como o Mês da história LBGT. O mês tem como intuito conscientizar e reforçar a importância do respeito e da promoção de equidade social e profissional de pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queer, intersexuais, assexuais, etc.

Torcida manifestando o espaço lgbt no esporte. Imagem: Makchwell Coimbra Narcizo, Pragmatismo Político

Atos que perduraram por anos na sociedade, como a Homofobia e Transfobia foram considerados crimes somente em janeiro de 2019, quando o Supremo Tribunal Federal aprovou que atos preconceituosos contra homossexuais e transexuais devem ser enquadrados no crime de racismo.

O Grupo Gay da Bahia (GGB) coletou e divulgou, em 2019, um relatório anual com números de mortes violentas de pessoas da comunidade LBGT, no país. A cada 26h, um LGBT perde a sua vida, seja por homicídio ou suicídio. No mesmo ano, foram 329 mortes violentas, todas vítimas da homotransfobia, 90,3% dos casos correspondem a assassinatos, enquanto 9,7% dizem respeito a suicídio. Esses dados fazem com que o Brasil seja considerado um país violento, no topo dos países que cometem crimes contra as minorias sexuais. 

No esporte, injúria racial tem sido punida com base no art. 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que trata de atos discriminatórios. A equiparação pelo STF, abre espaço para a Justiça Desportiva também punir, mesmo sem uma mudança no CBJD. Afinal, o direito é um só. A Federação Internacional de Futebol (FIFA) também se posicionou contra o preconceito no seu novo Código Disciplinar, determinando punições a manifestações preconceituosas, como injúria racial e homofobia. 

Embora seja um processo educativo, a verdade é que não há punição de crimes como homofobia, racismo ou outras manifestações preconceituosas que alimentam comportamentos que não podem ser mais tolerados, tanto na vida como também no esporte. Além de caminhos jurídicos, a postura dos protagonistas no jogo tem um papel importante. 

Olimpíadas de Tóquio 2020

Estão acontecendo nesse momento as Olimpíadas de Tóquio 2020, que foram adiadas e transferidas para Julho de 2021 em virtude da pandemia. O evento esportivo é um dos maiores e mais grandiosos, caracterizado por reunir atletas de variados esportes do mundo inteiro em prol de um único propósito, a conquista pela medalha no seu esporte.

Esta edição vem sendo muito importante pois está sendo um palco e tanto para atletas LGBTQIA+ se posicionarem. A primeira manifestação de protesto durante o evento esportivo foi feita pela atleta Raven Saunders, que competiu na modalidade de arremesso de peso feminino, conhecida como a Mulher Hulk. A atleta é uma entre os cerca de 180 atletas LGBTQIA+ que participam dos jogos olímpicos de 2020. 

Após ganhar a medalha de prata na modalidade de arremesso de peso, Saunders subiu ao pódio fazendo um gesto de protesto. Assim que recebeu a medalha ela levanta os braços acima da cabeça formando um “X”, como forma de manifestação a favor de todos aqueles que são oprimidos e sofrem preconceitos dentro e fora do esporte.

Raven Saunders. Imagem: Folha de São Paulo

O Comitê Olímpico Internacional (COI) proíbe todo tipo de protesto durante as premiações dos jogos olímpicos e se pronunciou após o ato de Raven. O comitê relata que irá analisar o gesto e tomar as devidas providências. Antes da Olimpíada de Tóquio, o COI havia flexibilizado as regras a respeito de protestos, liberando que atletas pudessem expressar suas opiniões durante as coletivas de imprensa.

As Olimpíadas de Tóquio 2020 se caracterizam por ser a edição dos jogos com o maior número de atletas da comunidade LGBTQIA+.  Entre os classificados está Laurel Hubbard, a primeira mulher trans a participar da competição desde sua primeira edição em 1896. Um outro fator interessante de citar é que o país sede dos jogos deste ano, é conhecido por ser um país extremamente conservador e o único, dentre as sete nações mais ricas do mundo, que não legalizou o casamento homoafetivo. 

O espaço que uma mulher trans ocupa, sendo a primeira e única a participar de uma Olimpíada, torna evidente o quanto mudanças ainda são necessárias dentro do meio esportivo, e que uma revisão no regulamento do evento precisa ser feita. 

Douglas Souza. Imagem: Divulgação/FIVB

O Brasil nas Olimpíadas está ganhando com o carisma do jogador da Seleção Brasileira de Vôlei, Douglas Souza, de 25 anos, um atleta que não esconde ser gay e muito menos deixa com que isso atrapalhe seu desempenho no esporte. Ele vem fazendo sucesso nas redes sociais ao compartilhar vídeos dos preparativos e da rotina em Tóquio. O atleta já possui mais de 500 mil seguidores em seu perfil no Instagram, além de chegar ao topo dos assuntos do momento do Twitter, após a repercussão de seus vídeos.

 

Esporte entre a população LGBTQIA+

Por conta do preconceito enraizado e da pouca oportunidade para com a inclusão do público LGBTQIA+ no âmbito esportivo, houve iniciativas que incentivam a prática para essa comunidade.

Pensando em promover a prática esportiva em grupo entre essa população, ao redor do mundo vários atletas se uniram para formar coletivos que praticam corrida, futebol, handebol, rugby, vôlei, treinos funcionais e etc. Esses eventos auxiliam na representatividade no meio esportivo, acolhendo homens e mulheres, de todas as idades e tipos físicos, com ou sem habilidades esportivas. A única exigência, normalmente, é não ser heterosexual. 

Conheça alguns desses projetos:

  • Bharbixas Esporte Clube: equipe poliesportiva LGBTI+ em Belo Horizonte, conheça acessando o Instagram.
  •  Meninos Bons de Bola: primeiro time de futsal amador composto por homens transexuais no BR, conheça acessando o Instagram.
  • Rangers Volley BR: time de vôlei da diversidade, voltado ao grupo LGBTQIA+, conheça acessando o Instagram.
  • Magia Sport Club: Primeiro clube esportivo LGBT do RS, conheça acessando o Instagram 
  • BeesCats Soccer Boys: 1ª equipe LGBTQIA+ de futebol do RJ, conheça acessando o Instagram.
  • Fair Play Sport Club: grupo multiesportivo e cultural voltado à comunidade LGBTQIA+ em prol da inclusão esportiva, do combate ao preconceito e à homofobia, conheça acessando o Instagram.
  • S.C GAIVOTAS: time de FUT7, conheça acessando o Instagram

Slogan do Magia Sport Club

Mais próximo da nossa realidade está o Magia Sport Clube, o primeiro clube LGBTQIA+ do Rio Grande do Sul, localizado em Porto Alegre, que oportuniza a prática em esportes como futebol, jiu jitsu, vôlei e handebol.  Em processo de formalização como associação esportiva sem fins lucrativos, caracteriza-se como clube inclusivo, atuando nas áreas esportivas e educacional, utilizando o esporte como meio de inclusão. 

A Professora de Educação Física, Ivvy Souza, compõe a equipe do Magia Sport Clube na modalidade de Futsal. Ela ressalta que o futebol em si, assim como o futsal, é um ambiente quase que estritamente masculino, então sua infância foi basicamente rodeada por meninos pois, quase nunca, nem em seu time, teve contato com meninas na prática do esporte. 

Oportunidades e desafios (áudio Ivvy)

Time feminino do Magia Sport Clube em partida. Imagem: acervo do clube

Ivvy traz como exemplo a representatividade que ainda é ausente principalmente no futebol. Ela ressalta que assim que questionada não consegue lembrar de cabeça um jogador sequer que “seja assumido” e que jogue futebol. Em contrapartida, várias jogadoras de futebol nunca esconderam ou se quer deixaram isso as atrapalharem. 

O exemplo da educadora física é muito relevante tendo em vista que, talvez, essa falta de segurança entre os atletas seja pelo próprio espaço que ainda é tão raso em relação ao assunto. Além do futebol já ser considerado um esporte masculino e possuir uma cultura machista.

O estudante de Jornalismo e também atleta do Magia Sport Club na modalidade do Futebol 7, Jônata Machado, contribui dizendo que essa representatividade significa evolução, porém ainda falta muito mais para chegar ao objetivo final, que é a inclusão e a diversidade.

Equipe do Jiu Jitsu do Magia Sport Club. Imagem: Acervo do clube

“Pessoas tomarem a iniciativa, não terem medo, embora haja muito medo por causa da violência, assim como quando tu vai revelar sua orientação sexual, é muito complicado. Tu tem medo do preconceito, do que irão pensar, de como a sociedade irá agir, sempre vigiando as suas atitudes e seus modos de agir. Então, significa que temos uma luz no fim do túnel, claro que falta muito a ser feito, porém é muito bom que esteja acontecendo e espero que daqui a pouco no futebol brasileiro, que é muito difícil, mas que se quebre esses tabus e que a gente consiga viver numa boa, sem precisar se preocupar com a orientação sexial do outro. Por que ficar se escondendo por medo é a pior coisa que tem!”, afirma o atleta.

Ambos os atletas consideram o Magia como uma família, onde a inclusão e espaço no ambiente esportivo é disponibilizado de maneira simples, sem mistério ou qualquer medo. 

Sobre o Magia (áudio Jônato)

O Magia Sport Club é o clube mais antigo do sul do país, com 16 anos de existência, pioneiro na Ligay BR e anfitrião da primeira edição da Copa Gaúcha LGBTQIA+.

Copa Gaúcha LGBTQIA+

A Copa Gaúcha foi idealizada para reunir os times do estado e, após o longo tempo de pandemia pelo qual vivemos, com calma e responsabilidade, está sendo organizado o evento de acordo com os protocolos, para as equipes voltarem a disputar torneios.

Atletas do futebol do Magia Sport Clube. Imagem: Acervo do clube

Além do Magia Sport Club, o Real Flamingos S.C. de Pelotas também está à frente deste evento, auxiliando na organização com intuito de promover mais diversidade e espaço a todos os atletas da comunidade. 

Para saber mais e acompanhar as novidades, siga o Instagram da Copa Gaúcha LGBTQIA+.

Pavilhão do Estádio João Martins. Foto: Lucas Acosta.

“O sentimento de ser jogador é maravilhoso. Desde criança sempre foi meu sonho.  Começou a ser realizado quando tinha 16 anos, fui jogar no Defensor de Montevideo, Inter-Santa Maria, Caxias, Avaí-SC, e depois para o 14 de Julho. Foi uma honra ter vestido esse manto, um dos clubes mais antigos do Brasil. A experiência foi maravilhosa por jogar na minha cidade”. esse é o sentimento de Gustavo Benitez, ex-jogador do Esporte Clube 14 de Julho, de Santana do Livramento. Um clube com uma história riquíssima e feitos históricos.

O começo

A história do clube começa em 1902 com garotos que jogavam um esporte ainda pouco conhecido pelas pessoas, em um espaço onde hoje se encontra o Parque Internacional, praça que divide as cidades de Santana do Livramento e Rivera, no Uruguai.

Parque Internacional atualmente.

Com a adoção das cores vermelho e preto, o clube do interior do Rio Grande do Sul, se tornou o primeiro rubro-negro do Brasil, com o passar dos anos outros grandes clubes adotaram essas mesmas cores, como Brasil de Pelotas e Flamengo. Além desse feito, o Esporte Clube 14 de Julho é o terceiro clube mais antigo do país, com fundação em 14 de julho de 1902, fica somente atrás do Sport Club Rio Grande, também do RS, fundado em 19 de julho de 1900 e a Associação Atlética Ponte Preta, de Campinas, São Paulo, fundada em 11 de agosto de 1900.

Evolução dos Uniformes ao longo dos anos:

 

O começo da caminhada do 14 de Julho é cheio de feitos históricos, que são lembrados até hoje. Em 1906, o clube aproveita a proximidade da cidade uruguaia e realiza um jogo contra o Rivera F.C, vence pelo placar de 2×1 e conquista a primeira vitória internacional de um clube brasileiro. Já em 1909, foi o primeiro clube a conquistar um campeonato internacional, a Copa La France, no Uruguai, competição que ajudou a fundar.

Os primeiros anos de história do clube foram vitoriosos, mas não só de vitórias se vive um time,  também de reconhecimento. Cipriano Nunes Silveira, o Castelhano, jogador do clube de 1907 a 1929, com exceção apenas do ano de 1920, quando atuou pelo poderoso Santos, se tornou o primeiro jogador do estado do Rio Grande do Sul a ser convocado para a seleção brasileira. Além disso, o clube é um dos fundadores da Federação Rio-Grandense de Desportos, hoje conhecida como Federação Gaúcha de Futebol (FGF).

Escudo do clube.

O apelido Leão da Fronteira surge com carinho e representação a garra com que os jogadores atuavam, pela localização e pelo grande número de uruguaios no time. O Leão sempre esteve presente no escudo do clube.

Esse começo de trajetória do clube foi muito importante, visto que, contribuiu para a evolução do esporte na cidade, no país ao lado e no estado.

O passado recente

A história recente do time santanense não é tão vitoriosa como antigamente, o clube que passou por inúmeras dificuldades ao longo das últimas décadas, hoje não possui time de futebol. Entre 1998 e 2004, o primeiro rubro-negro do Brasil também ficou com o departamento de futebol fechado, mesma situação que ocorreu no final de 2013, quando a então diretoria encerrou suas atividades de futebol por causa das dificuldades de manter o time.

Elenco do clube em 2012. Foto: Facebook/Gustavo.

Gustavo Benitez, meio-campo e ex-jogador do clube, atuou nos anos anteriores ao encerramento das atividades, “O ambiente era bem agradável, nossa equipe era muito boa, chegamos bem longe nas competições que participamos”, comenta Gustavo. O ex-jogador também conta um pouco da gestão do clube na época, “O clube teve muitas mudanças na estrutura. A gestão que estava na época fez várias melhorias arrumando vestiários, que nem time da primeira divisão tinha. Colocaram luz no campo, melhoraram o campo e a situação financeira nessa época estava muito boa, salários em dia…” O ex-jogador finaliza comentando também sobre o tratamento recebidos pelos jogadores, “O tratamento era bom, nós tínhamos tudo do bom e do melhor, ficávamos concentrados antes dos jogos, concentrávamos em hotéis muito bons, nem em vários times que passei não tinha toda essa estrutura pra nós jogadores.”

Desde 2013, com as atividades paradas e com os problemas se agravando, o clube ainda formou uma categoria de base, com futebol masculino e feminino. O Globo Esporte, com Alice Bastos Neves, foi a Santana do Livramento em outubro de 2014 para gravar o “Vem Alice”, quadro onde a apresentadora dava destaque para projetos novos e até projetos amadores no cenário sul-rio-grandense e mostrou para todo o estado a tentativa de recomeço de um grande time. Porém, a ideia que no começo era excelente, não foi tão a frente, também pelas dificuldades enfrentadas pelo clube.

Para olhar a reportagem, clique aqui.

O presente

Portão 1 do estádio João Martins. Foto: Lucas Acosta.

Já em 2018, uma nova gestão assumiu o comando do clube e fez algumas mudanças e reformas no João Martins, estádio próprio do 14 de Julho. Mercedes Cunha, assumiu como presidente e Adriano Silveira Trindade, como diretor de futebol.

Projeto Leão do Futuro. Foto: arquivo pessoal Adriano.

Adriano, conhecido por “Dingo”, também é ex-jogador do clube, e conta que em 5 de novembro de 2018 um projeto de categorias de base foi criado no clube, o Projeto Leão do Futuro, com crianças dos 6 aos 17 anos de idade. O diretor de futebol comenta também que o controle de dedicação é complicado com certas idades, já que atualmente existe muitas “distrações”. O Leão do Futuro era um trabalho social que contava com cerca de 160 crianças e recebia apoio de algumas empresas de Santana do Livramento, com alimentação e outras questões. Porém com a pandemia do Coronavírus, o projeto precisou dar uma pausa pela segurança das crianças, dos técnicos e dos demais envolvidos. O covid-19 não só  atrapalhou as categorias de base, mas também agravou a situação, que já era bem delicada na parte financeira do clube.

Leão do Futuro. Foto: arquivo pessoal Adriano.

Piscina térmica no estádio João Martins. Foto: Lucas Acosta.

Ao ser questionado sobre como o clube ainda se mantém vivo, Adriano respondeu “O clube, hoje, se mantém pela piscina, pelo departamento de piscina, com o pagamento dos sócios”. Em 1989, Hilário Nicolini, presidente do 14 de Julho naquele ano, construiu uma piscina térmica nas dependências do João Martins. Esse investimento, até hoje é usado, mas com a pandemia, também precisou parar de receber seus sócios. O diretor de futebol ainda ressalta que muitos sócios não fazem o pagamento e entende o lado dessas pessoas, visto que, o clube está fechado, mas pede que as pessoas entendam o lado do clube, que precisa manter o ambiente para uma possível reabertura.

Sobre o departamento de futebol ainda estar fechado, Adriano afirma que “O futebol, nesse momento, não tem condições, quem sabe no futuro”, já que em 2021 a Terceirona Gaúcha, terceira divisão do campeonato estadual, voltou a ser disputada e dá vaga para dois na próxima Divisão de Acesso, competição que o 14 de Julho poderá almejar em seu futuro, se o futebol retornar.

Adriano relata que várias soluções são pensadas para os problemas do clube, porém descreve o quão difícil é colocar as ideias em prática, por falta de recursos e também por falta de apoio. O diretor de futebol comenta que deveria existir uma união do esporte santanense, todos os clubes juntos em prol do esporte em geral e não em benefício a determinado clube. “O dia que parar as vaidades, rivalidades, a falta de respeito das pessoas se acharem melhores que as outras, diminuírem o valor das outras e sempre acharem que só elas têm a solução e só elas sabem das coisas, aí sim começamos a andar para frente.” complementa o diretor.

Aviso aos sócios na recepção. Foto: Lucas Acosta.

Com todas as dificuldades do clube, hoje o estádio e a piscina do João Martins não possuem funcionários, a diretoria procura ainda ajudar esses funcionários com cestas básicas e uma ajuda de custo, visto que poucos sócios realizam o pagamento das mensalidades durante a pandemia. Além disso, com as dívidas do clube, o complexo onde está situado o estádio já foi para leilão cinco vezes e, até o momento, pode estar indo para o sexto. Contudo advogados ligados ao clube tentam tornar o estádio João Martins patrimônio histórico da cidade e com isso o leilão não aconteceria.

Troféus do clube. A sala de troféus está em manutenção. Foto: Lucas Acosta.

Com 40 títulos municipais e campeão estadual de juniores em 1992, o Esporte Clube 14 de Julho possui um carinho enorme dos santanenses, porém no presente não conseguiu conquistar títulos e repetir o brilhantismo que existia no século passado. Com a categoria de base e novos projetos, a diretoria e os torcedores esperam que em um futuro próximo o clube volte a dar alegrias ao seu torcedor.

 

O autocontrole e a capacidade de equilíbrio mental, são fatores comumente trabalhados na rotina de um atleta. Porém, desde o começo do surto do novo coronavírus, estas competências foram testadas, a ponto de exigir dos desportistas conhecerem-se mais, para que pudessem se sobressair diante da pressão psicológica enfrentada neste período.

Além das dificuldades relacionadas às adaptações dos treinos em épocas de lockdown, a mente tornou-se um dos principais obstáculos em um processo de aceitação. Ricardo Brandt, formado em Educação Física e doutor na linha da Psicologia do Esporte, afirma que parte deste sofrimento mental deve-se ao fato dos atletas estarem acostumados com um objetivo de vida naquela modalidade, e que pelo fato da “busca por essa meta” ser parcialmente interrompida, a tendência é que o psicológico venha a reagir de maneira unusual.

Professor na Universidade Estadual do Oeste do Paraná e inserido no ramo da psicologia esportiva, Brandt já trabalhou com atletas da Seleção Brasileira de Vela, ciclismo, futebol, futsal, tênis, atletas profissionais de triatlo e do remo paralímpico. Estes últimos, mentorados por ele, com foco nos preparativos para as Olimpíadas de Tóquio, em julho de 2021. Com toda sua bagagem de conhecimento, o psicólogo ressalta a importância da relação entre a busca por metas e a tentativa de equilíbrio mental e emocional: “As pessoas precisam criar um motivo para voltar a ter disciplina. Ter um gatilho para serem levadas a essa ação. Praticantes recreacionais ou amadores sofreram mais, pois trata-se de um processo mais lento que os retirem da inércia. Já no caso de pessoas que vivem do esporte 24h por dia, há a necessidade da criação de motivos para a prática pois, após a mudança do hábito, a tendência é que os outros venham junto com a disciplina”.

Tornou-se comum perceber, em meio aos longos intervalos de quarentena, diferentes métodos de reinvenção em cada modalidade. Atletas que levaram seus esportes para dentro de casa, assim como criaram novos hábitos de alimentação e introspecção, para auxiliar no processo de entendimento do corpo. “As pessoas precisam encontrar uma modalidade que elas possam chamar de sua, algo que amem e se identifiquem. Não é por indicação ou moda, é por experimentar práticas que consigam manter uma constância”, acrescentou Brandt, sobre a relevância do esporte na vida das pessoas.

De acordo com ele, o uso moderado da rede social, foi um ponto positivo para auxiliar na necessidade de aproximação e convívio entre profissionais deste meio. Ponto realçado pelo motivo de que os mesmos costumavam vivenciar inúmeras situações de inter-relacionamento em comparação ao “novo normal”. Outro ponto abordado pelo profissional, são as técnicas de relaxamento, como yoga, meditação e o mindfulness, considerados exercícios estratégicos para serenar a mente e readquirir o equilíbrio do organismo: “Exercícios físicos praticados em casa, estratégias para reflexão e o contato com a natureza são essenciais para o controle emocional, pois agem na liberação de hormônios e neurotransmissores, decisivos na manutenção do humor”.

Francielli Gasparotto em competição orientista – Foto: Arquivo pessoal

No entanto, nem todos conseguem lidar da mesma forma com desequilíbrios e readaptações psicológicas. Além dos pontos já citados, a alimentação e a depressão podem ser consideradas outras consequências deste processo. A paranaense Francielli Gasparotto sempre foi adepta ao esporte. Praticante nata de orientação e natação, passou por um árduo caminho durante os momentos de lockdown. Ela conta que devido aos regramentos de saúde social impostos durante a pandemia, precisou se ausentar de todas as suas práticas, o que abalou fortemente seu psicológico: “Parei com todas as atividades no começo da pandemia. Fiquei adepta à instabilidade, não sabia o que estava acontecendo… Fui aguardando as liberações dos protocolos de saúde, para retomar a prática dentro do possível”.

Segundo a orientista, o avanço de pesquisas científicas corroborou para que ela pudesse voltar às piscinas: “Como a natação é uma modalidade segura durante a pandemia, por englobar o distanciamento social e por levar em consideração que o cloro inibe a ação do vírus, eu retornei”. Posteriormente, já em 2021, ela retomou as atividades ligadas ao ciclismo. Porém, para chegar até esta fase de recuperação, grandes desafios mentais estiveram presentes em seus dias. “Foi algo bem difícil de lidar. Meu psicológico foi muito afetado, a partir do momento que vi que não teria mais as competições de orientação, assim como não teria como recorrer à natação e ao ciclismo”, desabafou. Ela acrescenta que, entre outros pontos, o sono e a alimentação foram fortemente impactados. “Tive muita insônia, algo que nunca havia experienciado. Foi a primeira coisa que apareceu em razão da falta do esporte. A parte da motivação foi por água abaixo, principalmente por eu não encontrar mais minhas perspectivas”, destacou.

Frente a aspectos como este, Brandt salienta o cuidado necessário por parte dos profissionais que lidam com o desenvolvimento mental de atletas, em relação à intervenção destas situações: “O psicólogo esportivo precisa conhecer seu paciente a fundo, ter um acompanhamento sistemático, analisar, entender e compreender como a mente dele funciona e responde às diferentes situações e contextos esportivos. É interessante planejar o que será feito, traçar os objetivos e saber regular aspectos emocionais, como a ansiedade, depressão, stress, humor, além da criação de rotinas de treino para o aumento de energia”.

Francielli Gasparotto em Stand Up Paddle – Foto: Arquivo pessoal

Porém, ao fugir dos parâmetros clássicos do funcionamento de uma mente esportiva, há outros vieses relacionados com o equilíbrio entre corpo e mente. Essa relação é interligada com os níveis de autoconhecimento e com a quebra de paradigmas psicológicos, no que diz respeito ao conhecer os próprios limites e se permitir experimentar novas áreas de atuação. Francielli conclui que um dos pontos positivos que o lockdown proporcionou foi a tentativa de descobrir mais sobre si mesma, além de intensificar a prática de momentos reflexivos, encontrados na meditação, espiritualidade e contato com a natureza. “Eu optei por começar com o Stand Up Paddle, já que eu simpatizava remar. Vi nesse esporte a oportunidade de fazer uma coisa que eu gostava, que era sair de casa e estar em isolamento e contato com a natureza. Essa escolha me trouxe a sensação de aliar o lago da Itaipu com o esporte, além da coragem e do fato de estar em meio a natureza”, revelou.

Por mais que a atleta não tenha retornado à orientação, estar em meio à água, sozinha e em sintonia com a natureza, possibilitou-a focar no desenvolvimento do autoconhecimento, ao fazer algo bom para a mente e para o corpo. “O atleta precisa se conhecer, para que possa trabalhar com regularidade emocional. O desenvolvimento da inteligência emocional é muito particular. Sem sombra de dúvidas, optar por outras modalidades e dedicar um tempo para a própria mente, é um tiro certeiro. Tudo que coopera com o intelecto pode gerar bons frutos”, concluiu Brandt. Percebe-se, por meio dos exemplos, a capacidade que o esporte tem de fazer com que haja a recuperação da autoconfiança, assim como, reequilibrar a relação entre foco e metas. De fato, a pandemia gerou inúmeros conflitos mentais a muitas pessoas, porém, se houver a análise sobre cada situação, percebe-se que existe uma alternativa de melhora e reflexão. O autoconhecimento sempre estará presente.

 

Produção da disciplina de Jornalismo Esportivo, durante o primeiro semestre de 2021, sob coordenação da professora Glaíse Bohrer Palma.