Websérie retrata como o intercâmbio muda a vida dos participantes


Por Agência CentralSul de Notícias

 

Mariama Granez. Foto: Valéria Auzani

Na I Mostra de Projetos Experimentais – I Mope, que acontece nesta sexta-feira, 05 de julho,  a acadêmica Mariama Granez, orientada pela professora Maria Cristina Tonetto, expôs o seu trabalho chamado Travel to Change. Ela optou por fazer uma websérie em que fala sobre as contribuições do intercâmbio na vida dos estudantes. Ela conta que decidiu fazer seu projeto experimental sobre intercâmbio por conta da sua própria experiência. Ela já fez dois – um para o México para realizar um projeto social em que dava aula para crianças de uma comunidade carente sobre as metas da ONU e os costumes do país e, outro, linguístico, no Canadá.

Mariama afirma que ao decidir trabalhar com esse tema em seu trabalho, ela quis mostrar como o intercâmbio social afeta positivamente a vida das pessoas , e também o que muda na vida de cada um que realiza a viagem com o intuito de realizar um projeto social. Os intercâmbios sociais são viagens que são realizadas para trabalhar em projetos sociais. Além de conectar voluntários de diversos países, possui o objetivo de realizar projetos agregam algo na vida de diversas comunidades. Outro benefício dessas viagens é desenvolver e aprender sobre língua estrangeira.

Um exemplo de empresa que realiza intercâmbios sociais é a Aiesec, uma organização não governamental formada por jovens, que desempenha esses tipos de programa no país e manda por ano para outros países, mais de 7 mil voluntários para projetos de voluntariado.

No seu projeto experimental que consiste em dois episódios pilotos de uma websérie, Mariama registra o depoimento de outras duas participantes de intercâmbios. O trabalho, em breve, estará disponível no canal do Laboratório de Produção Audiovisual – Laproa, no YouTube.

Por Valéria Auzani para a disciplina de Jornalismo Científico.

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *