Os prazeres regionais de Minas Gerais


Por Agência CentralSul de Notícias

 

Edifício em Art Decó no centro de Belo Horizonte, MG. Foto: Mariana Tabarelli

É pela gastronomia e por suas construções históricas que os mineiros conseguem capturar tanto o olhar quanto o estômago dos habitantes e dos viajantes que passam pela região. A experiência que Minas Gerais proporciona aos que ousam desbravá-la vai além da gastronomia, e irrompem ao design de suas igrejas e prédios.

As riquezas históricas do estado abrangem desde as pequenas e grandes fazendas até as construções arquitetônicas bem preservadas na área urbana da capital. Estas construções em residências, prédios públicos, cinemas e mercados são designs característicos da Art Decó, surgida em 1920 na Europa, e  inserida primeiramente em Belo Horizonte por diversos arquitetos, entre eles, Rafaello Bertti, em 1940.

Só é Mineiro se tomar café com Pão de Queijo, sô”

É claro que seja na capital ou no interior, no aeroporto ou na padaria da esquina, nos restaurantes mais sofisticados até nas cozinhas das casas, “só é mineiro se tomar café com pão de queijo”. Em 2008 o pão de queijo foi nomeado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), e faz parte do café da manhã e da tarde dos mineiros, e pode ser encontrado em diversas formas e tamanhos.

Para quem passeia pela capital do estado pode encontrar nas diversas padarias no centro da cidade, ou nos mercados, os famosos queijos de minas que têm cerca de 300 anos de história, e tornou-se um dos símbolos de Minas Gerais. Além dos queijos, os deliciosos Doces de Leite em compota chegam a ter um concurso anual que elege o mais saboroso do ano. Entre as marcas mais conhecidas está no topo o Viçosa, Aviação, Reserva de Minas, Majestic, Sabores do Grama, Rocco, entre outros. Tem doce de leite com morango, com maracujá, doce de leite com rapa, com amendoim, com café e o tradicional.

Além dos derivados do leite o Curau de Milho Verde com canela, também conhecido como Mingau, traz à memória à textura de um pudim, porém com um gostinho de comida de interior, assim como aos famosos ‘casadinhos’ de goiabada ou de chocolate. A realidade é que seja através dos aromas, do toque, ou do sabor, Minas oferece a todo aquele que a procura, anos de cultura e história impregnados em suas paredes e em suas comidas.

Por Mariana Tabarelli, acadêmica de Jornalismo

 

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *