Da falência à volta por cima da Cyrilla


Por Jornalismo Investigativo

 

A fábrica que reabriu no ano da pandemia já enfrentou problemas sérios, inclusive uso de insumos baratos que alteraram o sabor 

Joedison e Matheus Avello*

A Cyrilla foi inaugurada em 20 de setembro de 1910 em Santa Maria, Rio Grande do Sul, e fica localizada na rua Marechal Deodoro, número 50, bairro Itararé. Foi fundada pelo alemão Frederico Adolfo Diefenthaler em sociedade com o químico Ernest Geys, e teve a finalidade de produzir águas minerais, refrigerantes, licores e outras bebidas alcóolicas.

Ao longo dos seus 110 anos a indústria viveu vários altos e baixos. Teve sucesso em vendas, mas também momentos difíceis. A empresa pecou em más administrações, que não souberam lidar com problemas fiscais, com a concorrência, que provocaram a falência em 2008. Mesmo com tudo isso a fábrica conseguiu dar a volta por cima e reabrir em 2020.   

As dificuldades ao longo da existência e a falência em 2008

A fábrica encerrou as atividades, em 2008, por problemas diversos, como endividamentos relativos a impostos, dificuldade financeira, problemas de mercado e má administração. “O último proprietário foi meu pai, Antonio Gilberto Correa que começou a trabalhar na Cyrilla como funcionário no ano de 1971”, afirma Tiago Correa.

Tiago conta que o auge das vendas da marca foi na década de 1970 e que ao longo dos anos a empresa passou por vários problemas. “A família Diefenthaler administrou a fábrica até início dos anos 1980, passando por três gerações familiares. Nos anos 1980, a Cyrilla passou por problemas familiares. Não sabiam se iam vender a empresa ou simplesmente fechar as suas portas”, conta. “Foi aí que ofereceram para meu pai um percentual para ele administrar a empresa e ele tentar virar o jogo”, complementa Correa.

Entre os anos 1980 e 1990, a empresa conseguiu alavancar suas vendas. Aos poucos Antônio Gilberto Correa comprou a parte dos outros sócios. Correa ficou à frente da empresa até 2008, quando fechou. Os problemas  começaram a aparecer em 1994, quando surgiu a garrafa PET. A fábrica parou de produzir o vidro e já não conseguia mais fazer o guaraná Cyrillinha como era antigamente. A partir daquela década surgiram problemas fiscais e concorrência com outras marcas mais baratas.

Nos anos de 2002 e 2003, a fábrica vendia seus produtos para todo o Estado, tinha produção 24h por dia, porém, havia um contratempo de problemas fiscais somado à má administração. Tiago informa que naquela época aumentaram as dificuldades por conta de 49 fábricas de refrigerantes existentes no país que não mantinham um padrão e produziam os produtos de má qualidade, bem mais baratos que a Cyrilla. “Como a Cyrilla tinha um custo mais caro, não podia competir. Não conseguia vender. Logo não possuía mais capital. Com isso, ela foi se descapitalizando junto com interferências fiscais que fizeram a fábrica fechar suas portas de vez no ano de 2008”, admite Tiago Correa.

 

O relato de um ex-funcionário

A empresa vendia muita mercadoria para os supermercados do Estado. Porém, às vezes as lojas não vendiam tanto, e os produtos acabavam voltando para as trocas, o que acarretava em perda de receita. “Seu Gilberto era um bom patrão e uma excelente pessoa com seus funcionários e clientes. Seu único defeito era não saber administrar, já que, gastava muitas vezes mais do que realmente ganhava de vendas e obtinha lucro”, assegura Onofre Lopes de Almeida ex-funcionário da empresa.

“Trabalhei na fábrica entre os anos de 1997 e 2008. Durante este período, a Cyrilla passou por fases difíceis”, comenta. O ex-funcionário revela que nos últimos anos houve troca de insumos, que alteraram o sabor dos refrigerantes. “A empresa, na época, trocou algumas coisas de sua composição química que estavam muito caras por outras mais baratas, o que ocasionou em um refrigerante mais aguado, com menos gosto e pouco gás. Isso na época deu um baita problema, pois a empresa recebeu várias ligações de reclamações, o que gerou várias trocas de refrigerantes”, lembra.

Os consumidores não aceitaram as bebidas mais aguadas e com menos gás. “No fim, a empresa tentou economizar na produção, mas acabou gastando ainda mais, já que, o refrigerante mais barata gerou trocas. Foi um período em que a fábrica teve mais prejuízo. Salários atrasados de funcionários e problemas trabalhistas começaram a aparecer entre 2007 e 2008, o que logo levou seu Gilberto Correa fechar as portas da empresa”, declara o ex-funcionário.

Segundo o ex-funcionário, a Cyrilla entregava refrigerantes em todas as cidades do Rio Grande do Sul. Os supermercados que mais vendiam Cyrilla aqui em Santa Maria eram o Beltrame da rua Euclides da Cunha, Big da Fernando Ferrari, Nacional do centro e Avenida Medianeira e a Rede Vivo. Em 2008 Onofre teve que sair da empresa, devido a um acidente de moto no bairro Itararé, no trevo onde fica a igreja Santa Catarina. “Estava a trabalho no momento do acidente, mas não consigo me lembrar do exato momento do acidente, apenas sei por laudos e dados levantados pela polícia”. “Após o acidente fiquei um bom tempo internado, pois tive traumatismo craniano e também fiquei com sequelas, passei a ficar com a memória curta, assim como lembro das coisas, logo esqueço”, informa Lopes. 

O amor e carinho por quem é fã da marca

 

Morador desde que nasceu no bairro Itararé, Jorge Ademir Rosa Pereira, 56 anos, conta que nos anos 80 e 90 vendia-se bastante refrigerante na empresa. Os moradores do bairro todo consumiam apenas Cyrilla. “Temos que valorizar a marca, porque é um produto nosso produzido aqui na cidade, os refrigerantes Cyrilla são produtos bons, suave e que devem ser mais valorizados por todos daqui, ao invés das população da cidade dar lucro a empresas de fora como a Coca-Cola, por exemplo”, comenta. “Não podemos deixar a indústria fechar suas portas novamente”.

“A Cyrilla faz lembrar-me da minha infância que sempre tinha refrigerantes Cyrilla nas festas aqui em casa, ou nos encontros com a família. Bebíamos Cyrilla também em bares que ficavam próximos a Gare, além de encontros com amigos, vizinhos e familiares que sempre tinham algum sabor de refri da marca”, menciona Pereira. Recordo bastante da Cyrillinha que era feita da casca da laranja e era o sabor que a gente mais tomava aqui em casa”.

Amancio D’Jalmo Aires Rodrigues, aposentado, 71 anos conta que quando bebe os refrigerantes da cyrilla relembra da sua infância e juventude, em especial um momento em que vivenciou quando tinha em torno de 10 ou 12 anos. “Nunca vou me esquecer daquela cena, estava assistindo uma corrida de cavalo (corrida de apostas) na minha cidade, Formigueiro e estava um calor insuportável e eu estava sem dinheiro para comprar o meu refrigerante favorito a gasosa limão da Cyrilla”. “Então um senhor que havia postado em um cavalo na carreira me viu e disse que daria uma gasosa limão para mim, caso o cavalo dele vencesse a carreira, e foi o que aconteceu. Após o final da corrida aconteceu uma tremenda briga, entre aqueles que perderam suas apostas, era gente correndo para todos os lados, queria sair dali, mas, não queria perder a chance de ganhar o meu refrigerante preferido. Peguei e me escondi em um cantinho e logo que acabou a briga, o senhor que me prometeu a gasosa cumpriu sua palavra e eu pulei de alegria”, declara Rodrigues.

A volta por cima

No momento, a Cyrilla pertence a três empresários, Lairton Pedro Padoin, dono dos postos Padoin, José Antônio Saccol, proprietário da Minami (Honda) e Luiz Antônio Marquezan Bagolin. “No início, só existia o sabor guaraná, mas com o passar do tempo foram produzidos novos gostos, como por exemplo: a gasosa limão e a cyrillinha. Uma bebida na cor alaranjada transparente, produzida a partir do óleo da casca de laranja, afirma Luiz Marquezan Bagolin, hoje sócio administrativo da fábrica.”

Com intuito de não deixar uma marca centenária morrer, Bagolin conta que ele e os demais sócios trabalharam duro ao longo dos últimos anos para reabrirem a empresa novamente no ano de 2020. Com o apoio da prefeitura, o prédio e a marca, que estava em leilão com a Justiça Federal, foram adquiridos. Todos os equipamentos foram adquiridos novos com a mais moderna tecnologia do mercado atual. Além disso, foi realizada uma reforma de obra civil na sede da empresa. Foi planejado aproveitar toda a estrutura imobiliária, porém o prédio era muito antigo, o que levou a ser reaproveitado apenas a fachada com o design clássico. Foram feitos dois andares e dois pavilhões novos. Para a parte elétrica teve que fazer subestações, todas em inox. Diferente de antes, os pisos foram feitos sem degraus, o que facilita o trabalho dos funcionários que utilizam empilhadeiras e paleteiras. 

A empresa possui duas fontes de água ainda originais da antiga fábrica. Águas com ph 7.1, mineral utilizada para o consumo industrial e uma fonte gaseificada é a água diamantina, vendida em vários supermercados da cidade e também utilizada na produção de todos os refrigerantes. A fábrica trabalha apenas com produtos que na época eram de maior demanda, mas o objetivo da companhia é logo apresentar novos sabores de refrigerantes.

 

O futuro da Cyrilla

 

O atual sócio proprietário da Cyrilla, Luiz Marquesan Bagolin relata que o sabor uva já está sendo desenvolvido na empresa e daqui uns dias já estará à venda e que refrigerantes para o público infantil também vêm sendo planejados para desenvolvimento, além da produção da opção zero açúcar. A ideia de fabricar águas saborizadas para o futuro, já que é considerado um produto que está em alta no mercado, bem como a produção de bebidas alcoólicas, como vodkas, gins e licores, estão sendo pensados, afirma o sócio administrativo.

 

Porque uma empresa centenária e uma marca tão querida pelos santa-marienses não consegue manter as portas abertas. Será que agora é a vez da empresa emplacar?

 

O que todos queremos saber é se a Cyrilla conseguirá daqui para frente seguir firme, fazer uma boa administração ao contrário das anteriores. A empresa terá dinheiro suficiente para aumentar sua gama de produtos e capital para alcançar várias cidades e regiões do Estado e quem sabe País?

 

São muitas incertezas que ainda perduram sobre a fábrica, a questão também do seu preço que é bem elevado, quase o valor de refrigerantes da Coca-cola e da Pepsi, que são produtos de alta qualidade. Será que a empresa não deve baixar um pouco o valor de seus produtos para assim ficar na concorrência com outras marcas menores, como Fruki e Sarandi? 

O que vai ser da empresa nos próximos anos ninguém sabe, mas espera-se que consiga manter-se e assim valorizar o nome da cidade de Santa Maria e o Estado do Rio Grande do Sul, além de que pode ser no futuro uma enorme fonte de novos empregos e de várias áreas de atuação dentro da empresa.

 

Um pouco da história da fábrica 

A Cyrilla foi inaugurada em 20 de setembro de 1910 em Santa Maria, Rio Grande do Sul e é uma das indústrias de refrigerantes mais antigas do País. Foi fundada pelo alemão Frederico Adolfo Diefenthaler em sociedade com o químico Ernest Geys, e teve a finalidade de produzir águas minerais, refrigerantes, licores e outras bebidas alcóolicas.

A marca foi uma das pioneiras no envase do guaraná, sendo um dos primeiros refrigerantes desse sabor no Brasil. Sua fórmula foi produzida no ano de 1905 pelo médico Luiz Pereira Barreto, na cidade de Resende, no Rio de Janeiro. Porém, ela  só passou a ser utilizada em 1910 em Santa Maria, após ser adquirida e registrada por Diefenthaler e Geys.

A indústria foi instalada no bairro Itararé, próximo ao centro da cidade, ficando também a poucos quilômetros dos trilhos da Viação Férrea, onde passavam muitos viajantes e turistas de vários lugares do País. Fator que foi importante para o destaque da empresa, que pode divulgar e vender o guaraná. Com popularidade elevada, Cyrilla foi a pioneira na cidade se tratando da industrialização de bebidas, e uma das mais importantes e representatividade na região central do Rio Grande do Sul.

O Livro de Cirilo Costa Beber, “Santa Maria 200 anos: história da economia do município”, fala que o desenvolvimento do bairro Itararé se deu em virtude da ferrovia instalada na cidade e também da Fábrica da Cyrilla. A empresa apresentou muita influência ferroviária já que, na época era muito utilizada por viajantes, turistas, militares e imigrantes alemães e italianos, além de meio de transporte de produtos plantados aqui que eram comercializados para várias cidades do País. 

Santa Maria tinha a maior parte de seu capital econômico vindo da agropecuária e do setor de serviços, com destaque para o comércio, o que ajudava muito aos habitantes a consumirem os produtos locais. A cidade foi um dos principais centros da Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS). Possuía na época e, ainda possui um grande contingente militar, segunda cidade com maior contingente de militares do Brasil, além de estar posicionada geograficamente no centro do estado do extremo sul do Brasil e, assim, próximo da Argentina e do Uruguai.

Comentários fechados.