Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Blog: muitas vozes agregadas

11 de setembro revelou um novo mundo para a comunicação. Trouxe para o real a esfera blogueira. Deu forma e conteúdo para os diários virtuais e fez deles verdadeiras fontes. Edson Dalmonte não tem um blog, é jornalista, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, mestre, doutorando pela Universidade Federal da Bahia e professor na Faculdade Social da Bahia, FSBA. Ele falou de internet, blogs e tecnologia em workshop ministrado no último dia do 4º Fórum de Comunicação da Unifra.

Discussões abordando internet, a função e as novas possibilidades do jornalismo e blogs envolveram os alunos participantes que trabalharam com dados históricos, estatísticas, além de reflexões sobre o meio que emerge original e se defasa todos os dias.

“A internet veio recriar a sociedade”, afirma Dalmonte. A velha dúvida sobre a vida dos jornais impressos foi pauta do workshop. “Acredito que haverá uma reconfiguração dos jornais impressos”, diz o professor, “mas acho que não se manterão diários, como hoje”.

Os blogs podem se tornar microempresas,  à medida que anunciantes vêem o potencial do blogueiro, como é o caso do conhecido Blog do NOBLAT. Número de visitas e ligação com grandes empresas de mídia são critérios de credibilidade.  As agências de notícias também aparecem em destaque por conseguirem atrelar produto e valor de custo.   

Derrubando paradigmas

O professor ressalta que um dos mitos da internet é o do "tempo real". Segundo ele, a instantaneidade só é possível a partir de uma câmera ligada transmitindo  o fato enquanto ele acontece. " Mas e isso é jornalismo? Onde fica a interpretação, a análise?", pergunta ele.

Outra teoria que o jornalista questiona  é a questão da intertextualidade. “Os sites são sistemas fechados, não há links com outras fontes se estas são de outra empresa. Nunca A Folha vai linkar O Estadão”. O que existe, segundo Dalmonte é a intratextualidade, o leitor navega por dentro de um mesmo sites, sem sair do sistema de cobertura da empresa. Ele circula apenas pelo banco de dados.

Confira o resultado do workshop no site:http://blogferramentajornalistica.wordpress.com/

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

11 de setembro revelou um novo mundo para a comunicação. Trouxe para o real a esfera blogueira. Deu forma e conteúdo para os diários virtuais e fez deles verdadeiras fontes. Edson Dalmonte não tem um blog, é jornalista, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, mestre, doutorando pela Universidade Federal da Bahia e professor na Faculdade Social da Bahia, FSBA. Ele falou de internet, blogs e tecnologia em workshop ministrado no último dia do 4º Fórum de Comunicação da Unifra.

Discussões abordando internet, a função e as novas possibilidades do jornalismo e blogs envolveram os alunos participantes que trabalharam com dados históricos, estatísticas, além de reflexões sobre o meio que emerge original e se defasa todos os dias.

“A internet veio recriar a sociedade”, afirma Dalmonte. A velha dúvida sobre a vida dos jornais impressos foi pauta do workshop. “Acredito que haverá uma reconfiguração dos jornais impressos”, diz o professor, “mas acho que não se manterão diários, como hoje”.

Os blogs podem se tornar microempresas,  à medida que anunciantes vêem o potencial do blogueiro, como é o caso do conhecido Blog do NOBLAT. Número de visitas e ligação com grandes empresas de mídia são critérios de credibilidade.  As agências de notícias também aparecem em destaque por conseguirem atrelar produto e valor de custo.   

Derrubando paradigmas

O professor ressalta que um dos mitos da internet é o do "tempo real". Segundo ele, a instantaneidade só é possível a partir de uma câmera ligada transmitindo  o fato enquanto ele acontece. " Mas e isso é jornalismo? Onde fica a interpretação, a análise?", pergunta ele.

Outra teoria que o jornalista questiona  é a questão da intertextualidade. “Os sites são sistemas fechados, não há links com outras fontes se estas são de outra empresa. Nunca A Folha vai linkar O Estadão”. O que existe, segundo Dalmonte é a intratextualidade, o leitor navega por dentro de um mesmo sites, sem sair do sistema de cobertura da empresa. Ele circula apenas pelo banco de dados.

Confira o resultado do workshop no site:http://blogferramentajornalistica.wordpress.com/