Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Cai custo de vida em Santa Maria

 De acordo com o levantamento de dados realizado pelo NEPE –  Núcleo Econômico de Pesquisa e Extensão –  de janeiro a maio de 2006, os preços subiram, em média, apenas 0,29% na cidade universitária. Tal resultado é explicável pela desvalorização do dólar, desde o início do ano, e por menores reajustes nas tarifas públicas, causados pela queda de indexadores dos contratos (índices gerais de preços nacionais) mais baixos que no ano passado.

O NEPE do curso de economia da Unifra divulgou na tarde de hoje, 06,  o ICVSM – Índice do Custo de Vida em Santa Maria. "Nos próximos meses, será sempre divulgado um novo boletim", afirma o professor de economia, José Maria Dias Pereira.

 No período de janeiro a abril de 2006, o índice registra uma alta acumulada de 0,74% nos preços médios. Os grupos correspondentes à alimentação, vestuário e comunicação apresentam no ano queda nos preços médios. Os demais grupos – habitação, artigos de residência, transporte, saúde e cuidados pessoais, despesas pessoais e educação-, apresentam uma trajetória de alta. A mais significativa é no grupo educação em decorrência do impacto do reajuste de mensalidades no ensino privado ocorrido no mês de janeiro. Após esse aumento, não houve variações nesse grupo nos meses subseqüentes.

A maior deflação registrada até abril foi no grupo comunicação, em que as maiores variações são relativas  à aquisição de telefones celulares, que baratearam por causa da valorização cambial no período e das constantes inovações tecnológicas, que forçam os preços de celulares “antigos” para baixo.

Já a alimentação, um dos grupos de maior peso no custo de vida dos santa-marienses, vem desde fevereiro demonstrando tendência de queda, o que ajuda a manter o índice geral num patamar baixo. Nos primeiros quatro meses de 2006, a inflação acumulada foi de 0,74%.

Tabela 1. Peso dos diversos grupos de produtos para o Índice do Custo de Vida de Santa Maria.

Grupo    Peso
1) Alimentação 25,12
2) Habitação  26,07
3) Artigos residência 
3,03
4) Vestuário
5,26
5) Transporte 
16,21
6) Saúde e Cuidados pessoais 7,32
7) Despesas pessoais
5,75
8) Educação 2,90
9) Comunicação 8,34



A coleta de preços do ICVSM para o mês de maio de 2006, na cidade de Santa Maria, apontou queda nos preços médios de – 0,45% (deflação). Como já vem acontecendo desde fevereiro, o custo de vida manteve-se estável, com variações percentuais, para cima ou para baixo, inferiores a 0,5%. Este é o segundo mês do ano em que se verifica queda nos preços na cidade. No mês de abril, o custo de vida registrou elevação de 0,32%.  

O grupo alimentação é o que mais contribuiu para a queda dos preços em maio. Os derivados do frango (coração, coxas, moela, etc.), leite em pó e laranja foram os produtos que mais diminuíram de preço. O preço do quilo de galinha inteira caiu 8%. No caso do frango, a queda nos preços ainda é resultado da gripe aviária que provocou excedente da oferta interna do produto devido à redução da demanda mundial. Outros alimentos, influenciados pelo câmbio mais baixo, como açúcar (-7,3%), café solúvel (-6,1%), farinha de trigo (-4,9%), pão francês (-11,1%) e biscoitos (-4,3%) também tiveram diminuição de preços.  No caso dos derivados do trigo, produto importado, é provável que essa queda de preços seja revertida no próximo mês, se for mantida a valorização do dólar ocorrida na última semana de maio.

O arroz comum, outro produto de grande peso na mesa do brasileiro, teve queda 10,3%. A causa  também é o excedente de oferta do produto no mercado interno, que força os preços para baixo.
As frutas – como melão, caqui e uva – fora de estação tiveram as maiores oscilações positivas de preços.
A habitação, também de grande peso na composição do ICVSM, teve alta de 0,69%, no mês de maio. Nesse grupo, as lâmpadas tiveram a maior queda nos preços e os campeões na alta de preços foram areia e tinta.

O vestuário, com a chegada antecipada do inverno, teve alta de 3,92%. As liquidações promovidas pelas lojas para se desfazer dos estoques de verão derrubaram o preço das blusas femininas em 20%. Já os itens de inverno como camisola e pijamas, meias femininas, calça comprida para homens e chinelos, sofreram acréscimo.

O grupo que teve menor aumento nos preços foi o de artigos de residência (-3,46%). As maiores quedas nos preços foram verificadas em ventiladores e TV a cores, ao redor de 18%.  Aparelhos de DVD, som e de informática (microcomputador) também tiveram diminuição de preços por conta da redução do custo dos componentes importados provocada pela desvalorização do dólar até a terceira semana do mês de maio. As maiores altas de preços ficaram por conta dos conjuntos estofados para sala e chuveiros ou duchas elétricos.

O grupo transportes, o terceiro que mais pesa na estrutura do ICVSM, teve uma retração de 1,96%, em decorrência da redução de 3,2%, em média, no preço da gasolina comum. Isoladamente, a gasolina  tem um peso de 6% na composição do índice do custo de vida na cidade. Iniciada a safra da cana-de-açúcar, o álcool, cujo preço quase se equiparava ao da gasolina no mês de abril e provocou inclusive alteração na proporção misturada à gasolina (de 25% para 20%), teve uma queda de 14% no seu preço. Indiretamente, a redução do preço do álcool contribuiu para a diminuição do preço da gasolina.

 

Comparações entre variações de Índices de Preços utilizados no Brasil, nos primeiros meses de 2006.

Índice  Jan  Fev
 Mar Abr 2006
 ICVSM
0,86 -0,54 0,15 0,27 0,86
 INPC/IBGE 0,38 0,23 0,27  0,12  1,00
 IPCA/IBGE
0,59 0,41 0,43 0,21  1,65
 IPC/FIPE  0,5  -0,03 0,14 0,01 0,62
 IGP-M/FGV
 0,92  0,01 -0,23 -0,42 0,27
 ICV/Dieese
 0,72 0,12 0,52 -0,06 1,31

Índice do Custo de Vida de Santa Maria (ICVSM), variação e contribuição relativa, por grupos
de produtos, para o mês de maio de 2006

  

Grupo
Índice Maio Variação
Contribuição
Acumulado 2006
1) Alimentação 96,98 -1,95 -0,48 -3,02
2) Habitação 103,55 0,69 0,18 3,55
3) Artigos residência 100,03 -3,46 -0,11 0,03
4) Vestuário 103,77 3,92 0,20 3,77
5) Transporte 98,59 -1,96 -0,32 -1,41
6) Saúde e Cuidados pessoais 103,63 0,98 0,07 3,63
7) Despesas pessoais 101,62 -0,12 -0,01 1,62
8) Educação 104,93 -0,15 0,00 4,93
9) Comunicação 95,75 0,00 0,00 -4,25
Geral 100,29
-0,45 -0,45 0,29

 

ICVSM Junho/2006 – Documento completo em PDF

 Foto: Núcleo de Fotografia e Memória da Unifra (Gustavo Fernandes)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

 De acordo com o levantamento de dados realizado pelo NEPE –  Núcleo Econômico de Pesquisa e Extensão –  de janeiro a maio de 2006, os preços subiram, em média, apenas 0,29% na cidade universitária. Tal resultado é explicável pela desvalorização do dólar, desde o início do ano, e por menores reajustes nas tarifas públicas, causados pela queda de indexadores dos contratos (índices gerais de preços nacionais) mais baixos que no ano passado.

O NEPE do curso de economia da Unifra divulgou na tarde de hoje, 06,  o ICVSM – Índice do Custo de Vida em Santa Maria. "Nos próximos meses, será sempre divulgado um novo boletim", afirma o professor de economia, José Maria Dias Pereira.

 No período de janeiro a abril de 2006, o índice registra uma alta acumulada de 0,74% nos preços médios. Os grupos correspondentes à alimentação, vestuário e comunicação apresentam no ano queda nos preços médios. Os demais grupos – habitação, artigos de residência, transporte, saúde e cuidados pessoais, despesas pessoais e educação-, apresentam uma trajetória de alta. A mais significativa é no grupo educação em decorrência do impacto do reajuste de mensalidades no ensino privado ocorrido no mês de janeiro. Após esse aumento, não houve variações nesse grupo nos meses subseqüentes.

A maior deflação registrada até abril foi no grupo comunicação, em que as maiores variações são relativas  à aquisição de telefones celulares, que baratearam por causa da valorização cambial no período e das constantes inovações tecnológicas, que forçam os preços de celulares “antigos” para baixo.

Já a alimentação, um dos grupos de maior peso no custo de vida dos santa-marienses, vem desde fevereiro demonstrando tendência de queda, o que ajuda a manter o índice geral num patamar baixo. Nos primeiros quatro meses de 2006, a inflação acumulada foi de 0,74%.

Tabela 1. Peso dos diversos grupos de produtos para o Índice do Custo de Vida de Santa Maria.

Grupo    Peso
1) Alimentação 25,12
2) Habitação  26,07
3) Artigos residência 
3,03
4) Vestuário
5,26
5) Transporte 
16,21
6) Saúde e Cuidados pessoais 7,32
7) Despesas pessoais
5,75
8) Educação 2,90
9) Comunicação 8,34



A coleta de preços do ICVSM para o mês de maio de 2006, na cidade de Santa Maria, apontou queda nos preços médios de – 0,45% (deflação). Como já vem acontecendo desde fevereiro, o custo de vida manteve-se estável, com variações percentuais, para cima ou para baixo, inferiores a 0,5%. Este é o segundo mês do ano em que se verifica queda nos preços na cidade. No mês de abril, o custo de vida registrou elevação de 0,32%.  

O grupo alimentação é o que mais contribuiu para a queda dos preços em maio. Os derivados do frango (coração, coxas, moela, etc.), leite em pó e laranja foram os produtos que mais diminuíram de preço. O preço do quilo de galinha inteira caiu 8%. No caso do frango, a queda nos preços ainda é resultado da gripe aviária que provocou excedente da oferta interna do produto devido à redução da demanda mundial. Outros alimentos, influenciados pelo câmbio mais baixo, como açúcar (-7,3%), café solúvel (-6,1%), farinha de trigo (-4,9%), pão francês (-11,1%) e biscoitos (-4,3%) também tiveram diminuição de preços.  No caso dos derivados do trigo, produto importado, é provável que essa queda de preços seja revertida no próximo mês, se for mantida a valorização do dólar ocorrida na última semana de maio.

O arroz comum, outro produto de grande peso na mesa do brasileiro, teve queda 10,3%. A causa  também é o excedente de oferta do produto no mercado interno, que força os preços para baixo.
As frutas – como melão, caqui e uva – fora de estação tiveram as maiores oscilações positivas de preços.
A habitação, também de grande peso na composição do ICVSM, teve alta de 0,69%, no mês de maio. Nesse grupo, as lâmpadas tiveram a maior queda nos preços e os campeões na alta de preços foram areia e tinta.

O vestuário, com a chegada antecipada do inverno, teve alta de 3,92%. As liquidações promovidas pelas lojas para se desfazer dos estoques de verão derrubaram o preço das blusas femininas em 20%. Já os itens de inverno como camisola e pijamas, meias femininas, calça comprida para homens e chinelos, sofreram acréscimo.

O grupo que teve menor aumento nos preços foi o de artigos de residência (-3,46%). As maiores quedas nos preços foram verificadas em ventiladores e TV a cores, ao redor de 18%.  Aparelhos de DVD, som e de informática (microcomputador) também tiveram diminuição de preços por conta da redução do custo dos componentes importados provocada pela desvalorização do dólar até a terceira semana do mês de maio. As maiores altas de preços ficaram por conta dos conjuntos estofados para sala e chuveiros ou duchas elétricos.

O grupo transportes, o terceiro que mais pesa na estrutura do ICVSM, teve uma retração de 1,96%, em decorrência da redução de 3,2%, em média, no preço da gasolina comum. Isoladamente, a gasolina  tem um peso de 6% na composição do índice do custo de vida na cidade. Iniciada a safra da cana-de-açúcar, o álcool, cujo preço quase se equiparava ao da gasolina no mês de abril e provocou inclusive alteração na proporção misturada à gasolina (de 25% para 20%), teve uma queda de 14% no seu preço. Indiretamente, a redução do preço do álcool contribuiu para a diminuição do preço da gasolina.

 

Comparações entre variações de Índices de Preços utilizados no Brasil, nos primeiros meses de 2006.

Índice  Jan  Fev
 Mar Abr 2006
 ICVSM
0,86 -0,54 0,15 0,27 0,86
 INPC/IBGE 0,38 0,23 0,27  0,12  1,00
 IPCA/IBGE
0,59 0,41 0,43 0,21  1,65
 IPC/FIPE  0,5  -0,03 0,14 0,01 0,62
 IGP-M/FGV
 0,92  0,01 -0,23 -0,42 0,27
 ICV/Dieese
 0,72 0,12 0,52 -0,06 1,31

Índice do Custo de Vida de Santa Maria (ICVSM), variação e contribuição relativa, por grupos
de produtos, para o mês de maio de 2006

  

Grupo
Índice Maio Variação
Contribuição
Acumulado 2006
1) Alimentação 96,98 -1,95 -0,48 -3,02
2) Habitação 103,55 0,69 0,18 3,55
3) Artigos residência 100,03 -3,46 -0,11 0,03
4) Vestuário 103,77 3,92 0,20 3,77
5) Transporte 98,59 -1,96 -0,32 -1,41
6) Saúde e Cuidados pessoais 103,63 0,98 0,07 3,63
7) Despesas pessoais 101,62 -0,12 -0,01 1,62
8) Educação 104,93 -0,15 0,00 4,93
9) Comunicação 95,75 0,00 0,00 -4,25
Geral 100,29
-0,45 -0,45 0,29

 

ICVSM Junho/2006 – Documento completo em PDF

 Foto: Núcleo de Fotografia e Memória da Unifra (Gustavo Fernandes)