Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Primeiros Socorros: pela manutenção da vida

Acidentes, sejam eles comuns ou graves, sempre acontecem. Sabemos que grande parte deles poderia ser evitada, mas quando ocorrem, alguns conhecimentos simples podem reduzir o sofrimento do acidentado, evitar o agravamento de uma lesão e até mesmo salvar uma vida.

Acidentes, sejam eles comuns ou graves, sempre acontecem. Sabemos que grande parte deles poderia ser evitada, mas quando ocorrem, alguns conhecimentos simples podem reduzir o sofrimento do acidentado, evitar o agravamento de uma lesão e até mesmo salvar uma vida.

Os primeiros socorros são essenciais por serem as medidas iniciais e imediatas aplicadas à vítima de um acidente fora do ambiente hospitalar e podem ser executadas por qualquer pessoa, desde que esteja capacitada. Têm a finalidade de manter as funções vitais da vítima e evitar o agravamento de suas condições, até que receba atenção qualificada. Devem ser aplicados sempre que a pessoa não esteja em condições de cuidar de si própria.

Para a enfermeira Graciela Dutra, “de certa forma, existe uma avaliação do paciente e uma estabilização, na medida do possível, para evitar maiores danos até que se tenha um atendimento de uma equipe de saúde, que dará uma atenção secundária na rede hospitalar”. Esse procedimento é indispensável para tornar estável o quadro do paciente e fazer a manutenção da vida em um período crítico.

Na assistência de acidentados, consta o processo ABCDE, que se refere aos primeiros cuidados a serem tomados:

A-    ver, ouvir e sentir

B-    respiração e ventilação, que possibilitam o funcionamento adequado dos pulmões, da parede torácica e do diafragma.

C-    verificar o nível de consciência, a cor da pele e o pulso, pois eles são elementos clínicos que oferecem informações vitais dentro de poucos segundos

D-    checar o estado neurológico; o rebaixamento do nível de consciência pode representar a diminuição na oxigenação ou resultar num trauma no cérebro

E-     a vítima deve ser despida para facilitar o acesso e o exame completo, não esquecendo de manter a temperatura corpórea estabilizada.

O pronto atendimento é de extrema utilidade, mas recomenda-se a procura de assistência médica em casos que fogem ao conhecimento do leigo, não deixando de informar sempre à equipe responsável que se trata de uma emergência e relatando a natureza do problema para que seja observado por especialistas. O diagnóstico prévio, feito no momento do pronto socorro, auxiliará enfermeiros e médicos a trataram de possíveis danos no paciente.

Socorrista é o profissional em atendimento de emergência, que, para realizar uma operação de salvamento, deve possuir conhecimentos básicos do procedimento emergencial, autocontrole e confiança em si mesmo, calma, rapidez, segurança, grande capacidade de improvisação e ter noção de suas próprias limitações. A preparação destas pessoas que prestam auxílio à comunidade em casos de calamidades e catástrofes, segundo o enfermeiro Émerson Gut, “é importante para termos pessoas capacitadas para auxiliar em situações extremas”.

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidentes, sejam eles comuns ou graves, sempre acontecem. Sabemos que grande parte deles poderia ser evitada, mas quando ocorrem, alguns conhecimentos simples podem reduzir o sofrimento do acidentado, evitar o agravamento de uma lesão e até mesmo salvar uma vida.

Acidentes, sejam eles comuns ou graves, sempre acontecem. Sabemos que grande parte deles poderia ser evitada, mas quando ocorrem, alguns conhecimentos simples podem reduzir o sofrimento do acidentado, evitar o agravamento de uma lesão e até mesmo salvar uma vida.

Os primeiros socorros são essenciais por serem as medidas iniciais e imediatas aplicadas à vítima de um acidente fora do ambiente hospitalar e podem ser executadas por qualquer pessoa, desde que esteja capacitada. Têm a finalidade de manter as funções vitais da vítima e evitar o agravamento de suas condições, até que receba atenção qualificada. Devem ser aplicados sempre que a pessoa não esteja em condições de cuidar de si própria.

Para a enfermeira Graciela Dutra, “de certa forma, existe uma avaliação do paciente e uma estabilização, na medida do possível, para evitar maiores danos até que se tenha um atendimento de uma equipe de saúde, que dará uma atenção secundária na rede hospitalar”. Esse procedimento é indispensável para tornar estável o quadro do paciente e fazer a manutenção da vida em um período crítico.

Na assistência de acidentados, consta o processo ABCDE, que se refere aos primeiros cuidados a serem tomados:

A-    ver, ouvir e sentir

B-    respiração e ventilação, que possibilitam o funcionamento adequado dos pulmões, da parede torácica e do diafragma.

C-    verificar o nível de consciência, a cor da pele e o pulso, pois eles são elementos clínicos que oferecem informações vitais dentro de poucos segundos

D-    checar o estado neurológico; o rebaixamento do nível de consciência pode representar a diminuição na oxigenação ou resultar num trauma no cérebro

E-     a vítima deve ser despida para facilitar o acesso e o exame completo, não esquecendo de manter a temperatura corpórea estabilizada.

O pronto atendimento é de extrema utilidade, mas recomenda-se a procura de assistência médica em casos que fogem ao conhecimento do leigo, não deixando de informar sempre à equipe responsável que se trata de uma emergência e relatando a natureza do problema para que seja observado por especialistas. O diagnóstico prévio, feito no momento do pronto socorro, auxiliará enfermeiros e médicos a trataram de possíveis danos no paciente.

Socorrista é o profissional em atendimento de emergência, que, para realizar uma operação de salvamento, deve possuir conhecimentos básicos do procedimento emergencial, autocontrole e confiança em si mesmo, calma, rapidez, segurança, grande capacidade de improvisação e ter noção de suas próprias limitações. A preparação destas pessoas que prestam auxílio à comunidade em casos de calamidades e catástrofes, segundo o enfermeiro Émerson Gut, “é importante para termos pessoas capacitadas para auxiliar em situações extremas”.