Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

”A feira é a oportunidade do contato com o conhecimento”

     A Feira do Livro de Santa Maria encerrou ontem, 17 de maio, suas atividades deste ano. A Agência Central Sul (ACS) conversou com o Presidente da Câmera do Livro de Santa Maria, Télcio Brezolim, que discorreu sobre o desenvolvimento do evento e as perspectivas para o próximo ano. Confira a entrevista a seguir.

     ACS – A Feira desse ano cumpriu as expectativas?

      TB – A Feira vem se consolidando. As pessoas sabem esse ano, por exemplo, que o ano que vem em maio a feira ocorrerá novamente, isto a consolida. A cada ano mais escritores participam, há a relização de mais shows e a feira se torna mais organizada.

     ACS – Qual o diferencial da Feira?

      TB – A Feira é hoje um agradável ponto de encontro. Além de ser importante para a produção literária local, na programação desse ano mais de cinqüenta livros foram lançados. São quinze dias em que só se fala em literatura, o que no resto do ano não acontece. Outro ponto é que a Feira não descrimina ninguém, é um lugar acessível , todas as pessoas freqüentam, ao contrário de locais como livrarias. Na Feira também há uma diversidade muito maior, pode-se encontrar 30 mil diferentes títulos, sendo que numa livraria não há mais que 15 mil.

      ACS – E as vendas aumentaram? 

      TB-Pelo que conferimos até agora, parece que as vendas desse ano vão superar as do ano passado. O público foi maior esse ano, mesmo com a chuva. Na Feira passada, não houve nem um dia em que a chuva atrapalhasse a feira, esse ano choveram dois dias, um deles um domingo, que é um dos dias de maior venda.

     ACS – Pode-se observar que na Feira desse ano, tinha bancas com áreas especificas. Isso sempre ocorreu?

     TB- É a primeira vez que acontece. Esse ano houve bancas especificas como, por exemplo, de educação e psicologia. Isso, facilita para o profissional que busca algo em especifico.

     ACS – E com relação à Feira do Livro Infantil quais foram as mudanças ?

     TB – A Feira do Livro infantil já existia, mas algumas coisas foram melhoradas. As bancas são diferenciadas e possibilitam o acesso da criança ao livro. As iniciativas como o transporte para que os colégio levassem seus alunos à Feira continuou, e esse ano, foram distribuídos "Bônus Livro" para mil crianças de colégios carentes, que puderam ir à banca e escolher seu livro.

     ACS – E qual a importância da leitura para a formação da criança, bem como a importância do contato com os livros?

     TB – A leitura é fundamental, é tudo. Quando a criança pega o livro e o folheia, é uma cena que nunca mais sai do seu imaginário.

     ACS – E vocês já avaliaram a Feira e já tem conhecimento de quais serão as melhorias para o ano que vem?

     TB – Estamos fazendo uma avaliação imediata. Para o ano que vem pretendemos melhorar a sinalização aqui dentro da praça. Esse ano, pela primeira vez, tinhamos um setor de informações na Praça, mas ele tem que ficar em um local mais estratégico.

     ACS – A vinda de grandes personalidades como Márcia Tiburi e Assis Brasil entre outros, aumenta o público ? E qual a importância desse contato entre o público e eles ?

     TB – A palestra como a da Márcia Tiburi abriu a cabeça de muita gente. É fantástico. Um grande público compareceu para conferir, assim como para ver o David Coimbra, os quais o público conhece mais que os outros autores, por estarem na mídia.

     ACS – Em uma cidade como Santa Maria, com tantos estudantes, o público poderia ser ainda maior. O que tu achas que ainda falta para que mais pessoas venham prestigiar esse evento e participar mais das programações do mesmo?

     TB – As pessoas tem que entender que elas precisam de conhecimento, quando há conhecimento não há mais o medo de enfrentar o mundo. Sem conhecimento se sai do nada para chegar a lugar nenhum. A Feira dá essa oportunidade do contato com o conhecimento, mesmo que através de somente uma frase que a pessoa veja passando por aqui.

     ACS – Esse ano o fim da Feira coincidiu com o aniversário de Santa Maria. É a primeira vez que isso acontece ?

     TB – O ano passado a Feira já fechou junto com o aniversário de Santa Maria. Isso aumenta o público.

     ACS – No ano que vem se comemoram os 150 anos de Santa Maria. A Feira acabará novamente junto com o aniversário?

     TB – Depende do dia que cair, por exemplo, se o aniversário cair em um sábado, a Feira provavelmente não acabará no sábado e sim no domingo.

     ACS – E vocês já tem alguma idéia do que vão fazer o ano que vem para homenagear a cidade ?

     TB – A gente já tem algumas idéias, mas são surpresas. Então, por enquanto, fica tudo em "off".

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

     A Feira do Livro de Santa Maria encerrou ontem, 17 de maio, suas atividades deste ano. A Agência Central Sul (ACS) conversou com o Presidente da Câmera do Livro de Santa Maria, Télcio Brezolim, que discorreu sobre o desenvolvimento do evento e as perspectivas para o próximo ano. Confira a entrevista a seguir.

     ACS – A Feira desse ano cumpriu as expectativas?

      TB – A Feira vem se consolidando. As pessoas sabem esse ano, por exemplo, que o ano que vem em maio a feira ocorrerá novamente, isto a consolida. A cada ano mais escritores participam, há a relização de mais shows e a feira se torna mais organizada.

     ACS – Qual o diferencial da Feira?

      TB – A Feira é hoje um agradável ponto de encontro. Além de ser importante para a produção literária local, na programação desse ano mais de cinqüenta livros foram lançados. São quinze dias em que só se fala em literatura, o que no resto do ano não acontece. Outro ponto é que a Feira não descrimina ninguém, é um lugar acessível , todas as pessoas freqüentam, ao contrário de locais como livrarias. Na Feira também há uma diversidade muito maior, pode-se encontrar 30 mil diferentes títulos, sendo que numa livraria não há mais que 15 mil.

      ACS – E as vendas aumentaram? 

      TB-Pelo que conferimos até agora, parece que as vendas desse ano vão superar as do ano passado. O público foi maior esse ano, mesmo com a chuva. Na Feira passada, não houve nem um dia em que a chuva atrapalhasse a feira, esse ano choveram dois dias, um deles um domingo, que é um dos dias de maior venda.

     ACS – Pode-se observar que na Feira desse ano, tinha bancas com áreas especificas. Isso sempre ocorreu?

     TB- É a primeira vez que acontece. Esse ano houve bancas especificas como, por exemplo, de educação e psicologia. Isso, facilita para o profissional que busca algo em especifico.

     ACS – E com relação à Feira do Livro Infantil quais foram as mudanças ?

     TB – A Feira do Livro infantil já existia, mas algumas coisas foram melhoradas. As bancas são diferenciadas e possibilitam o acesso da criança ao livro. As iniciativas como o transporte para que os colégio levassem seus alunos à Feira continuou, e esse ano, foram distribuídos "Bônus Livro" para mil crianças de colégios carentes, que puderam ir à banca e escolher seu livro.

     ACS – E qual a importância da leitura para a formação da criança, bem como a importância do contato com os livros?

     TB – A leitura é fundamental, é tudo. Quando a criança pega o livro e o folheia, é uma cena que nunca mais sai do seu imaginário.

     ACS – E vocês já avaliaram a Feira e já tem conhecimento de quais serão as melhorias para o ano que vem?

     TB – Estamos fazendo uma avaliação imediata. Para o ano que vem pretendemos melhorar a sinalização aqui dentro da praça. Esse ano, pela primeira vez, tinhamos um setor de informações na Praça, mas ele tem que ficar em um local mais estratégico.

     ACS – A vinda de grandes personalidades como Márcia Tiburi e Assis Brasil entre outros, aumenta o público ? E qual a importância desse contato entre o público e eles ?

     TB – A palestra como a da Márcia Tiburi abriu a cabeça de muita gente. É fantástico. Um grande público compareceu para conferir, assim como para ver o David Coimbra, os quais o público conhece mais que os outros autores, por estarem na mídia.

     ACS – Em uma cidade como Santa Maria, com tantos estudantes, o público poderia ser ainda maior. O que tu achas que ainda falta para que mais pessoas venham prestigiar esse evento e participar mais das programações do mesmo?

     TB – As pessoas tem que entender que elas precisam de conhecimento, quando há conhecimento não há mais o medo de enfrentar o mundo. Sem conhecimento se sai do nada para chegar a lugar nenhum. A Feira dá essa oportunidade do contato com o conhecimento, mesmo que através de somente uma frase que a pessoa veja passando por aqui.

     ACS – Esse ano o fim da Feira coincidiu com o aniversário de Santa Maria. É a primeira vez que isso acontece ?

     TB – O ano passado a Feira já fechou junto com o aniversário de Santa Maria. Isso aumenta o público.

     ACS – No ano que vem se comemoram os 150 anos de Santa Maria. A Feira acabará novamente junto com o aniversário?

     TB – Depende do dia que cair, por exemplo, se o aniversário cair em um sábado, a Feira provavelmente não acabará no sábado e sim no domingo.

     ACS – E vocês já tem alguma idéia do que vão fazer o ano que vem para homenagear a cidade ?

     TB – A gente já tem algumas idéias, mas são surpresas. Então, por enquanto, fica tudo em "off".