Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Começa o 5º Fórum de Arquitetura e Urbanismo

 Natureza e Tecnologia é o tema do 5º Fórum de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Franciscano (Unifra). A abertura oficial aconteceu na manhã de hoje, no Salão de Atos do conjunto III. Estiveram presentes a coordenadora do evento Taís Alvez Kufner, o coordenador do curso Nabor Silva Ribeiro, a Diretora da Área de Artes, Letras e Comunicação Célia Helena de Pelegrini Della Méa e o presidente do diretório acadêmico do curso Rafael Vinande.

 Dando inicio às conferências do Fórum, o arquiteto e urbanista e professor da Universidade de Passo Fundo (UPF), Eduardo Grala Cunha, falou sobre O papel estético da tecnologia na Arquitetura. Cunha procurou mostrar que o papel da técnica transcende o funcionamento do edifício: "a técnica não é somente para manter o edifício em pé, ela é muito mais que isso", ressalta. Quando se constrói é preciso buscar edificação  e identidade formal, com sentido e consistência. Sentido é a inserção no espaço e no tempo e a consistência é a relação que deve existir entre as partes.
 
O professor argumentou que é preciso cobrar de quem está projetando uma atitude madura. É importante que se entenda o papel da técnica, que está materializada pela escolha e definição dos elementos da arquitetura. Deve-se trabalhar os aspectos subjetivos dentro da contrução. "Quando a técnica tem mais ênfase, essa ênfase se da através da presença de elementos chaves, como protetores solares, estruturas com papel escultural e outros", exemplificou cunha.

Existem duas dimensões da tecnologia na arquitetura: a representativa, onde a tecnologia é vista como ícone, cenário em seu  aspecto simbólico e a funcional, que está vinculada à viabilidade do funcionamento. Se a proposta é valorizar a técnica, deve-se explorar a estrutura e a imagem corporativa como algo presente na construção. "A valorização da técnica depende do meu cuidado com o detalhe", finaliza Cunha. 

Até a próxima sexta-feira, 5 de outubro, os participantes do Fórum poderão participar de palestras, exposições, ateliês, maquetaria, salas de desenho, sala de computação gráfica e laboratório de conforto ambiental.

Fotos: Rodrigo Simões (Núcleo de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 Natureza e Tecnologia é o tema do 5º Fórum de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Franciscano (Unifra). A abertura oficial aconteceu na manhã de hoje, no Salão de Atos do conjunto III. Estiveram presentes a coordenadora do evento Taís Alvez Kufner, o coordenador do curso Nabor Silva Ribeiro, a Diretora da Área de Artes, Letras e Comunicação Célia Helena de Pelegrini Della Méa e o presidente do diretório acadêmico do curso Rafael Vinande.

 Dando inicio às conferências do Fórum, o arquiteto e urbanista e professor da Universidade de Passo Fundo (UPF), Eduardo Grala Cunha, falou sobre O papel estético da tecnologia na Arquitetura. Cunha procurou mostrar que o papel da técnica transcende o funcionamento do edifício: "a técnica não é somente para manter o edifício em pé, ela é muito mais que isso", ressalta. Quando se constrói é preciso buscar edificação  e identidade formal, com sentido e consistência. Sentido é a inserção no espaço e no tempo e a consistência é a relação que deve existir entre as partes.
 
O professor argumentou que é preciso cobrar de quem está projetando uma atitude madura. É importante que se entenda o papel da técnica, que está materializada pela escolha e definição dos elementos da arquitetura. Deve-se trabalhar os aspectos subjetivos dentro da contrução. "Quando a técnica tem mais ênfase, essa ênfase se da através da presença de elementos chaves, como protetores solares, estruturas com papel escultural e outros", exemplificou cunha.

Existem duas dimensões da tecnologia na arquitetura: a representativa, onde a tecnologia é vista como ícone, cenário em seu  aspecto simbólico e a funcional, que está vinculada à viabilidade do funcionamento. Se a proposta é valorizar a técnica, deve-se explorar a estrutura e a imagem corporativa como algo presente na construção. "A valorização da técnica depende do meu cuidado com o detalhe", finaliza Cunha. 

Até a próxima sexta-feira, 5 de outubro, os participantes do Fórum poderão participar de palestras, exposições, ateliês, maquetaria, salas de desenho, sala de computação gráfica e laboratório de conforto ambiental.

Fotos: Rodrigo Simões (Núcleo de Fotografia e Memória)