Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

É preciso avançar ainda mais

Pesquisa da Agência Nacional dos Direitos da Infância revelou que a imprensa está tratando do tema com mais atenção, mas ainda é pouco

A notícia pode até gerar uma comemoração tímida, mas nada de muito alarde ou orgulho. O fato é que a imprensa brasileira passou a enxergar com mais valor os Direitos Humanos e, nesse compasso, abriu espaço para o tema. Quem prova isso é a Agência Nacional dos Direitos da Infância (Andi), com uma pesquisa meticulosa divulgada no final do ano passado. Ao analisar 1.315 matérias em 57 jornais do Brasil, descobriu-se que mais da metade deles trazem em suas páginas a expressão “Direitos Humanos”.

A má notícia é que em 80% dos casos essas duas palavras estão relacionadas à divulgação de eventos ou são referências a entidades e publicações que trazem os Direitos Humanos no nome. Apenas 0,5% do material verificado aborda o tema conceituando-o explicitamente. São matérias generalistas, que dificilmente contemplam um enfoque profundo no cotidiano das populações específicas que mais sofrem essa violação, como gays, negros, mulheres, crianças, idosos e pobres.

Se, por um lado, 34,9% dos textos trazem a menção de forma genérica e acidental, percebe-se que, na outra metade das matérias analisadas, houve uma vitória no quesito mais importante a ser tratado e dissecado: a violação desse direito. Nos textos específicos sobre o assunto, essa abordagem ocupa 13,9%. Há ainda outra descoberta importante. O tema é raramente ligado a ‘direitos dos bandidos’, como se disseminou até alguns anos, principalmente em decorrência das coberturas de rebeliões. 

      
No meio de tantos dados, um outro é lamentável: a escolha da fonte. Fica claro que o cidadão, aquele que teve o seu direito desrespeitado, perde espaço para as organizações do Estado. Os chamados poderes constituídos aparecem em 28,5% como fontes ouvidas no material pesquisado, enquanto as populações representam 3% nesse universo. 

Outra revelação contundente é que na dianteira dos jornais que publicam matérias de Direitos Humanos estão os de abrangência regional. Os cinco maiores jornais do país respondem por apenas 13% do material coletado. É a velha história da pauta secundária, “sem importância”, que aparece lá no fundo da gaveta, e pode ser sepultada a qualquer momento.

O desafio da imprensa é justamente mergulhar no tema, com reportagens que mostrem a cara do povo, suas mazelas nuas e cruas, e que também informem que o cidadão tem direitos e deve exigir por eles, seja na cobrança pelo funcionamento adequado da máquina pública ou fazendo do seu principal personagem (o leitor) um cidadão muito mais consciente.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisa da Agência Nacional dos Direitos da Infância revelou que a imprensa está tratando do tema com mais atenção, mas ainda é pouco

A notícia pode até gerar uma comemoração tímida, mas nada de muito alarde ou orgulho. O fato é que a imprensa brasileira passou a enxergar com mais valor os Direitos Humanos e, nesse compasso, abriu espaço para o tema. Quem prova isso é a Agência Nacional dos Direitos da Infância (Andi), com uma pesquisa meticulosa divulgada no final do ano passado. Ao analisar 1.315 matérias em 57 jornais do Brasil, descobriu-se que mais da metade deles trazem em suas páginas a expressão “Direitos Humanos”.

A má notícia é que em 80% dos casos essas duas palavras estão relacionadas à divulgação de eventos ou são referências a entidades e publicações que trazem os Direitos Humanos no nome. Apenas 0,5% do material verificado aborda o tema conceituando-o explicitamente. São matérias generalistas, que dificilmente contemplam um enfoque profundo no cotidiano das populações específicas que mais sofrem essa violação, como gays, negros, mulheres, crianças, idosos e pobres.

Se, por um lado, 34,9% dos textos trazem a menção de forma genérica e acidental, percebe-se que, na outra metade das matérias analisadas, houve uma vitória no quesito mais importante a ser tratado e dissecado: a violação desse direito. Nos textos específicos sobre o assunto, essa abordagem ocupa 13,9%. Há ainda outra descoberta importante. O tema é raramente ligado a ‘direitos dos bandidos’, como se disseminou até alguns anos, principalmente em decorrência das coberturas de rebeliões. 

      
No meio de tantos dados, um outro é lamentável: a escolha da fonte. Fica claro que o cidadão, aquele que teve o seu direito desrespeitado, perde espaço para as organizações do Estado. Os chamados poderes constituídos aparecem em 28,5% como fontes ouvidas no material pesquisado, enquanto as populações representam 3% nesse universo. 

Outra revelação contundente é que na dianteira dos jornais que publicam matérias de Direitos Humanos estão os de abrangência regional. Os cinco maiores jornais do país respondem por apenas 13% do material coletado. É a velha história da pauta secundária, “sem importância”, que aparece lá no fundo da gaveta, e pode ser sepultada a qualquer momento.

O desafio da imprensa é justamente mergulhar no tema, com reportagens que mostrem a cara do povo, suas mazelas nuas e cruas, e que também informem que o cidadão tem direitos e deve exigir por eles, seja na cobrança pelo funcionamento adequado da máquina pública ou fazendo do seu principal personagem (o leitor) um cidadão muito mais consciente.