Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Parada pela igualdade e respeito

 A parada Livre GLBT, que faz parte das atividades da segunda semana da diversidade sexual do município, começou com uma carreata, na saída da Gare da Estação Ferroviária, às 14h de ontem. Diversas pessoas, dois trios elétricos e cerca de trinta carros se encontraram para seguir para o local onde aconteceram os shows, o Largo da Locomotiva. A parada reuniu drag quens e homossexuais preocupados com o respeito aos direitos humanos, além de contar com  muitas famílias e crianças que por curiosidade ou apoio à diminuição do preconceito compareceram ao evento.

 Marcada para o dia 8 de junho, a Parada Livre GLBT de Santa Maria foi adiada pelo mau tempo e acabou ocorrendo no dia dos pais. O amor fala todas as línguas  era o tema do evento, que contava com a participação da Secretária Municipal de Assistência Social, Cidadania e Direitos Humanos e a Ong da Igualdade.  Houve preocupação em lembrar a prevenção contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Segundo Joseli Rodrigues Galvão, 30 anos, funcionário da secretaria de saúde, mais de 3.000 preservativos foram disponibilizados para serem entregues durante o evento.

A organizadora da Parada, Marquita Quevedo, 40 anos, participa desde a primeira edição, e faz um balanço do público deste ano. "Atualmente, os homossexuais estão mais presentes. Nos anos anteriores, eram mais famílias. Isto ocorre porque eles estão perdendo a vergonha e o medo’’. Ela lembra que não se trata só de uma iniciativa do movimento GLBT, pois movimentos como o das mulheres e dos negros estão engajados. Marquita considera que a única forma de garantir os direitos humanos, assim como política para todos, é as entidades andarem juntas.

Como mensagem principal da parada ela destaca: "A idéia é que se respeitem as diferenças, que as pessoas passem a olhar diferente. Na constituição somos todos iguais, e temos direitos iguais, então não deve existir essa diferenciação e preconceito que existe na realidade. Hoje, existem casos de violência contra gays e lésbicas e é preciso assegurar que isso não ocorra e garantir nossos direitos". Existe uma grande expectativa para a aprovação da lei que condena a homofobia como crime, lembra a organizadora.

 O evento, que se estendeu até as 19h, foi apresentado pela Travesti Myrella, 19 anos, que participou do evento pela primeira vez, mas que já está com a responsabilidade de ser a anfitriã. "Está sendo muito diferente para mim e este público é maravilhoso. São pessoas que realmente respeitam a questão da homossexualidade e tudo mais. E isso é bem importante para nós", diz ela. Umas das principais atrações do evento foram a cantora Valeria Huston e a performancer Hellen Bianquini.

Valeria é uma revelação do meio GLBTS e inova em suas apresentações cantando ao vivo. Ela esteve de passagem por Santa Maria, exclusivamente para sua participação na Parada, e logo segue para Europa para uma serie de shows. Já a santa-mariense Hellen tem na bagagem mais de 38 títulos de concursos de beleza do seguimento e é a atual “Glamour Gay-RS”, Rainha do Carnaval Regional e Miss Diversidades.

Entre os expectadores estava Liliane Rangel, que participou pelo segundo ano e, desta vez, levou o marido e três filhos para assistirem juntos aos shows. "Acho bonito tudo isso, e não tenho preconceitos e isto é importante para diminuir o preconceito das outras pessoas também"’. As amigas Elizabete Caio, 54 anos e Igorete Chagas também compareceram pela primeira vez à parada, levadas pela amiga Márcia Oliveira,38 anos, que já havia participado uma vez. As amigas contaram que acham GLBT pessoas como outras quaisquer e que cada um faz o que quer e, por isso, não há porque haver preconceito.

Nadine e Faeli, travestis, acham que os GLBTs estão cada vez mais envolvidos com a população. Faeli, por exemplo, conta que trabalha e estuda e que o preconceito diminuiu muito. Porém, por ser uma cidade universitária, ela esperava ver ainda menos.

 A segurança do evento foi feita por doze policiais, sendo seis deles, do Primeiro Regimento da Policia Montada. Segundo eles, estiveram presentes, no local, cerca de 2.000 pessoas e não houve ocorrências registradas durante a festa.

*Fotos Cassiano Cavalheiro (Da Redação)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

 A parada Livre GLBT, que faz parte das atividades da segunda semana da diversidade sexual do município, começou com uma carreata, na saída da Gare da Estação Ferroviária, às 14h de ontem. Diversas pessoas, dois trios elétricos e cerca de trinta carros se encontraram para seguir para o local onde aconteceram os shows, o Largo da Locomotiva. A parada reuniu drag quens e homossexuais preocupados com o respeito aos direitos humanos, além de contar com  muitas famílias e crianças que por curiosidade ou apoio à diminuição do preconceito compareceram ao evento.

 Marcada para o dia 8 de junho, a Parada Livre GLBT de Santa Maria foi adiada pelo mau tempo e acabou ocorrendo no dia dos pais. O amor fala todas as línguas  era o tema do evento, que contava com a participação da Secretária Municipal de Assistência Social, Cidadania e Direitos Humanos e a Ong da Igualdade.  Houve preocupação em lembrar a prevenção contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Segundo Joseli Rodrigues Galvão, 30 anos, funcionário da secretaria de saúde, mais de 3.000 preservativos foram disponibilizados para serem entregues durante o evento.

A organizadora da Parada, Marquita Quevedo, 40 anos, participa desde a primeira edição, e faz um balanço do público deste ano. "Atualmente, os homossexuais estão mais presentes. Nos anos anteriores, eram mais famílias. Isto ocorre porque eles estão perdendo a vergonha e o medo’’. Ela lembra que não se trata só de uma iniciativa do movimento GLBT, pois movimentos como o das mulheres e dos negros estão engajados. Marquita considera que a única forma de garantir os direitos humanos, assim como política para todos, é as entidades andarem juntas.

Como mensagem principal da parada ela destaca: "A idéia é que se respeitem as diferenças, que as pessoas passem a olhar diferente. Na constituição somos todos iguais, e temos direitos iguais, então não deve existir essa diferenciação e preconceito que existe na realidade. Hoje, existem casos de violência contra gays e lésbicas e é preciso assegurar que isso não ocorra e garantir nossos direitos". Existe uma grande expectativa para a aprovação da lei que condena a homofobia como crime, lembra a organizadora.

 O evento, que se estendeu até as 19h, foi apresentado pela Travesti Myrella, 19 anos, que participou do evento pela primeira vez, mas que já está com a responsabilidade de ser a anfitriã. "Está sendo muito diferente para mim e este público é maravilhoso. São pessoas que realmente respeitam a questão da homossexualidade e tudo mais. E isso é bem importante para nós", diz ela. Umas das principais atrações do evento foram a cantora Valeria Huston e a performancer Hellen Bianquini.

Valeria é uma revelação do meio GLBTS e inova em suas apresentações cantando ao vivo. Ela esteve de passagem por Santa Maria, exclusivamente para sua participação na Parada, e logo segue para Europa para uma serie de shows. Já a santa-mariense Hellen tem na bagagem mais de 38 títulos de concursos de beleza do seguimento e é a atual “Glamour Gay-RS”, Rainha do Carnaval Regional e Miss Diversidades.

Entre os expectadores estava Liliane Rangel, que participou pelo segundo ano e, desta vez, levou o marido e três filhos para assistirem juntos aos shows. "Acho bonito tudo isso, e não tenho preconceitos e isto é importante para diminuir o preconceito das outras pessoas também"’. As amigas Elizabete Caio, 54 anos e Igorete Chagas também compareceram pela primeira vez à parada, levadas pela amiga Márcia Oliveira,38 anos, que já havia participado uma vez. As amigas contaram que acham GLBT pessoas como outras quaisquer e que cada um faz o que quer e, por isso, não há porque haver preconceito.

Nadine e Faeli, travestis, acham que os GLBTs estão cada vez mais envolvidos com a população. Faeli, por exemplo, conta que trabalha e estuda e que o preconceito diminuiu muito. Porém, por ser uma cidade universitária, ela esperava ver ainda menos.

 A segurança do evento foi feita por doze policiais, sendo seis deles, do Primeiro Regimento da Policia Montada. Segundo eles, estiveram presentes, no local, cerca de 2.000 pessoas e não houve ocorrências registradas durante a festa.

*Fotos Cassiano Cavalheiro (Da Redação)