Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

De todos os cantos direto para a feira

Diversidade, misturas culturais e gente de todos os cantos. Essa foi a marca  da 4ª Feira da Economia Solidária do Mercosul e 15ª Feira Estadual do Cooperativismo (Feicoop). Alguns dos destaques foram a mistura de artesanato, produtos agro-industriais e debates, além da mescla de diferentes sotaques no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter.

O mexicano  Eduardo Rojo, diretor executivo do Comércio Justo no seu país, veio pela primeira vez no evento e disse ter tirado bom proveito. “É um dos melhores exemplos que podemos ter sobre Economia Solidária, posso dividir, praticar e fazer acordos”, comemora.

O mineiro Giliarde de Souza veio de Jaíba, em Minas Gerais, buscar alternativas para trabalhar com um grupo de pequenos agricultores do norte do seu Estado e aproveitou para trocar idéias com a argentina Melissa Álvares (os dois na foto abaixo). “A Feira me proporciona essa troca, é maravilhoso, vou levar tudo que aprendi”, diz Giliarde, que trabalha na Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares de Minas Gerais. Melissa faz parte de uma Organização Não Governamental de Economia Agro-ecológica. “Vim para conhecer tudo, é impressionante o que podemos aprender aqui”, analisa ela.

Para todos os gostos
 E a diversidade não ficou só com as pessoas. Um dos lugares que mais agregava gente na Feira era a praça de alimentação. Pastéis, sanduíches, creps e sucos naturais, nada de refrigerante. Os doces também variavam, de ameixa, de castanhas, de nozes, tradicional brigadeiro, morangos banhados no chocolate. A feirante de Itaara, Cláudia Iensen, veio pela primeira vez e aprovou: “acho que o povo tá gostando, porque vendi bem”, comemora Cláudia, que faz parte da Feira Rural de Itaara – Feirita.

A engenheira Fernanda Marinho, que veio de excursão de Porto Alegre ,confessa: “Não tem como escapar dessas coisas boas, é uma tentação”, brinca.

Além de comidas, a Feira trouxe opções de presentes e lembranças. Livros, discos de vinil, brincos, colares, bolsas, sapatos, roupas infantis e adultas, objetos para a casa e enfeites encantaram quem passou por lá.

O evento marcou também a 7ª Feira Nacional de Economia Solidária e 4º Seminário Latino-americano de Economia Solidária que ocorreram de sexta-feira (11) a domingo (13) no  Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, na Rua Heitor Campos, bairro Medianeira. No ano que vem o evento começa dia 10 e vai até 12 de julho no mesmo local.

Fotos: Laura Píffero

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Diversidade, misturas culturais e gente de todos os cantos. Essa foi a marca  da 4ª Feira da Economia Solidária do Mercosul e 15ª Feira Estadual do Cooperativismo (Feicoop). Alguns dos destaques foram a mistura de artesanato, produtos agro-industriais e debates, além da mescla de diferentes sotaques no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter.

O mexicano  Eduardo Rojo, diretor executivo do Comércio Justo no seu país, veio pela primeira vez no evento e disse ter tirado bom proveito. “É um dos melhores exemplos que podemos ter sobre Economia Solidária, posso dividir, praticar e fazer acordos”, comemora.

O mineiro Giliarde de Souza veio de Jaíba, em Minas Gerais, buscar alternativas para trabalhar com um grupo de pequenos agricultores do norte do seu Estado e aproveitou para trocar idéias com a argentina Melissa Álvares (os dois na foto abaixo). “A Feira me proporciona essa troca, é maravilhoso, vou levar tudo que aprendi”, diz Giliarde, que trabalha na Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares de Minas Gerais. Melissa faz parte de uma Organização Não Governamental de Economia Agro-ecológica. “Vim para conhecer tudo, é impressionante o que podemos aprender aqui”, analisa ela.

Para todos os gostos
 E a diversidade não ficou só com as pessoas. Um dos lugares que mais agregava gente na Feira era a praça de alimentação. Pastéis, sanduíches, creps e sucos naturais, nada de refrigerante. Os doces também variavam, de ameixa, de castanhas, de nozes, tradicional brigadeiro, morangos banhados no chocolate. A feirante de Itaara, Cláudia Iensen, veio pela primeira vez e aprovou: “acho que o povo tá gostando, porque vendi bem”, comemora Cláudia, que faz parte da Feira Rural de Itaara – Feirita.

A engenheira Fernanda Marinho, que veio de excursão de Porto Alegre ,confessa: “Não tem como escapar dessas coisas boas, é uma tentação”, brinca.

Além de comidas, a Feira trouxe opções de presentes e lembranças. Livros, discos de vinil, brincos, colares, bolsas, sapatos, roupas infantis e adultas, objetos para a casa e enfeites encantaram quem passou por lá.

O evento marcou também a 7ª Feira Nacional de Economia Solidária e 4º Seminário Latino-americano de Economia Solidária que ocorreram de sexta-feira (11) a domingo (13) no  Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, na Rua Heitor Campos, bairro Medianeira. No ano que vem o evento começa dia 10 e vai até 12 de julho no mesmo local.

Fotos: Laura Píffero