Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

FEISMA: Flagrantes do dia-a-dia na feira

Olhares atentos, um momento de descontração ou de trabalho. Os visitantes que passeiam pelos mais de 400 estandes da Multifeira podem se deparar com diversas situações. Confira um pouco do que aconteceu nos pavilhões da Feira na manhã e na tarde desse domingo, dia 2 de novembro.
 

Feisma
 
Tranqüila, Natasha parecia não notar o tumulto que causou em torno de seu viveiro. A jibóia argentina, de seis anos, cativou as crianças e os adultos que a observavam de perto ou mais afastados. Há três anos ela está sob os cuidados do Criadouro Conservacionista São Braz. Segundo o diretor do local, Santos Braz, 44 anos, Natasha foi vítima do tráfico internacional de animais.
 
Feisma

Um momento para relaxar. Mesmo com o intenso movimento de visitantes, algumas pessoas encontraram um espaço para descansar. Para exibir o produto com que trabalha, uma empresa ofereceu massagens ao público. Sentados nas esteiras massageadoras, não se importavam com os que observavam curiosos o estande.

 

Feisma

Um hábito e símbolo da culltura gaúcha não pôde ficar de fora da Feisma: o chimarrão, que integrou o domingo de alguns expositores e santa-marienses.

 

Feisma

Quer um atalho? O Feismacar faz a locomoção de portadores de necessidades especiais e demais visitantes que não queiram enfrentar a escadaria de acesso ao pavilhão Guarani.

 

Feisma

 

Quando os ponteiros do relógio apontavam meio-dia, a cena era só uma: centenas de pessoas estacionavam-se nas enormes filas pelos restaurantes, lancherias e cafés existentes na Feira. De acordo com a estimativa dos comerciantes, cada estabelecimento atendeu mais de 350 pessoas no horário de almoço. Com a barriga reclamando e tanta gente circulando pela Feisma, até valia a pena esperar um pouquinho na fila para sanar a fome.

 

Feisma

Pausa para fotos. Aos que portam uma máquina fotográfica, não há como resistir aos murais de fotomontagens, onde os visitantes podem sobrepor seus rostos em retratos antigos.

 

Feisma

A miniatura de um caminhão foi transformada em um brinquedo pelas crianças. Encorajadas pelos pais, acabavam sendo fotografadas dentro da cabine.

 

Feisma

A bomba de gasolina também foi transformada em brinquedo, desta vez para os adultos. Bastava escolher um número de um a cinco e puxar o gatilho da bomba de injeção. Caso o número escolhido fosse o mesmo que aparecesse no visor "total a pagar", o visitante ganharia um brinde.

 

Feisma

Domingo que se preze não dispensa a presença do bom e velho futebol na TV. Porém, o que poderia ser motivo para segurar em casa os visitantes da Feisma virou motivo para não perder o passeio. A partir das 19h10, dezenas de pessoas se amontoavam pelos estandes das TV’s a cabo para não perder um minuto sequer do jogo entre Grêmio e Figueirense. O time gaúcho liderava até então o Campeonato Brasileiro, e foi o responsável por injetar altas doses de adrenalina nas veias dos torcedores que acompanharam apreensivos o empate de 1 a 1 do tricolor.

 

Fotos: Gabriela Perufo e Evandro Sturm (Laboratório de Fotografia e Memória)

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Olhares atentos, um momento de descontração ou de trabalho. Os visitantes que passeiam pelos mais de 400 estandes da Multifeira podem se deparar com diversas situações. Confira um pouco do que aconteceu nos pavilhões da Feira na manhã e na tarde desse domingo, dia 2 de novembro.
 

Feisma
 
Tranqüila, Natasha parecia não notar o tumulto que causou em torno de seu viveiro. A jibóia argentina, de seis anos, cativou as crianças e os adultos que a observavam de perto ou mais afastados. Há três anos ela está sob os cuidados do Criadouro Conservacionista São Braz. Segundo o diretor do local, Santos Braz, 44 anos, Natasha foi vítima do tráfico internacional de animais.
 
Feisma

Um momento para relaxar. Mesmo com o intenso movimento de visitantes, algumas pessoas encontraram um espaço para descansar. Para exibir o produto com que trabalha, uma empresa ofereceu massagens ao público. Sentados nas esteiras massageadoras, não se importavam com os que observavam curiosos o estande.

 

Feisma

Um hábito e símbolo da culltura gaúcha não pôde ficar de fora da Feisma: o chimarrão, que integrou o domingo de alguns expositores e santa-marienses.

 

Feisma

Quer um atalho? O Feismacar faz a locomoção de portadores de necessidades especiais e demais visitantes que não queiram enfrentar a escadaria de acesso ao pavilhão Guarani.

 

Feisma

 

Quando os ponteiros do relógio apontavam meio-dia, a cena era só uma: centenas de pessoas estacionavam-se nas enormes filas pelos restaurantes, lancherias e cafés existentes na Feira. De acordo com a estimativa dos comerciantes, cada estabelecimento atendeu mais de 350 pessoas no horário de almoço. Com a barriga reclamando e tanta gente circulando pela Feisma, até valia a pena esperar um pouquinho na fila para sanar a fome.

 

Feisma

Pausa para fotos. Aos que portam uma máquina fotográfica, não há como resistir aos murais de fotomontagens, onde os visitantes podem sobrepor seus rostos em retratos antigos.

 

Feisma

A miniatura de um caminhão foi transformada em um brinquedo pelas crianças. Encorajadas pelos pais, acabavam sendo fotografadas dentro da cabine.

 

Feisma

A bomba de gasolina também foi transformada em brinquedo, desta vez para os adultos. Bastava escolher um número de um a cinco e puxar o gatilho da bomba de injeção. Caso o número escolhido fosse o mesmo que aparecesse no visor "total a pagar", o visitante ganharia um brinde.

 

Feisma

Domingo que se preze não dispensa a presença do bom e velho futebol na TV. Porém, o que poderia ser motivo para segurar em casa os visitantes da Feisma virou motivo para não perder o passeio. A partir das 19h10, dezenas de pessoas se amontoavam pelos estandes das TV’s a cabo para não perder um minuto sequer do jogo entre Grêmio e Figueirense. O time gaúcho liderava até então o Campeonato Brasileiro, e foi o responsável por injetar altas doses de adrenalina nas veias dos torcedores que acompanharam apreensivos o empate de 1 a 1 do tricolor.

 

Fotos: Gabriela Perufo e Evandro Sturm (Laboratório de Fotografia e Memória)