Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

A 99ª páscoa de Dona Nayr

 A Páscoa significa renascimento, um período para refletir sobre o passado e o novo caminho que começa a ser trilhado. Nesse domingo, 12 de abril, a família Pohlmann tem mais um motivo para celebrar a vida: o aniversário da matriarca Nayr Schaurich Pohlmann, que completa 99 anos.

 

 

 

 

 

 

Nayr nasceu dia 12 de abril de 1910, em Cachoeira do Sul. Em quase um século de vida, ela tem muitas lembranças que são contadas pela filha Nancy, 76 anos. A primogênita de dona Nayr reside em Porto Alegrre. A idosa é cuidada  pela filha caçula.

 

 

 

 

 

As duas convivem com uma família numerosa. No terreno que pertenceu à avó de Nayr moram um neto e sua esposa, três bisnetas e quatro tataranetos.

 

 

  Na chegada dos primeiros tataranetos produzia colchas para que as crianças se lembrassem dela ao se aquecerem. Mesmo sendo gremista fez uma manta vermelha para o bisneto colorado.

 

 Dona Nayr só teve um homem na vida, até teve outros pretendentes, mas prometeu amor eterno ao marido. Viúva há 73 anos, disse que quando chegar no céu vai acertar as contas com ele porque a deixou tão cedo.

Ela trabalhou como telefonista, mas foi como bordadeira que criou as filhas. A filha Nancy conta que nunca fez curso de costura ou bordado, tudo a mãe ensinou. Juntas faziam vestidos para noivas, debutantes e bordados com pedrarias.

 Com o passar dos anos, trocou a lã fina pela grossa para identificar os pontos. O trabalho manual foi feito até setembro do ano passado, quando Nancy já havia percebido que a mãe não coordenava mais a agulha: “Ela começou errando pontos e eu a esperava dormir para desmanchar e refazer, da forma certa, para que não percebesse os erros”, revela.

Quanto à coincidência da data, Nancy diz que é uma benção a mãe fazer aniversário no dia de Páscoa.

A senhora de cabelos brancos adora beber vinho. Ela toma todo dia um gole de vinho tinto suave. A filha atribui a ele a longevidade de Nayr, aliado ao amor da família.

 

Fotos: Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)

  

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 A Páscoa significa renascimento, um período para refletir sobre o passado e o novo caminho que começa a ser trilhado. Nesse domingo, 12 de abril, a família Pohlmann tem mais um motivo para celebrar a vida: o aniversário da matriarca Nayr Schaurich Pohlmann, que completa 99 anos.

 

 

 

 

 

 

Nayr nasceu dia 12 de abril de 1910, em Cachoeira do Sul. Em quase um século de vida, ela tem muitas lembranças que são contadas pela filha Nancy, 76 anos. A primogênita de dona Nayr reside em Porto Alegrre. A idosa é cuidada  pela filha caçula.

 

 

 

 

 

As duas convivem com uma família numerosa. No terreno que pertenceu à avó de Nayr moram um neto e sua esposa, três bisnetas e quatro tataranetos.

 

 

  Na chegada dos primeiros tataranetos produzia colchas para que as crianças se lembrassem dela ao se aquecerem. Mesmo sendo gremista fez uma manta vermelha para o bisneto colorado.

 

 Dona Nayr só teve um homem na vida, até teve outros pretendentes, mas prometeu amor eterno ao marido. Viúva há 73 anos, disse que quando chegar no céu vai acertar as contas com ele porque a deixou tão cedo.

Ela trabalhou como telefonista, mas foi como bordadeira que criou as filhas. A filha Nancy conta que nunca fez curso de costura ou bordado, tudo a mãe ensinou. Juntas faziam vestidos para noivas, debutantes e bordados com pedrarias.

 Com o passar dos anos, trocou a lã fina pela grossa para identificar os pontos. O trabalho manual foi feito até setembro do ano passado, quando Nancy já havia percebido que a mãe não coordenava mais a agulha: “Ela começou errando pontos e eu a esperava dormir para desmanchar e refazer, da forma certa, para que não percebesse os erros”, revela.

Quanto à coincidência da data, Nancy diz que é uma benção a mãe fazer aniversário no dia de Páscoa.

A senhora de cabelos brancos adora beber vinho. Ela toma todo dia um gole de vinho tinto suave. A filha atribui a ele a longevidade de Nayr, aliado ao amor da família.

 

Fotos: Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)