Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Ato Médico mobiliza profissões da área da Saúde

Profissionais de Psicologia, Enfermagem, Nutrição,
Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Educação Física, Farmácia, Biomedicina,
Medicina Veterinária, Odontologia, Serviço Social e Ciências Biológicas estão
mobilizados contra o Ato Médico. O Projeto de Lei já passou pela
Câmara e foi encaminhando ao Senado. Para entrar em vigor, ainda depende da
votação no Senado e da sanção do presidente da República.

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

Ao dar aos médicos a exclusividade do diagnóstico e do tratamento, o
Projeto de Lei 7.703/2006 acaba com a autonomia dos profissionais da saúde.
As principais doenças que afligem a humanidade possuem
múltiplos fatores causais e cada profissional da saúde é treinado para
identificar o efeito de alguns desses fatores.

O  projeto de lei do Ato Médico, na forma aprovada
pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, pela Comissão de
Constituição Justiça e Cidadania e pela Comissão de Seguridade Social e Família,
acaba com o direito da população de ter livre acesso aos serviços dos
profissionais da saúde. Esse ato transforma os profissionais da saúde em
técnicos dos médicos. Ele estabelece que somente após o diagnóstico nosológico
(da doença) e da prescrição terapêutica feita pelo médico, a população poderá
ser atendida pelos profissionais da saúde.

Desde 2004, o Crefito-SP defende que a população tem o
direito ao livre acesso aos profissionais da saúde, sem que tenham de passar
necessariamente por uma consulta e prescrição médica. Para atender seus
pacientes, a partir do ato médico os profissionais precisariam esperar o
encaminhamento de um médico com o diagnóstico da doença e a receita do
atendimento que eles deveriam executar.

Em repúdio ao ato médico, os alunos da área da Saúde da
Unifra e de outras instituições fizeram um protesto no calçadão na semana
passada. Alguns trajando jaleco e outros a camiseta do curso, manifestaram sua
indignação.

Entre os alunos e profissionais atingidos pelo projeto de
lei há um número ínfimo de pessoas  a favor do processo, enquanto a maioria
é totalmente contrária, como os alunos da Unifra, que em entrevista relataram o
por que de serem contra:

Maiara, estudante de Nutrição: “Eu sou contra, porque os
médicos vão acabar invadindo outros cursos da área da saúde, a gente estuda 5
anos e daí vêm os médicos e vão querer invadir a nossa área.”

Ramani de Freitas, estudante de Nutrição, é contra o ato médico
porque irá prejudicar muito a profissão. “Não tem fundamento nenhum ter que
passar no médico para consultar um nutricionista, eles não entendem.”

Lucas, 1º semestre Odontologia: “o ato médico é uma
prepotência por parte dos médicos porque eles não têm esse direito de fazer e
manipular tudo como eles bem entenderem. Acho que eles têm que trabalhar junto,
integrados tanto com a Fisioterapia, principalmente, e todas as áreas para que
possam fazer com isso um trabalho melhor na saúde brasileira”.

A psicóloga e professora de Psicologia da Unifra, Tatiana
Baierle, é contrária ao ato médico porque acredita na interdisciplinaridade da
saúde e não na predominância de uma disciplina ou de um saber sobre os demais.
“Acho que o ato médico vai contra os princípios do SUS, que prevê a questão da
integralidade mesmo, e não a prioridade de uma profissão sobre as outras”.

Eduardo, estudante de Psicologia, é contra porque acredita
que eles (os médicos) não são capacitados, já que o psicólogo estuda cinco anos
para poder exercer a profissão.

Greice, estudante de Psicologia, é contra porque os profissionais
da Medicina estão de certa forma trazendo questões que eles não têm o
conhecimento específico, para estudar especificamente a Psicologia, os transtornos.
“O pessoal tem um semestre só e acaba limitando um pouco o conhecimento deles e
o conhecimento das pessoas das outras profissões também.”

A matéria se detém apenas na opinião dos contrários, pois o Sindicato
Médico de Santa Maria, que por diversas vezes foi procurado, não manifestou
interesse em divulgar seu parecer sobre o Ato Médico.

 

Fotos: Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Profissionais de Psicologia, Enfermagem, Nutrição,
Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Educação Física, Farmácia, Biomedicina,
Medicina Veterinária, Odontologia, Serviço Social e Ciências Biológicas estão
mobilizados contra o Ato Médico. O Projeto de Lei já passou pela
Câmara e foi encaminhando ao Senado. Para entrar em vigor, ainda depende da
votação no Senado e da sanção do presidente da República.

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

Ao dar aos médicos a exclusividade do diagnóstico e do tratamento, o
Projeto de Lei 7.703/2006 acaba com a autonomia dos profissionais da saúde.
As principais doenças que afligem a humanidade possuem
múltiplos fatores causais e cada profissional da saúde é treinado para
identificar o efeito de alguns desses fatores.

O  projeto de lei do Ato Médico, na forma aprovada
pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, pela Comissão de
Constituição Justiça e Cidadania e pela Comissão de Seguridade Social e Família,
acaba com o direito da população de ter livre acesso aos serviços dos
profissionais da saúde. Esse ato transforma os profissionais da saúde em
técnicos dos médicos. Ele estabelece que somente após o diagnóstico nosológico
(da doença) e da prescrição terapêutica feita pelo médico, a população poderá
ser atendida pelos profissionais da saúde.

Desde 2004, o Crefito-SP defende que a população tem o
direito ao livre acesso aos profissionais da saúde, sem que tenham de passar
necessariamente por uma consulta e prescrição médica. Para atender seus
pacientes, a partir do ato médico os profissionais precisariam esperar o
encaminhamento de um médico com o diagnóstico da doença e a receita do
atendimento que eles deveriam executar.

Em repúdio ao ato médico, os alunos da área da Saúde da
Unifra e de outras instituições fizeram um protesto no calçadão na semana
passada. Alguns trajando jaleco e outros a camiseta do curso, manifestaram sua
indignação.

Entre os alunos e profissionais atingidos pelo projeto de
lei há um número ínfimo de pessoas  a favor do processo, enquanto a maioria
é totalmente contrária, como os alunos da Unifra, que em entrevista relataram o
por que de serem contra:

Maiara, estudante de Nutrição: “Eu sou contra, porque os
médicos vão acabar invadindo outros cursos da área da saúde, a gente estuda 5
anos e daí vêm os médicos e vão querer invadir a nossa área.”

Ramani de Freitas, estudante de Nutrição, é contra o ato médico
porque irá prejudicar muito a profissão. “Não tem fundamento nenhum ter que
passar no médico para consultar um nutricionista, eles não entendem.”

Lucas, 1º semestre Odontologia: “o ato médico é uma
prepotência por parte dos médicos porque eles não têm esse direito de fazer e
manipular tudo como eles bem entenderem. Acho que eles têm que trabalhar junto,
integrados tanto com a Fisioterapia, principalmente, e todas as áreas para que
possam fazer com isso um trabalho melhor na saúde brasileira”.

A psicóloga e professora de Psicologia da Unifra, Tatiana
Baierle, é contrária ao ato médico porque acredita na interdisciplinaridade da
saúde e não na predominância de uma disciplina ou de um saber sobre os demais.
“Acho que o ato médico vai contra os princípios do SUS, que prevê a questão da
integralidade mesmo, e não a prioridade de uma profissão sobre as outras”.

Eduardo, estudante de Psicologia, é contra porque acredita
que eles (os médicos) não são capacitados, já que o psicólogo estuda cinco anos
para poder exercer a profissão.

Greice, estudante de Psicologia, é contra porque os profissionais
da Medicina estão de certa forma trazendo questões que eles não têm o
conhecimento específico, para estudar especificamente a Psicologia, os transtornos.
“O pessoal tem um semestre só e acaba limitando um pouco o conhecimento deles e
o conhecimento das pessoas das outras profissões também.”

A matéria se detém apenas na opinião dos contrários, pois o Sindicato
Médico de Santa Maria, que por diversas vezes foi procurado, não manifestou
interesse em divulgar seu parecer sobre o Ato Médico.

 

Fotos: Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)