Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Deu a louca no tempo?

 

“… Mudaram as estações, nada mudou, mas eu sei que alguma coisa aconteceu, tá tudo assim tão diferente…” A letra da música Por enquanto, de Cássia Eller, parece descrever exatamente o que está acontecendo com nosso clima…

 

 

Interpretando os sinais

 

Pode parecer mentira, mas a estação já mudou em diversas vitrines de lojas. Podemos sentir o frio que ainda não bateu à nossa porta, mas a cara de nossa estação ainda é quente. Árvores continuam floridas, em todos os jardins ainda é possível ver e sentir o aroma de diversas flores, adultos e crianças usam roupas de verão, parecemos indiferentes aos sinais da natureza.
 
  
 
 
 

  Para os lojistas, mudar as vitrines é uma questão de jogo de marketing, “precisamos entrar no clima, para que as pessoas entrem também, mesmo que esteja quente, a previsão promete muito frio”, diz Andressa Alves de Oliveira, 21 anos, vendedora.  “Não existe mais roupas de verão, o que temos é o que restou da coleção passada, às vezes você encontra alguma coisa, mas não encontra, por exemplo, o número que deseja”, relata Denise da Costa, 27 anos, vendedora.

 

 Jogada de marketing ou não, o outono chegou e não se pode mudar isso, talvez os lojistas estejam corretos em mudar suas coleções e avisar as pessoas que a temperatura deveria ser outra. O que ninguém questiona, avisa, ou debate é o por que do clima quente, estão todos muito preocupados em vender, comprar, mas não preocupados em entender o tempo.


Segundo o professor do Curso de Geografia da Unifra, Valdemar Valente, o outono é uma estação de transição entre o verão e o inverno em que a oscilação das temperaturas e a instabilidade climática são normais. “Nós podemos ter dias muito frios ou estes calores bastante fortes. À medida que as incursões das massas polares se intensificarem, as coisas vão se definindo melhor”, explica.

Quem acaba sofrendo as conseqüências das indefinições do clima é a população. Além da dificuldade de acertar na roupa para sair de casa, ainda é preciso prevenir problemas de saúde comuns nessa época do ano. É neste período que aumenta a disseminação de doenças pelo ar. A  incidência de doenças respiratórias aumenta muito, principalmente entre os idosos. Com a mudança de estação, o que mais surge são problemas de garganta e rinite, informam os serviços de saúde pública.

A natureza tem mandado seus sinais e cabe a cada um de nós interpretá-los. As estações do ano não mais bem definidas se devem ao enorme aumento do aquecimento global, um problema mundial, que tem trazido conseqüências enormes ao nosso planeta. Jogar a culpa no tempo, dizendo que ele é louco, ou então falar mal de São Pedro não resolve nosso problema, o planeta pede ajuda e é preciso saber interpretar os sinais. 

Questione sobre suas atitudes e veja o que você tem feito para entender o que está acontecendo. Se não souber responder é por que ainda não aprendeu a interpretar os sinais.

 
Fotos: Maiara Bersch (Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

“… Mudaram as estações, nada mudou, mas eu sei que alguma coisa aconteceu, tá tudo assim tão diferente…” A letra da música Por enquanto, de Cássia Eller, parece descrever exatamente o que está acontecendo com nosso clima…

 

 

Interpretando os sinais

 

Pode parecer mentira, mas a estação já mudou em diversas vitrines de lojas. Podemos sentir o frio que ainda não bateu à nossa porta, mas a cara de nossa estação ainda é quente. Árvores continuam floridas, em todos os jardins ainda é possível ver e sentir o aroma de diversas flores, adultos e crianças usam roupas de verão, parecemos indiferentes aos sinais da natureza.
 
  
 
 
 

  Para os lojistas, mudar as vitrines é uma questão de jogo de marketing, “precisamos entrar no clima, para que as pessoas entrem também, mesmo que esteja quente, a previsão promete muito frio”, diz Andressa Alves de Oliveira, 21 anos, vendedora.  “Não existe mais roupas de verão, o que temos é o que restou da coleção passada, às vezes você encontra alguma coisa, mas não encontra, por exemplo, o número que deseja”, relata Denise da Costa, 27 anos, vendedora.

 

 Jogada de marketing ou não, o outono chegou e não se pode mudar isso, talvez os lojistas estejam corretos em mudar suas coleções e avisar as pessoas que a temperatura deveria ser outra. O que ninguém questiona, avisa, ou debate é o por que do clima quente, estão todos muito preocupados em vender, comprar, mas não preocupados em entender o tempo.


Segundo o professor do Curso de Geografia da Unifra, Valdemar Valente, o outono é uma estação de transição entre o verão e o inverno em que a oscilação das temperaturas e a instabilidade climática são normais. “Nós podemos ter dias muito frios ou estes calores bastante fortes. À medida que as incursões das massas polares se intensificarem, as coisas vão se definindo melhor”, explica.

Quem acaba sofrendo as conseqüências das indefinições do clima é a população. Além da dificuldade de acertar na roupa para sair de casa, ainda é preciso prevenir problemas de saúde comuns nessa época do ano. É neste período que aumenta a disseminação de doenças pelo ar. A  incidência de doenças respiratórias aumenta muito, principalmente entre os idosos. Com a mudança de estação, o que mais surge são problemas de garganta e rinite, informam os serviços de saúde pública.

A natureza tem mandado seus sinais e cabe a cada um de nós interpretá-los. As estações do ano não mais bem definidas se devem ao enorme aumento do aquecimento global, um problema mundial, que tem trazido conseqüências enormes ao nosso planeta. Jogar a culpa no tempo, dizendo que ele é louco, ou então falar mal de São Pedro não resolve nosso problema, o planeta pede ajuda e é preciso saber interpretar os sinais. 

Questione sobre suas atitudes e veja o que você tem feito para entender o que está acontecendo. Se não souber responder é por que ainda não aprendeu a interpretar os sinais.

 
Fotos: Maiara Bersch (Laboratório de Fotografia e Memória)