Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Ecopontos são instalados em Santa Maria

Uma novidade para a consciência ambiental da comunidade chegou em Santa Maria: a implantação de ecopontos, que são coletores separados para depósito de material reciclável.
 
 
 
 


As lixeiras estão sendo colocadas em pontos estratégicos da cidade, preferencialmente ao lado dos Postos da Brigada Militar, para que se evitem atos de vandalismo. Segundo o secretário de Proteção Ambiental do Município, Laurindo Lourenzi, este é um plano piloto, por isso a pequena quantidade de ecopontos na cidade. “É um teste para vermos a receptividade da população, e se vão se adaptar a esse sistema”, explica.

 

Esse sistema de coleta seletiva é utilizado na Europa e sugerido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Apesar de surgirem polêmicas com relação à educação da população, que não deposita o lixo nos locais correspondentes, há quem tenha plena consciência da necessidade desse processo de separação dos materiais. “É muito interessante esse modo de coleta. As pessoas vão ter que acumular em casa os materiais para depositá-los nessas lixeiras, mas é válido. Há a necessidade”, comenta o comerciário Ademir Augusti, 56.

 

Os Ecopontos ficarão chaveados e o lixo será retirado diariamente pela empresa responsável, a PRT. Três associações de reciclagem, cadastradas junto à Secretaria de Proteção Ambiental, receberão os materiais depositados nos contêineres: a Associação de Material Reciclável (ASMAR),  a Associação de Reciclagem Seletiva do Lixo Esperança (ARSELE) e a Associação de Recicladores Profetas da Ecologia de Santiago (ARPES).

O secretário Laurindo ainda comenta que, para que se tenha a consciência ambiental da população para o uso correto dos ecopontos, serão distribuídos folders explicativos nos bairros da cidade.

“Esse é o embrião de uma revolução da coleta seletiva. Não dá para admitir uma cidade do tamanho de Santa Maria sem coleta seletiva”, comenta o secretário. Laurindo ainda explica que esse pode ser o início de uma “Revolução Verde”.

 

Módulo foi apresentado na Feisma

A temática ambiental apresentada
na Feisma 2009 provocou reflexões sobre o futuro do planeta. As lixeiras para
cada tipo de lixo foram uma prévia para a coleta seletiva na cidade. Mas deixaram
uma dúvida: falta consciência ou educação da sociedade?

O ecoponto apresentado
na Multifeira atraiu olhares e teve aprovação do público. Porém, ao longo do
trajeto entre os pavilhões e corredores foi possível ver que as indicações para
o que deve ser depositado, não  eram respeitadas. Coletores para plástico receberam
papeis e até mesmo em cinzeiros, no lugar das cinzas e tocos de cigarro, estavam copos
e panfletos.

O calor dos primeiros dias da feira aumentou o consumo de líquidos,
como água e refrigerantes. Pena que as latas e as embalagens plásticas podiam
ser vistas juntas nas lixeiras.

O número de coletores ainda é pequeno, mas a instalação em toda cidade depende da aceitação da população. Então, é hora de mudar as atitudes e agir de forma consciente em apoio ao planeta, como sugeria o tema da Feisma.

 

Para denunciar problemas ou fazer sugestões sobre o lixo em Santa Maria, a população pode ligar para a Linha Verde: fone 3921-7151.

Fotos: Maiara  Bersch (Laboratório de Fotografia e Memória) e arquivo/Agência Central Sul

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Uma novidade para a consciência ambiental da comunidade chegou em Santa Maria: a implantação de ecopontos, que são coletores separados para depósito de material reciclável.
 
 
 
 


As lixeiras estão sendo colocadas em pontos estratégicos da cidade, preferencialmente ao lado dos Postos da Brigada Militar, para que se evitem atos de vandalismo. Segundo o secretário de Proteção Ambiental do Município, Laurindo Lourenzi, este é um plano piloto, por isso a pequena quantidade de ecopontos na cidade. “É um teste para vermos a receptividade da população, e se vão se adaptar a esse sistema”, explica.

 

Esse sistema de coleta seletiva é utilizado na Europa e sugerido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Apesar de surgirem polêmicas com relação à educação da população, que não deposita o lixo nos locais correspondentes, há quem tenha plena consciência da necessidade desse processo de separação dos materiais. “É muito interessante esse modo de coleta. As pessoas vão ter que acumular em casa os materiais para depositá-los nessas lixeiras, mas é válido. Há a necessidade”, comenta o comerciário Ademir Augusti, 56.

 

Os Ecopontos ficarão chaveados e o lixo será retirado diariamente pela empresa responsável, a PRT. Três associações de reciclagem, cadastradas junto à Secretaria de Proteção Ambiental, receberão os materiais depositados nos contêineres: a Associação de Material Reciclável (ASMAR),  a Associação de Reciclagem Seletiva do Lixo Esperança (ARSELE) e a Associação de Recicladores Profetas da Ecologia de Santiago (ARPES).

O secretário Laurindo ainda comenta que, para que se tenha a consciência ambiental da população para o uso correto dos ecopontos, serão distribuídos folders explicativos nos bairros da cidade.

“Esse é o embrião de uma revolução da coleta seletiva. Não dá para admitir uma cidade do tamanho de Santa Maria sem coleta seletiva”, comenta o secretário. Laurindo ainda explica que esse pode ser o início de uma “Revolução Verde”.

 

Módulo foi apresentado na Feisma

A temática ambiental apresentada
na Feisma 2009 provocou reflexões sobre o futuro do planeta. As lixeiras para
cada tipo de lixo foram uma prévia para a coleta seletiva na cidade. Mas deixaram
uma dúvida: falta consciência ou educação da sociedade?

O ecoponto apresentado
na Multifeira atraiu olhares e teve aprovação do público. Porém, ao longo do
trajeto entre os pavilhões e corredores foi possível ver que as indicações para
o que deve ser depositado, não  eram respeitadas. Coletores para plástico receberam
papeis e até mesmo em cinzeiros, no lugar das cinzas e tocos de cigarro, estavam copos
e panfletos.

O calor dos primeiros dias da feira aumentou o consumo de líquidos,
como água e refrigerantes. Pena que as latas e as embalagens plásticas podiam
ser vistas juntas nas lixeiras.

O número de coletores ainda é pequeno, mas a instalação em toda cidade depende da aceitação da população. Então, é hora de mudar as atitudes e agir de forma consciente em apoio ao planeta, como sugeria o tema da Feisma.

 

Para denunciar problemas ou fazer sugestões sobre o lixo em Santa Maria, a população pode ligar para a Linha Verde: fone 3921-7151.

Fotos: Maiara  Bersch (Laboratório de Fotografia e Memória) e arquivo/Agência Central Sul