Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Conferência ambiental encerra o SEPE 2010

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

sepe2010_afranio_halisson.jpg“O homem está alterando o
delicado equilíbrio que mantém a vida na Terra”, enfatizou o professor e
engenheiro ambiental Afrânio Almir Righes, durante a conferência de
encerramento do SEPE 2010.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

A palestra abordou os efeitos das
atividades humanas na Biosfera. Foram destacadas as causas dos impactos ambientais
no Planeta. O engenheiro mostrou dados sobre desmatamento, redução da
infiltração de água e solo, secas e enchentes, erosão hídrica do solo e a poluição
do ar.

O sistema solo-água-atmosfera faz
parte da Biosfera, que é a porção da Terra onde a vida se faz presente. Essa
pequena camada como espaço de vida do planeta, pode ser considerada uma folha
de papel, se comparada ao diâmetro da Terra. Segundo o professor, o consumo
energético do Planeta é cada vez maior. Em 2030, será necessário aumentar a
produção alimentar em 60%. A população mundial chegará a 8,5 bilhões de
pessoas. Portanto, é preciso se pensar em sustentabilidade ambiental e
econômica para evitar a degradação ambiental.

Impactos Ambientais

O crescimento desordenado das
grandes cidades faz com que as pessoas construam casas em lugares indevidos.
Segundo o professor, quando se constroem casas e estradas nas encostas, em ângulos
maiores que 45 graus, há desmoronamento. Devido à ocupação não planejada em pés
de morros e montanhas, acontecem tragédias como mortes por desabamento e
soterramento de casas. Um exemplo disso, o deslizamento de terra em Angra dos
Reis, em janeiro deste ano.

“Hoje, 80% da população mundial
vive em áreas urbanas. Não se pode desafiar a natureza, pois não é em qualquer
lugar que se pode construir”, comenta Righes.

Entre prédios e construções, não
há mais espaço para a vegetação. Além das catástrofes ambientais, está a
formação de ilhas de calor (aumento da temperatura), a redução da qualidade do
ar e a redução das áreas verdes nas cidades que impede a absorção de CO2.

Desmatamento e queimadas

O engenheiro ambiental mostrou
dados sobre desmatamento no Brasil. Em 1940, no Rio Grande do Sul, havia
florestas em 40% do território do estado. No ano de 1980, o número reduziu para
apenas 5%. A partir de reflorestamentos, ao longo das últimas três décadas, hoje,
17% do território do estado é coberto de vegetação.

As causas dos desmatamentos se
apresentam nas ocupações urbanas, atividade madeireira, agricultura e pecuária.
Os efeitos dos desmatamentos e queimadas são a poluição atmosférica, o aumento
do efeito estufa, o assoreamento dos rios e um alto índice de doenças
respiratórias desenvolvidas pela população.

Alternativas para diminuir os
impactos ambientais em zonas urbanas foram apresentadas pelo engenheiro
ambiental. Entre elas, a pavimentação permeável, a coleta de chuvas a partir de
cisternas e campanhas de educação ambiental, entre outras.

“Precisamos resolver os problemas
ambientais com desenvolvimento de projetos e não só fazer pesquisas para encher
currículos”, comenta o professor quando se refere à ciência e à tecnologia como
solução para amenizar os impactos ambientais.

sepe2010_publico_halisson.jpgO evento ocorreu nessa última
sexta-feira, 12 de novembro, no Salão de Atos do Conjunto I do Centro
Universitário Franciscano.

 

Fotos: Hálisson Barcelos (Laboratório de Fotografia e Memória)

 

 

 

 

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

sepe2010_afranio_halisson.jpg“O homem está alterando o
delicado equilíbrio que mantém a vida na Terra”, enfatizou o professor e
engenheiro ambiental Afrânio Almir Righes, durante a conferência de
encerramento do SEPE 2010.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

A palestra abordou os efeitos das
atividades humanas na Biosfera. Foram destacadas as causas dos impactos ambientais
no Planeta. O engenheiro mostrou dados sobre desmatamento, redução da
infiltração de água e solo, secas e enchentes, erosão hídrica do solo e a poluição
do ar.

O sistema solo-água-atmosfera faz
parte da Biosfera, que é a porção da Terra onde a vida se faz presente. Essa
pequena camada como espaço de vida do planeta, pode ser considerada uma folha
de papel, se comparada ao diâmetro da Terra. Segundo o professor, o consumo
energético do Planeta é cada vez maior. Em 2030, será necessário aumentar a
produção alimentar em 60%. A população mundial chegará a 8,5 bilhões de
pessoas. Portanto, é preciso se pensar em sustentabilidade ambiental e
econômica para evitar a degradação ambiental.

Impactos Ambientais

O crescimento desordenado das
grandes cidades faz com que as pessoas construam casas em lugares indevidos.
Segundo o professor, quando se constroem casas e estradas nas encostas, em ângulos
maiores que 45 graus, há desmoronamento. Devido à ocupação não planejada em pés
de morros e montanhas, acontecem tragédias como mortes por desabamento e
soterramento de casas. Um exemplo disso, o deslizamento de terra em Angra dos
Reis, em janeiro deste ano.

“Hoje, 80% da população mundial
vive em áreas urbanas. Não se pode desafiar a natureza, pois não é em qualquer
lugar que se pode construir”, comenta Righes.

Entre prédios e construções, não
há mais espaço para a vegetação. Além das catástrofes ambientais, está a
formação de ilhas de calor (aumento da temperatura), a redução da qualidade do
ar e a redução das áreas verdes nas cidades que impede a absorção de CO2.

Desmatamento e queimadas

O engenheiro ambiental mostrou
dados sobre desmatamento no Brasil. Em 1940, no Rio Grande do Sul, havia
florestas em 40% do território do estado. No ano de 1980, o número reduziu para
apenas 5%. A partir de reflorestamentos, ao longo das últimas três décadas, hoje,
17% do território do estado é coberto de vegetação.

As causas dos desmatamentos se
apresentam nas ocupações urbanas, atividade madeireira, agricultura e pecuária.
Os efeitos dos desmatamentos e queimadas são a poluição atmosférica, o aumento
do efeito estufa, o assoreamento dos rios e um alto índice de doenças
respiratórias desenvolvidas pela população.

Alternativas para diminuir os
impactos ambientais em zonas urbanas foram apresentadas pelo engenheiro
ambiental. Entre elas, a pavimentação permeável, a coleta de chuvas a partir de
cisternas e campanhas de educação ambiental, entre outras.

“Precisamos resolver os problemas
ambientais com desenvolvimento de projetos e não só fazer pesquisas para encher
currículos”, comenta o professor quando se refere à ciência e à tecnologia como
solução para amenizar os impactos ambientais.

sepe2010_publico_halisson.jpgO evento ocorreu nessa última
sexta-feira, 12 de novembro, no Salão de Atos do Conjunto I do Centro
Universitário Franciscano.

 

Fotos: Hálisson Barcelos (Laboratório de Fotografia e Memória)