Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

São Paulo vence Campeonato Brasileiro Sub 17 de Basquete

Sábado, 27 de novembro de 2010, dia decisivo para o
Campeonato Brasileiro Sub 17 de Basquete. Os jogos, que começavam pela manhã,
iriam decidir a classificação geral e, enfim, o grande vencedor.

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


st1:*{behavior:url(#ieooui) }

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

Pela disputa do 7º e 8º lugar estavam Paraná X
Pará, primeiro jogo do dia.  O PR havia ficado em terceiro no grupo B, o
PA em quarto. O
jogo não pode ser considerado um dos mais emocionantes, apesar da intensa
disputa durante todo o jogo. Com parciais de 10/10, 26/32, 45/51 e fechando em
67 X 66, os paranaenses conseguiram a vitória, e assim como na fase de grupos,
ficaram à frente dos paraenses. Pará 8º colocado e Paraná, o 7º.  A.Luiz foi o cestinha do Paraná, com 20
pontos e F.Silva, foi o cestinha do Pará com 32 pontos, quase a metade da
pontuação da sua equipe.

Mais
tarde era a vez de Ceará e Minas Gerais se enfrentarem pela disputa do
5º e do 6º lugar. Nesse jogo, mesma situação: Minas
em terceiro no grupo A e os cearenses logo atrás. E no final das contas, foi o
mesmo resultado, mas com placar diferente. Com parciais de 10/14, 22/25, 38/35
e finalizando em 49 X 53, os mineiros venceram os cearenses e conquistaram o
quinto lugar.

Segundo o técnico mineiro Jefferson Teixeira, “a
gente com certeza poderia estar também fazendo uma final, tanto que foi muito
difícil a gente conseguir jogar ontem e hoje. Os meninos estavam muito
chateados, porque nós viemos aqui para poder estar entre os quatro e isso não
aconteceu. Foi muito difícil jogar ontem e hoje. E faço também a avaliação
do time do Ceará, a única equipe que jogou de igual para igual com todo mundo,
que teve chance de ganhar todos os jogos”.
O Ceará havia perdido por apenas um ponto para o São Paulo em rodadas
anteriores.

O técnico cearense Dannyel Russo afirma: “a nossa
equipe cumpriu a missão. Permanecemos na divisão especial, tivemos oportunidade
de fazer final, mas basquetebol é jogo de detalhes, ganha quem erra menos. Os
nossos garotos estão de parabéns, são realmente guerreiros.  Talvez uma
das menores equipes em termos de estatura. Eu só tenho a agradecer a turma e
fiquei muito contente pelo o que eles desempenharam nesse evento”.

Victor foi o cestinha do Ceará, com 18 pontos e
David, foi o cestinha do Minas, com 17 pontos.

Pela medalha de bronze, Rio de Janeiro X Santa
Catarina. Na fase de grupos, SC terminou invicto e logo atrás vinha a equipe
carioca pelo grupo B. Seria uma revanche? Para quem esperava a equipe
Catarinense motivada em quadra, não foi exatamente o que se observou. Enquanto SC
vinha abalada da derrota para o DF, o RJ vinha confiante vendo a possibilidade
da revanche. Com parciais de 19/16, 42/35, 63/42 e finalizando em 78 X 66, o
Rio de Janeiro conquistou o terceiro lugar no campeonato.

Segundo o técnico carioca, R.Magalhães, após a derrota para a equipe
de Santa Catarina ainda na primeira fase, a equipe estudou as jogadas, o que
pode ter favorecido a sua equipe. Já para o técnico catarinense, Kenyo Nunes
,
o fator psicológico pode ter influenciado seus atletas após a derrota para o
DF.

Os
cestinhas foram: Márcio, do Rio de Janeiro, com 25 pontos e Heitor, de Santa
Catarina com 16 pontos.

E a final? Seria outra revanche?  O São Paulo
chegava invicto a decisão e o Distrito Federal, chegava apenas com uma derrota,
justamente contra o SP, ainda na fase de grupos, o que o deixou em segundo
lugar na classificação. Com parciais de 25/19, 39/28, 71/72 e fechando em 91 X
59, o São Paulo sagrou-se Campeão do Campeonato Brasileiro Sub 17 Masculino.

O técnico do DF, R. Oliveira, sentia-se orgulhoso de sua
equipe, pois haviam levado 30 anos para chegar às finais. Pablo Costa, técnico
do São Paulo afirmou: “
A nossa equipe conseguiu ser superior no quesito
defesa”.

Gustavo foi o
cestinha Paulista, com 29 pontos e Breno, do Distrito Federal, fez 18 pontos.

Confira a classificação
final

 

Foto: Anderson Puiatti

 

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


st1:*{behavior:url(#ieooui) }

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sábado, 27 de novembro de 2010, dia decisivo para o
Campeonato Brasileiro Sub 17 de Basquete. Os jogos, que começavam pela manhã,
iriam decidir a classificação geral e, enfim, o grande vencedor.

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


st1:*{behavior:url(#ieooui) }

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

Pela disputa do 7º e 8º lugar estavam Paraná X
Pará, primeiro jogo do dia.  O PR havia ficado em terceiro no grupo B, o
PA em quarto. O
jogo não pode ser considerado um dos mais emocionantes, apesar da intensa
disputa durante todo o jogo. Com parciais de 10/10, 26/32, 45/51 e fechando em
67 X 66, os paranaenses conseguiram a vitória, e assim como na fase de grupos,
ficaram à frente dos paraenses. Pará 8º colocado e Paraná, o 7º.  A.Luiz foi o cestinha do Paraná, com 20
pontos e F.Silva, foi o cestinha do Pará com 32 pontos, quase a metade da
pontuação da sua equipe.

Mais
tarde era a vez de Ceará e Minas Gerais se enfrentarem pela disputa do
5º e do 6º lugar. Nesse jogo, mesma situação: Minas
em terceiro no grupo A e os cearenses logo atrás. E no final das contas, foi o
mesmo resultado, mas com placar diferente. Com parciais de 10/14, 22/25, 38/35
e finalizando em 49 X 53, os mineiros venceram os cearenses e conquistaram o
quinto lugar.

Segundo o técnico mineiro Jefferson Teixeira, “a
gente com certeza poderia estar também fazendo uma final, tanto que foi muito
difícil a gente conseguir jogar ontem e hoje. Os meninos estavam muito
chateados, porque nós viemos aqui para poder estar entre os quatro e isso não
aconteceu. Foi muito difícil jogar ontem e hoje. E faço também a avaliação
do time do Ceará, a única equipe que jogou de igual para igual com todo mundo,
que teve chance de ganhar todos os jogos”.
O Ceará havia perdido por apenas um ponto para o São Paulo em rodadas
anteriores.

O técnico cearense Dannyel Russo afirma: “a nossa
equipe cumpriu a missão. Permanecemos na divisão especial, tivemos oportunidade
de fazer final, mas basquetebol é jogo de detalhes, ganha quem erra menos. Os
nossos garotos estão de parabéns, são realmente guerreiros.  Talvez uma
das menores equipes em termos de estatura. Eu só tenho a agradecer a turma e
fiquei muito contente pelo o que eles desempenharam nesse evento”.

Victor foi o cestinha do Ceará, com 18 pontos e
David, foi o cestinha do Minas, com 17 pontos.

Pela medalha de bronze, Rio de Janeiro X Santa
Catarina. Na fase de grupos, SC terminou invicto e logo atrás vinha a equipe
carioca pelo grupo B. Seria uma revanche? Para quem esperava a equipe
Catarinense motivada em quadra, não foi exatamente o que se observou. Enquanto SC
vinha abalada da derrota para o DF, o RJ vinha confiante vendo a possibilidade
da revanche. Com parciais de 19/16, 42/35, 63/42 e finalizando em 78 X 66, o
Rio de Janeiro conquistou o terceiro lugar no campeonato.

Segundo o técnico carioca, R.Magalhães, após a derrota para a equipe
de Santa Catarina ainda na primeira fase, a equipe estudou as jogadas, o que
pode ter favorecido a sua equipe. Já para o técnico catarinense, Kenyo Nunes
,
o fator psicológico pode ter influenciado seus atletas após a derrota para o
DF.

Os
cestinhas foram: Márcio, do Rio de Janeiro, com 25 pontos e Heitor, de Santa
Catarina com 16 pontos.

E a final? Seria outra revanche?  O São Paulo
chegava invicto a decisão e o Distrito Federal, chegava apenas com uma derrota,
justamente contra o SP, ainda na fase de grupos, o que o deixou em segundo
lugar na classificação. Com parciais de 25/19, 39/28, 71/72 e fechando em 91 X
59, o São Paulo sagrou-se Campeão do Campeonato Brasileiro Sub 17 Masculino.

O técnico do DF, R. Oliveira, sentia-se orgulhoso de sua
equipe, pois haviam levado 30 anos para chegar às finais. Pablo Costa, técnico
do São Paulo afirmou: “
A nossa equipe conseguiu ser superior no quesito
defesa”.

Gustavo foi o
cestinha Paulista, com 29 pontos e Breno, do Distrito Federal, fez 18 pontos.

Confira a classificação
final

 

Foto: Anderson Puiatti

 

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


st1:*{behavior:url(#ieooui) }

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}