Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Desenvolvimento da agricultura familiar na Feisma

Cultivar a terra é um hábito antigo
na sociedade sul-rio-grandense. Meio de subsistência familiar, o trabalho do
campo e o artesanato chegam à Feisma. O anexo Agricultura Famíliar reúne
municípios vizinhos de Santa Maria junto do Pavilhão Guarani.
feisma2011_agricultura.jpgOs produtos coloniais Piotrowski
vieram de Guarani das Missões para apresentar os derivados da cana-de-açúcar.
Há cinco anos no ramo, o agricultor Cesar Piotrowski, 32 anos, trabalha no
cultivo da cana e na produção de seus derivados. Piotrowski partiu do consumo para
a venda através do incentivo da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag).
Conhecimento passado de geração, Piotrowski divide o serviço com a esposa e
outros familiares, mas confessa que “o cozimento da cana é do pai”.

Os fios que entrelaçam pela
cidade de São Gabriel chegam à Feisma através da Associação de Agricultores,
Familiares e Artesões (Afart). Cleci Umpierre é uma das artesãs que expõe com
orgulho a produção. O trabalho das mães, como se refere Cleci, é feito pelas
esposas dos agricultores. Através da Afart, além de confeccionar, o grupo
também repassa o aprendizado adquirido proporcionando cursos nas escolas da
localidade.

Produzida anualmente, a safra de
porongos garante o trabalho da Cuias Brondani. Da cidade de Frederico
Westphalen, o artesão e agricultor Roberto Brondani explica que o trabalho é
feito de forma artesanal, passa pela colheita, limpeza, lixamento, talha e para
finalizar os detalhes passam pelo processo de queima.

Representante da cultura gaúcha,
Gabriela Sarturi Rigão, 16 anos, que é 1ª Prenda Juvenil da 13ª Região
Tradicionalista, comenta o espaço da Agricultura Familiar: “eu me identifico
bastante, pois desde pequena eu costumo ir para o campo e ter convívio com a
agricultura, então aqui eu estou recordando um pouco da família”. Segundo
Gabriela, a Feisma 2011 está valorizando além do município, a família e as
origens gaúchas.

 

Fotos: Carlos Coletto (acadêmico de Jornalismo / Laboratório de Fotografia e Memória – Unifra)

 

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultivar a terra é um hábito antigo
na sociedade sul-rio-grandense. Meio de subsistência familiar, o trabalho do
campo e o artesanato chegam à Feisma. O anexo Agricultura Famíliar reúne
municípios vizinhos de Santa Maria junto do Pavilhão Guarani.
feisma2011_agricultura.jpgOs produtos coloniais Piotrowski
vieram de Guarani das Missões para apresentar os derivados da cana-de-açúcar.
Há cinco anos no ramo, o agricultor Cesar Piotrowski, 32 anos, trabalha no
cultivo da cana e na produção de seus derivados. Piotrowski partiu do consumo para
a venda através do incentivo da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag).
Conhecimento passado de geração, Piotrowski divide o serviço com a esposa e
outros familiares, mas confessa que “o cozimento da cana é do pai”.

Os fios que entrelaçam pela
cidade de São Gabriel chegam à Feisma através da Associação de Agricultores,
Familiares e Artesões (Afart). Cleci Umpierre é uma das artesãs que expõe com
orgulho a produção. O trabalho das mães, como se refere Cleci, é feito pelas
esposas dos agricultores. Através da Afart, além de confeccionar, o grupo
também repassa o aprendizado adquirido proporcionando cursos nas escolas da
localidade.

Produzida anualmente, a safra de
porongos garante o trabalho da Cuias Brondani. Da cidade de Frederico
Westphalen, o artesão e agricultor Roberto Brondani explica que o trabalho é
feito de forma artesanal, passa pela colheita, limpeza, lixamento, talha e para
finalizar os detalhes passam pelo processo de queima.

Representante da cultura gaúcha,
Gabriela Sarturi Rigão, 16 anos, que é 1ª Prenda Juvenil da 13ª Região
Tradicionalista, comenta o espaço da Agricultura Familiar: “eu me identifico
bastante, pois desde pequena eu costumo ir para o campo e ter convívio com a
agricultura, então aqui eu estou recordando um pouco da família”. Segundo
Gabriela, a Feisma 2011 está valorizando além do município, a família e as
origens gaúchas.

 

Fotos: Carlos Coletto (acadêmico de Jornalismo / Laboratório de Fotografia e Memória – Unifra)