Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Instabilidade na temperatura marca o inverno de 2011

 inverno_santa_maria2_romulo.jpg

Apesar dos dias de frio intenso, o inverno de 2011 não tem sido dos mais rigorosos no sul. Temperaturas instáveis estão sendo comuns. Dias de muito frio e,  logo após, vem o calorzinho fora de hora. Isso proporciona dificuldade de escolher roupas adequadas e os episódios infecciosos das vias respiratórias. 

O que será que está acontecendo? É culpa do aquecimento global? Não, isso não é culpa de nada. Está tudo normal!

A situação de ventos fortes, calor e queda de temperatura é normal na climatologia da região centro-sul, mais propriamente Santa temperaturas_prof_valente_geografia_karine.jpgMaria – coração do Rio Grande. Enquanto a massa polar fria está se formando no pólo leste da Patagônia (uma área de alta pressão), o ar quente que deriva do quarto quadrante – Amazônia ou depressão do Chaco (Mato Grosso do sul e Bolívia) se instala todo aqui, principalmente pelo relevo do entorno, e dura aproximadamente de dois a três dias, quando se estende.

 

À medida que a massa polar vai se aproximando, podem ocorrer chuvas intensas, granizos, temporais e raios. Normalmente, o inverno intenso está relacionado ao fenômeno El niña.“O aquecimento global reflete no desequilíbrio das temperaturas, mas o que define o frio é a massa polar intensa", ressalta o coordenador do curso de geografia da Unifra, Valdemar Valente.

 

temperaturas_elizabeti_karine.jpgExistem pessoas que tem a preferência pelo frio, e que nada modifica no seu cotidiano, como é o caso da funcionária pública Elizabeth Braga, 57, diz: “Gosto mais do frio, me sinto melhor. Não tenho problema nenhum de saúde, só não gosto muito quando esquenta demais e logo em seguida esfria.”

 

temperaturas_porteiro_karine.jpgMas isso não é muito comum na população santa-mariense, onde existem pessoas que trabalham ao tempo e sentem o reflexo dessas trocas de temperatura, acarretando em dores musculares e ainda as tão conhecidas doenças das vias respiratórias, como asma, rinite alérgica, resfriado e gripe. É o caso do porteiro José da Silva, 49, que diz: “adoeço e tenho muita dor muscular nessas mudanças de temperatura, mas o pior é a rinite e a sinusite, que me atacam com freqüência. Na hora do trabalho fico mais embaixo das marquises para me proteger.”

 

O ar frio é um grande irritante das vias aéreas. É no inverno também que as pessoas ficam mais próximas e isso facilita a disseminação das doenças. É preciso evitar a automedicação, fazer higiene corporal e se agasalhar de acordo com a necessidade.E quem é mais suscetível a essas enfermidades são os grupos com menor taxa  imunidade como crianças e idosos, com mais facilidade para complicações maiores como, por exemplo, a pneumonia.

Para fazer o tratamento adequado é importante acompanhamento médico. Em alguns casos como as patologias alérgicas o tratamento é trimestral. Já no caso da gripe a melhor maneira de prevenir é fazendo a vacina.“A vacina da gripe é montada como os últimos três vírus mais freqüentes, por isso a importância da vacinação anual”, explica o médico pneumologista, Julio Cezar Sarturi.

Para esclarecimentos sobre doenças, acesse o site http://www.pacientes.com.br/, ou procure um médico especialista.

Previsão do tempo acesse o site http://www.metsul.com/secoes/?cod_subsecao=51 .

 

Fotos: Rômulo D’Avila (ACS), Karine Ludwig e Ana Carolina Grützmann da Silva (Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

 inverno_santa_maria2_romulo.jpg

Apesar dos dias de frio intenso, o inverno de 2011 não tem sido dos mais rigorosos no sul. Temperaturas instáveis estão sendo comuns. Dias de muito frio e,  logo após, vem o calorzinho fora de hora. Isso proporciona dificuldade de escolher roupas adequadas e os episódios infecciosos das vias respiratórias. 

O que será que está acontecendo? É culpa do aquecimento global? Não, isso não é culpa de nada. Está tudo normal!

A situação de ventos fortes, calor e queda de temperatura é normal na climatologia da região centro-sul, mais propriamente Santa temperaturas_prof_valente_geografia_karine.jpgMaria – coração do Rio Grande. Enquanto a massa polar fria está se formando no pólo leste da Patagônia (uma área de alta pressão), o ar quente que deriva do quarto quadrante – Amazônia ou depressão do Chaco (Mato Grosso do sul e Bolívia) se instala todo aqui, principalmente pelo relevo do entorno, e dura aproximadamente de dois a três dias, quando se estende.

 

À medida que a massa polar vai se aproximando, podem ocorrer chuvas intensas, granizos, temporais e raios. Normalmente, o inverno intenso está relacionado ao fenômeno El niña.“O aquecimento global reflete no desequilíbrio das temperaturas, mas o que define o frio é a massa polar intensa", ressalta o coordenador do curso de geografia da Unifra, Valdemar Valente.

 

temperaturas_elizabeti_karine.jpgExistem pessoas que tem a preferência pelo frio, e que nada modifica no seu cotidiano, como é o caso da funcionária pública Elizabeth Braga, 57, diz: “Gosto mais do frio, me sinto melhor. Não tenho problema nenhum de saúde, só não gosto muito quando esquenta demais e logo em seguida esfria.”

 

temperaturas_porteiro_karine.jpgMas isso não é muito comum na população santa-mariense, onde existem pessoas que trabalham ao tempo e sentem o reflexo dessas trocas de temperatura, acarretando em dores musculares e ainda as tão conhecidas doenças das vias respiratórias, como asma, rinite alérgica, resfriado e gripe. É o caso do porteiro José da Silva, 49, que diz: “adoeço e tenho muita dor muscular nessas mudanças de temperatura, mas o pior é a rinite e a sinusite, que me atacam com freqüência. Na hora do trabalho fico mais embaixo das marquises para me proteger.”

 

O ar frio é um grande irritante das vias aéreas. É no inverno também que as pessoas ficam mais próximas e isso facilita a disseminação das doenças. É preciso evitar a automedicação, fazer higiene corporal e se agasalhar de acordo com a necessidade.E quem é mais suscetível a essas enfermidades são os grupos com menor taxa  imunidade como crianças e idosos, com mais facilidade para complicações maiores como, por exemplo, a pneumonia.

Para fazer o tratamento adequado é importante acompanhamento médico. Em alguns casos como as patologias alérgicas o tratamento é trimestral. Já no caso da gripe a melhor maneira de prevenir é fazendo a vacina.“A vacina da gripe é montada como os últimos três vírus mais freqüentes, por isso a importância da vacinação anual”, explica o médico pneumologista, Julio Cezar Sarturi.

Para esclarecimentos sobre doenças, acesse o site http://www.pacientes.com.br/, ou procure um médico especialista.

Previsão do tempo acesse o site http://www.metsul.com/secoes/?cod_subsecao=51 .

 

Fotos: Rômulo D’Avila (ACS), Karine Ludwig e Ana Carolina Grützmann da Silva (Laboratório de Fotografia e Memória)