Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Multiplicar educação para o trânsito é essencial

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Circulam
em Santa Maria em média 135 mil carros – 116 mil carros emplacados dos quais 32
mil são motos, mais 25 a 30 mil carros da região. A cidade tem cerca de 262 mil
habitantes e a estrutura das ruas não foi adaptada para comportar esse grande
fluxo de veículos. No primeiro semestre deste ano, após as mudanças para
desafogar o fluxo nas ruas, houve uma redução de 50% nas mortes por acidentes
no município. Foram realizadas mais de cento e vinte mudanças no trânsito, com
um decréscimo de 40% nos atropelamentos.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

As informaçõs são do secretário de controle e mobilidade urbana do município, Marcelo Bisogno. Neste contexto, a
cidade sediou, pela primeira vez, o curso de Multiplicadores em Educação para o
Trânsito.

educ_transito_mariza_alice.jpgO
curso foi uma iniciativa do Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do
Sul (Detran-RS). E faz parte do Programa de Segurança e Educação para o Trânsito,
Educa Trânsito, que visa habilitar pessoas ligadas a instituições que realizam
trabalhos com crianças nesta área. “O curso é focado no ensino fundamental. A
ideia é que a educação para o trânsito comece a ser trabalhada nas escolas
desde a educação infantil e ensino fundamental, não como matéria separada e sim
como temática dentro de qualquer nível. São trabalhados valores de
socialização, isso é uma coisa que faz falta no nosso trânsito. Assim preparamos
as crianças para o futuro”, afirma a coordenadora da Escola Pública de Trânsito,
Mariza dos Reis Martins.

 
 

educ_transito_lelia_alice.jpgSegundo
a coordenadora do programa Educa Trânsito, Lelia Toffoli, o projeto envolve as
redes de ensino e é composto pela secretaria do município de educação (Smed) e
outros parceiros, como universidades, escolas particulares, estaduais, que
compõem o Educa Trânsito. “Nós trabalhamos com a capacitação do corpo docente
na parte do Código de Trânsito Brasileiro, Lei 9.503, que possibilita que eles
trabalhem a temática dentro de suas áreas de ensino”, explica. Ela complementa
que é trabalhada com as crianças a noção de valores, que envolve respeito, solidariedade,
tolerância e prudência. Isso possibilita que os professores realizem diversas
ações e o material confeccionado é distribuído pelos alunos em blitzes. “Os
pais também recebem instruções sobre conduta no trânsito para complementar o
processo criativo”, complementa Lelia.

 

Fotos Alice Bolick ( Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Circulam
em Santa Maria em média 135 mil carros – 116 mil carros emplacados dos quais 32
mil são motos, mais 25 a 30 mil carros da região. A cidade tem cerca de 262 mil
habitantes e a estrutura das ruas não foi adaptada para comportar esse grande
fluxo de veículos. No primeiro semestre deste ano, após as mudanças para
desafogar o fluxo nas ruas, houve uma redução de 50% nas mortes por acidentes
no município. Foram realizadas mais de cento e vinte mudanças no trânsito, com
um decréscimo de 40% nos atropelamentos.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

As informaçõs são do secretário de controle e mobilidade urbana do município, Marcelo Bisogno. Neste contexto, a
cidade sediou, pela primeira vez, o curso de Multiplicadores em Educação para o
Trânsito.

educ_transito_mariza_alice.jpgO
curso foi uma iniciativa do Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do
Sul (Detran-RS). E faz parte do Programa de Segurança e Educação para o Trânsito,
Educa Trânsito, que visa habilitar pessoas ligadas a instituições que realizam
trabalhos com crianças nesta área. “O curso é focado no ensino fundamental. A
ideia é que a educação para o trânsito comece a ser trabalhada nas escolas
desde a educação infantil e ensino fundamental, não como matéria separada e sim
como temática dentro de qualquer nível. São trabalhados valores de
socialização, isso é uma coisa que faz falta no nosso trânsito. Assim preparamos
as crianças para o futuro”, afirma a coordenadora da Escola Pública de Trânsito,
Mariza dos Reis Martins.

 
 

educ_transito_lelia_alice.jpgSegundo
a coordenadora do programa Educa Trânsito, Lelia Toffoli, o projeto envolve as
redes de ensino e é composto pela secretaria do município de educação (Smed) e
outros parceiros, como universidades, escolas particulares, estaduais, que
compõem o Educa Trânsito. “Nós trabalhamos com a capacitação do corpo docente
na parte do Código de Trânsito Brasileiro, Lei 9.503, que possibilita que eles
trabalhem a temática dentro de suas áreas de ensino”, explica. Ela complementa
que é trabalhada com as crianças a noção de valores, que envolve respeito, solidariedade,
tolerância e prudência. Isso possibilita que os professores realizem diversas
ações e o material confeccionado é distribuído pelos alunos em blitzes. “Os
pais também recebem instruções sobre conduta no trânsito para complementar o
processo criativo”, complementa Lelia.

 

Fotos Alice Bolick ( Laboratório de Fotografia e Memória)