Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Pesquisa científica no Jornalismo em debate na Unifra

jorn_pesq_jorn_marcia_marciele.jpg“Para mim a pesquisa é um ofício, algo que me desafia diariamente”.  Essas foram as palavras da professora e pesquisadora Márcia Franz Amaral, na noite da V Jornada Científica do Jornalismo. O evento ocorreu no Centro Universitário Franciscano, segunda-feira, dia 20.

 

Durante toda a tarde da última segunda-feira, acadêmicos do curso de Jornalismo puderam apresentar seus projetos de pesquisa elaborados na disciplina de TFG I (Trabalho Final de Graduação). Logo após as mesas temáticas, foi realizada uma palestra sobre pesquisas científicas no âmbito do Jornalismo. Os convidados foram os professores e pesquisadores da Comunicação Márcia Franz Amaral e Antônio Fausto Neto.

Segundo professora e pesquisadora Márcia Amaral, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), as principais temáticas desenvolvidas em pesquisas estão relacionadas à História do Jornalismo, Teorias do Jornalismo, Análise do Discurso, Produção da Notícia, Estudos de Recepção e Jornalismo Especializado.

Para a professora, os maiores desafios no campo da produção científica são o reconhecimento da prática profissional como objeto legítimo de pesquisa e de metodologias adequadas. No país existem em torno de 38 programas de Pós-graduações, entre cursos de Mestrado e Doutorado, destinados à Comunicação e ao Jornalismo.

“Pesquisa é obsessão”, enfatiza Márcia Amaral, ao dizer que a motivação para pesquisar ocorre quando há vontade de conhecer as estruturas do objeto e com a finalidade de auxiliar na reflexão da prática jornalística. Depois de contar sua trajetória acadêmica, duas dicas dadas pela professora – que se diz apaixonada pelo ofício da pesquisa – foi sobre o exercício do sumário durante a elaboração do projeto do TFG.

“É importante que o aluno pense, a cada objetivo específico, o seu passo metodológico”, explica Márcia. Entre muitas pesquisas e trabalhos já publicados, Márcia Amaral, tem sua recente publicação “O Jornalismo Popular no Brasil”, pela editora Contexto.

O mediador do debate foi o professor e pesquisador Antônio Fausto Neto, que trouxe suas contribuições sobre os passos metodológicos que devem ser utilizados nos trabalhos finais de curso. Para Fausto Neto, é importante que o aluno tome iniciativa e demonstre aos professores o interesse de pesquisar, buscando a iniciação científica.

Mesas temáticas

Após a exposição dos professores, os acadêmicos do último semestre puderam apresentar seus trabalhos finais de graduação divididos em três mesas temáticas: “Internet, redes sociais e novos sentidos nas mídias”, “Jornalismo Especializado” e “Telejornalismo e Cinema”.

Na mesa temática “Internet, redes sóciais e novos sentidos nas mídias”, a acadêmica Carolina Moro apresentou seu estudo sobre “Os usos dos Sites de redes sociais para divulgação de bandas independentes: um estudo de caso da banda Rinoceronte”. Segundo Carolina, o trabalho foi baseando em uma etnografia virtual. Sob a orientação da professora e pesquisadora Liliane Brignol, a acadêmica pode mapear e compreender a utilização de comunidades de laços fracos como Twitter, Orkut e Facebook e as comunidades de laços fortes como os weblogs, pela banda de rock de Santa Maria.

Outros trabalhos apresentados sobre Internet foram “A produção de sentidos em fotografias jornalísticas do site O Globo durante a pré-campanha eleitoral de Dilma Rousseff à presidência da Brasil”, pelo acadêmico Henrison Dressler; "Mulheres Convertidas: a participação das leitoras nas páginas impressas e online da revista Nova – Cosmopolitan," pela acadêmica Daiane dos Santos Costa; “Jornalistas no twitter: Estudo sobre o perfil do novo jornalista no microblog” , pelo acadêmico Luis Otávio Prates.

 

Fotos: Luiz Vencato Júnior (Laboratório de Fotografia e Memória)

 

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

jorn_pesq_jorn_marcia_marciele.jpg“Para mim a pesquisa é um ofício, algo que me desafia diariamente”.  Essas foram as palavras da professora e pesquisadora Márcia Franz Amaral, na noite da V Jornada Científica do Jornalismo. O evento ocorreu no Centro Universitário Franciscano, segunda-feira, dia 20.

 

Durante toda a tarde da última segunda-feira, acadêmicos do curso de Jornalismo puderam apresentar seus projetos de pesquisa elaborados na disciplina de TFG I (Trabalho Final de Graduação). Logo após as mesas temáticas, foi realizada uma palestra sobre pesquisas científicas no âmbito do Jornalismo. Os convidados foram os professores e pesquisadores da Comunicação Márcia Franz Amaral e Antônio Fausto Neto.

Segundo professora e pesquisadora Márcia Amaral, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), as principais temáticas desenvolvidas em pesquisas estão relacionadas à História do Jornalismo, Teorias do Jornalismo, Análise do Discurso, Produção da Notícia, Estudos de Recepção e Jornalismo Especializado.

Para a professora, os maiores desafios no campo da produção científica são o reconhecimento da prática profissional como objeto legítimo de pesquisa e de metodologias adequadas. No país existem em torno de 38 programas de Pós-graduações, entre cursos de Mestrado e Doutorado, destinados à Comunicação e ao Jornalismo.

“Pesquisa é obsessão”, enfatiza Márcia Amaral, ao dizer que a motivação para pesquisar ocorre quando há vontade de conhecer as estruturas do objeto e com a finalidade de auxiliar na reflexão da prática jornalística. Depois de contar sua trajetória acadêmica, duas dicas dadas pela professora – que se diz apaixonada pelo ofício da pesquisa – foi sobre o exercício do sumário durante a elaboração do projeto do TFG.

“É importante que o aluno pense, a cada objetivo específico, o seu passo metodológico”, explica Márcia. Entre muitas pesquisas e trabalhos já publicados, Márcia Amaral, tem sua recente publicação “O Jornalismo Popular no Brasil”, pela editora Contexto.

O mediador do debate foi o professor e pesquisador Antônio Fausto Neto, que trouxe suas contribuições sobre os passos metodológicos que devem ser utilizados nos trabalhos finais de curso. Para Fausto Neto, é importante que o aluno tome iniciativa e demonstre aos professores o interesse de pesquisar, buscando a iniciação científica.

Mesas temáticas

Após a exposição dos professores, os acadêmicos do último semestre puderam apresentar seus trabalhos finais de graduação divididos em três mesas temáticas: “Internet, redes sociais e novos sentidos nas mídias”, “Jornalismo Especializado” e “Telejornalismo e Cinema”.

Na mesa temática “Internet, redes sóciais e novos sentidos nas mídias”, a acadêmica Carolina Moro apresentou seu estudo sobre “Os usos dos Sites de redes sociais para divulgação de bandas independentes: um estudo de caso da banda Rinoceronte”. Segundo Carolina, o trabalho foi baseando em uma etnografia virtual. Sob a orientação da professora e pesquisadora Liliane Brignol, a acadêmica pode mapear e compreender a utilização de comunidades de laços fracos como Twitter, Orkut e Facebook e as comunidades de laços fortes como os weblogs, pela banda de rock de Santa Maria.

Outros trabalhos apresentados sobre Internet foram “A produção de sentidos em fotografias jornalísticas do site O Globo durante a pré-campanha eleitoral de Dilma Rousseff à presidência da Brasil”, pelo acadêmico Henrison Dressler; "Mulheres Convertidas: a participação das leitoras nas páginas impressas e online da revista Nova – Cosmopolitan," pela acadêmica Daiane dos Santos Costa; “Jornalistas no twitter: Estudo sobre o perfil do novo jornalista no microblog” , pelo acadêmico Luis Otávio Prates.

 

Fotos: Luiz Vencato Júnior (Laboratório de Fotografia e Memória)