Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Um apaixonado pelo rádio

feira2011_mauroborba_alice.jpgMauro Borba é comunicador da Rádio Pop
Rock
e também um de seus idealizadores. O jornalista foi o convidado do Livro
Livre
de sexta-feira, 6 de maio, mediado pelo também radialista Fabiano
Oliveira. O apresentador dos programas Máquina do Cafezinho, Hora do Rush, Boys
Don’t Cry e Cafezinho contou histórias de sua trajetória. Algumas delas estão
registradas no livro “Prezados Ouvintes”, escrito por ele na década de 90.

1024×768

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

1024×768

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

Mauro Borba
afirmou que, como jornalista, sentiu vontade de escrever algo, pois nunca havia
trabalhado em veículos impressos. Desse anseio surgiu a ideia de lançar a obra.

 

Foi como operador de som da Rádio
Cachoeira que Mauro Borba iniciou sua carreira. Inspirado por seu pai, ele
passou a visitar a rádio e aprender vendo o trabalho dos outros profissionais. Aos
15 anos, recebeu a chance de trabalhar como operador de som. Mais tarde, ganhou
espaço para fazer um programa noticioso. O radialista conta que admirava muito
o noticiário da Guaíba, então, começou a gravá-lo e tê-lo como exemplo. O
noticiário ia bem até que, castigado por seu chefe, ele foi transferido para o
setor musical da emissora. Depois de colocar no ar uma notícia do partido
contrário ao governo, foi afastado e encaminhado para a discoteca da rádio.

Responsável pela programação musical
conheceu os Beatles, banda da qual é admirador até hoje. Na mesma época em que
começou a apresentar um programa musical, entrou para a faculdade. Em seu
livro, Mauro define o período com um trecho da canção “Pequeno Burguês”: “Felicidade, passei no
vestibular. Mas a faculdade
é particular”. Por esta razão, teve que sair da rádio e passou a trabalhar como
bancário para conseguir pagar os estudos e se manter na capital.

feira2011_mauroborba2_alice.jpgDepois de
alguns anos pôde voltar para o rádio. Ajudou a transformar a Felusp, rádio da
Ulbra em Canoas, na Pop Rock. A mudança de nome ajudou a melhorar a parte
comercial da emissora. Lá, Mauro Borba se orgulha em dizer que sempre deu
atenção a novas bandas e conta que foi o primeiro a tocar Engenheiros do Hawaii
na rádio.

Sobre os dias
de hoje, o comunicador afirma que os tempos mudaram. A internet e as
facilidades trazidas pelas novas tecnologias proporcionaram aos artistas mais
autonomia. Agora, segundo Mauro Borba, uma banda não precisa ficar esperando
uma rádio para fazer sucesso e cita como exemplos Fresno e Malu Magalhães, que
se tornaram conhecidos primeiro no mundo virtual, para só depois invadirem as
ondas do rádio.

Um dos fatos que o comunicador afirma
ser corriqueiro em sua carreira é a surpresa dos ouvintes quando o encontram
pessoalmente. O jornalista conta que cada um imagina e idealiza o dono da voz que
escuta através do rádio de maneira diferente. Para ele, esse aspecto faz parte
da “magia do rádio”.

Escritor, radialista, apresentador,
jornalista e apaixonado pelo que faz, o comunicador quer escrever seu segundo
livro para contar a história da Pop Rock. Mauro afirma que em “Prezados
Ouvintes” os primeiros anos da emissora estão retratados em meio à sua
história, mas agora, ele pretende dedicar uma obra à rádio da qual é
idealizador e sucesso de audiência como apresentador no programa Cafezinho.

 

Fotos: Alice Bollick (Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

feira2011_mauroborba_alice.jpgMauro Borba é comunicador da Rádio Pop
Rock
e também um de seus idealizadores. O jornalista foi o convidado do Livro
Livre
de sexta-feira, 6 de maio, mediado pelo também radialista Fabiano
Oliveira. O apresentador dos programas Máquina do Cafezinho, Hora do Rush, Boys
Don’t Cry e Cafezinho contou histórias de sua trajetória. Algumas delas estão
registradas no livro “Prezados Ouvintes”, escrito por ele na década de 90.

1024×768

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

1024×768

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

Mauro Borba
afirmou que, como jornalista, sentiu vontade de escrever algo, pois nunca havia
trabalhado em veículos impressos. Desse anseio surgiu a ideia de lançar a obra.

 

Foi como operador de som da Rádio
Cachoeira que Mauro Borba iniciou sua carreira. Inspirado por seu pai, ele
passou a visitar a rádio e aprender vendo o trabalho dos outros profissionais. Aos
15 anos, recebeu a chance de trabalhar como operador de som. Mais tarde, ganhou
espaço para fazer um programa noticioso. O radialista conta que admirava muito
o noticiário da Guaíba, então, começou a gravá-lo e tê-lo como exemplo. O
noticiário ia bem até que, castigado por seu chefe, ele foi transferido para o
setor musical da emissora. Depois de colocar no ar uma notícia do partido
contrário ao governo, foi afastado e encaminhado para a discoteca da rádio.

Responsável pela programação musical
conheceu os Beatles, banda da qual é admirador até hoje. Na mesma época em que
começou a apresentar um programa musical, entrou para a faculdade. Em seu
livro, Mauro define o período com um trecho da canção “Pequeno Burguês”: “Felicidade, passei no
vestibular. Mas a faculdade
é particular”. Por esta razão, teve que sair da rádio e passou a trabalhar como
bancário para conseguir pagar os estudos e se manter na capital.

feira2011_mauroborba2_alice.jpgDepois de
alguns anos pôde voltar para o rádio. Ajudou a transformar a Felusp, rádio da
Ulbra em Canoas, na Pop Rock. A mudança de nome ajudou a melhorar a parte
comercial da emissora. Lá, Mauro Borba se orgulha em dizer que sempre deu
atenção a novas bandas e conta que foi o primeiro a tocar Engenheiros do Hawaii
na rádio.

Sobre os dias
de hoje, o comunicador afirma que os tempos mudaram. A internet e as
facilidades trazidas pelas novas tecnologias proporcionaram aos artistas mais
autonomia. Agora, segundo Mauro Borba, uma banda não precisa ficar esperando
uma rádio para fazer sucesso e cita como exemplos Fresno e Malu Magalhães, que
se tornaram conhecidos primeiro no mundo virtual, para só depois invadirem as
ondas do rádio.

Um dos fatos que o comunicador afirma
ser corriqueiro em sua carreira é a surpresa dos ouvintes quando o encontram
pessoalmente. O jornalista conta que cada um imagina e idealiza o dono da voz que
escuta através do rádio de maneira diferente. Para ele, esse aspecto faz parte
da “magia do rádio”.

Escritor, radialista, apresentador,
jornalista e apaixonado pelo que faz, o comunicador quer escrever seu segundo
livro para contar a história da Pop Rock. Mauro afirma que em “Prezados
Ouvintes” os primeiros anos da emissora estão retratados em meio à sua
história, mas agora, ele pretende dedicar uma obra à rádio da qual é
idealizador e sucesso de audiência como apresentador no programa Cafezinho.

 

Fotos: Alice Bollick (Laboratório de Fotografia e Memória)