Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Bullying, uma prática que se torna complicada

A grande parte da população já ouviu falar no termo “bullying” que representa determinada prática de constrangimento entre pessoas. Geralmente tal ação, costuma ser mais praticada entre os jovens.

O complicado é quando esta humilhação ganha novas proporções, como a rede mundial de computadores, por exemplo. Hoje, por meio da internet, muita gente está sofrendo algum tipo de transtorno gerado por outra pessoa, ou até mesmo por algum grupo.

O aumento da prática do bullying tem sido a causa de muitos caso de depressão em crianças e adolescentes.

A definição para o bullying na internet é clara: “Quando a Internet, telefones celulares ou outros dispositivos são utilizados para enviar textos ou imagens com a intenção de ferir ou constranger outra pessoa”. É o chamado cyberbulling.

Por meio de narrações pode-se perceber claramente o envio de mensagens e imagens que visam constranger ou ferir. Assim, foi com Suzéli Machado, que era obesa, e atualmente está mais magra, por meio de redução de estômago. “Era horrível. Por meio do orkut eu sofria piadas vindas até mesmo de amigos. Me chamavam de gorda e, por vezes, minha auto-estima caía demais”, comentou a dona-de-casa.

O alcance da internet sendo usada entre as novas gerações, ajuda no crescimento do cyberbullying  pelo fato de que, no mundo dos computadores, os praticantes não precisam se mostrar.

“Esta prática só tende a aumentar a depressão que uma pessoa pode viver. Para combater, por mais difícil que seja, a melhor ação é ignorar. Porém, nem sempre isso é possível, e aí as pessoas-vítimas irão precisar de um acompanhamento psicológico”, disse a pedagoga Elisabete Becker, que é especialista em educação e comportamento.

Mas é bom os praticantes desta humilhação tomarem cuidado. De acordo com a advogada Marília Pereira, tudo está mudando. “Ações como o cyberbullying e até mesmo o bullying, podem e devem ter medidas judiciais”, revelou.

 Por Gabriel Haag , acadêmico do 6º semestre do curso de Jornalismo/Unifra.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

A grande parte da população já ouviu falar no termo “bullying” que representa determinada prática de constrangimento entre pessoas. Geralmente tal ação, costuma ser mais praticada entre os jovens.

O complicado é quando esta humilhação ganha novas proporções, como a rede mundial de computadores, por exemplo. Hoje, por meio da internet, muita gente está sofrendo algum tipo de transtorno gerado por outra pessoa, ou até mesmo por algum grupo.

O aumento da prática do bullying tem sido a causa de muitos caso de depressão em crianças e adolescentes.

A definição para o bullying na internet é clara: “Quando a Internet, telefones celulares ou outros dispositivos são utilizados para enviar textos ou imagens com a intenção de ferir ou constranger outra pessoa”. É o chamado cyberbulling.

Por meio de narrações pode-se perceber claramente o envio de mensagens e imagens que visam constranger ou ferir. Assim, foi com Suzéli Machado, que era obesa, e atualmente está mais magra, por meio de redução de estômago. “Era horrível. Por meio do orkut eu sofria piadas vindas até mesmo de amigos. Me chamavam de gorda e, por vezes, minha auto-estima caía demais”, comentou a dona-de-casa.

O alcance da internet sendo usada entre as novas gerações, ajuda no crescimento do cyberbullying  pelo fato de que, no mundo dos computadores, os praticantes não precisam se mostrar.

“Esta prática só tende a aumentar a depressão que uma pessoa pode viver. Para combater, por mais difícil que seja, a melhor ação é ignorar. Porém, nem sempre isso é possível, e aí as pessoas-vítimas irão precisar de um acompanhamento psicológico”, disse a pedagoga Elisabete Becker, que é especialista em educação e comportamento.

Mas é bom os praticantes desta humilhação tomarem cuidado. De acordo com a advogada Marília Pereira, tudo está mudando. “Ações como o cyberbullying e até mesmo o bullying, podem e devem ter medidas judiciais”, revelou.

 Por Gabriel Haag , acadêmico do 6º semestre do curso de Jornalismo/Unifra.