Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Facilidade no acesso aos candidatos com necessidades

Candidatos com necessidades especiais que prestam o vestibular recebem cuidados e assistência para realizar a prova. De acordo com o presidente  da Comissão de Seleção Ingresso Jovelino Pozzera, nesta edição foram quatro vestibulandos nessa situação, dois portadores de deficiência auditiva e visual e os outros com doenças infecto-contagiosas.

A única candidata surda-muda recebeu  auxílio de  intérprete da Língua Brasileira de Sinais (LIBRA) e o outro candidato com deficiência visual avançada, recebeu a mesma prova, com fonte ampliada.

As demais candidatas com doenças infecto-contagiosas realizaram a prova fora da Unifra. Uma teve a prova internada no Hospital de Caridade, aplicada por uma enfermeira da Instituição, Fiscal orientada; e a outra em depedências da  instituição fora do local  da prova para que não entrasse em contato com os outros calouros.

Segundo o Presidente da Cooperves, após o acompanhamento no Vestibular, é responsabilidade do aluno e da Instituição tomar providências para viabilizar a realização do curso desses candidatos com necessidades especiais.

Tiéle Abreu, Agência ACS

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Candidatos com necessidades especiais que prestam o vestibular recebem cuidados e assistência para realizar a prova. De acordo com o presidente  da Comissão de Seleção Ingresso Jovelino Pozzera, nesta edição foram quatro vestibulandos nessa situação, dois portadores de deficiência auditiva e visual e os outros com doenças infecto-contagiosas.

A única candidata surda-muda recebeu  auxílio de  intérprete da Língua Brasileira de Sinais (LIBRA) e o outro candidato com deficiência visual avançada, recebeu a mesma prova, com fonte ampliada.

As demais candidatas com doenças infecto-contagiosas realizaram a prova fora da Unifra. Uma teve a prova internada no Hospital de Caridade, aplicada por uma enfermeira da Instituição, Fiscal orientada; e a outra em depedências da  instituição fora do local  da prova para que não entrasse em contato com os outros calouros.

Segundo o Presidente da Cooperves, após o acompanhamento no Vestibular, é responsabilidade do aluno e da Instituição tomar providências para viabilizar a realização do curso desses candidatos com necessidades especiais.

Tiéle Abreu, Agência ACS