Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Assistir aos jogos da Copa do Mundo junto com o chefe pode?

10341683_620591848031693_6155651506032279259_n
Recepção colorida na Distribuidora de Medicamentos. Foto: Gabriela Iensen

Há menos de uma semana para a Abertura Oficial da Copa do Mundo, empresas de Santa Maria preparam-se para o primeiro jogo que ocorre na tarde da quinta-feira, um dia útil. Na AL Distribuidora de Medicamentos, diretores e funcionários já entraram no clima e estão caracterizando o local para assistirem aos jogos, todos reunidos, diferente de alguns estabelecimentos, onde cada um vai assistir a primeira competição em casa, sentado no seu sofá.

Adriana de Moura Paim, 40, Técnica de enfermagem, atualmente atua como secretária da distribuidora de remédios e vê a ideia de dividir o momento de “lazer” com o chefe como uma boa alternativa, já que determinados locais não podem parar sua produção. “Hospitais, por exemplo, não podem mandar seus pacientes embora, o mesmo acontece conosco que lidamos com medicamentos”.

Porém, grande parte dos estabelecimentos não vão estar abertos ao público, como os bancos, instituições públicas, escolas. A bancária Elizete Medianeira, 42, do Banco Banrisul, explica que as agências ficarão abertas para o público somente até as 12h30min, diferente dos demais dias sem jogos. A decisão foi tomada pelos superiores, mas não agrada a todos. Josiane Bittencourt Catelan, 21, auxiliar de Vendas, considera a ideia dos bancos um pouco egoísta, uma vez que algumas pessoas podem vir a precisar dos serviços da empresa.

10371743_620593674698177_5402195657598253601_n
Em ritmo de torcida para Brasil, o Depósito da AL Distribuidora foi decorado. Foto: Gabriela Iensen

Roque Iensen, 56, Diretor de Depósito, da AL Distribuidora, não critica as escolhas divergentes. “Cada Chefe com as suas manias”, pontua. Porém, o empresário acredita que seria interessante ao menos um revezamento entre os profissionais de cada estabelecimento: “É uma questão de coleguismo”, afirma Roque, que todos os anos de campeonato mundial age desta forma e assiste aos jogos junto com todos os funcionários sem parar a produção.

Por Gabriela Iensen

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

10341683_620591848031693_6155651506032279259_n
Recepção colorida na Distribuidora de Medicamentos. Foto: Gabriela Iensen

Há menos de uma semana para a Abertura Oficial da Copa do Mundo, empresas de Santa Maria preparam-se para o primeiro jogo que ocorre na tarde da quinta-feira, um dia útil. Na AL Distribuidora de Medicamentos, diretores e funcionários já entraram no clima e estão caracterizando o local para assistirem aos jogos, todos reunidos, diferente de alguns estabelecimentos, onde cada um vai assistir a primeira competição em casa, sentado no seu sofá.

Adriana de Moura Paim, 40, Técnica de enfermagem, atualmente atua como secretária da distribuidora de remédios e vê a ideia de dividir o momento de “lazer” com o chefe como uma boa alternativa, já que determinados locais não podem parar sua produção. “Hospitais, por exemplo, não podem mandar seus pacientes embora, o mesmo acontece conosco que lidamos com medicamentos”.

Porém, grande parte dos estabelecimentos não vão estar abertos ao público, como os bancos, instituições públicas, escolas. A bancária Elizete Medianeira, 42, do Banco Banrisul, explica que as agências ficarão abertas para o público somente até as 12h30min, diferente dos demais dias sem jogos. A decisão foi tomada pelos superiores, mas não agrada a todos. Josiane Bittencourt Catelan, 21, auxiliar de Vendas, considera a ideia dos bancos um pouco egoísta, uma vez que algumas pessoas podem vir a precisar dos serviços da empresa.

10371743_620593674698177_5402195657598253601_n
Em ritmo de torcida para Brasil, o Depósito da AL Distribuidora foi decorado. Foto: Gabriela Iensen

Roque Iensen, 56, Diretor de Depósito, da AL Distribuidora, não critica as escolhas divergentes. “Cada Chefe com as suas manias”, pontua. Porém, o empresário acredita que seria interessante ao menos um revezamento entre os profissionais de cada estabelecimento: “É uma questão de coleguismo”, afirma Roque, que todos os anos de campeonato mundial age desta forma e assiste aos jogos junto com todos os funcionários sem parar a produção.

Por Gabriela Iensen