Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Shopping só autoriza entrada de jovens na presença dos pais

 

Porteiros fiscalizam entrada do shopping. Foto: Helena Moura
Porteiros fiscalizam entrada do shopping.
Foto: Helena Moura

A política adotada há uma semana pelo Shopping Royal Plaza Shopping em Santa Maria, divide opiniões e tem sido polêmica tanto nas  ruas quanto nas redes sociais. Desde a última sexta-feira (09) , adolescentes da faixa etária entre 12 e 17 anos, só podem frequentar o shopping apresentando a  identidade e na presença dos pais.  Para garantir a fiscalização  da nova  política adotada, dois seguranças ficam a postos nas entrada do shopping para supervisionar a circulação de qualquer adolescente.

Taís Machado , 31 anos, gerente de Marketing do Shopping Royal Plaza, afirma que a medida  não proíbe a entrada dos jovens, mas sim exige a presença de pais responsáveis  para que haja  um controle maior da ação dos adolescentes.  De forma provisória , a iniciativa visa conscientizar os pais da responsabilidade perante os atos dos seus filhos. Segundo ela, a medida se tornou necessária no momento em que  adolescentes afirmavam em redes sociais que iriam assaltar e depredar o shopping durante o Rolezinho marcado para o dia 10 de maio. Na ocasião, foi solicitado o auxílio da Brigada Militar para garantir a integridade das lojas e principalmente dos clientes.

Adolescentes só poderão frequentar o shopping mediante a presença dos pais.  Foto: Helena Moura
Adolescentes só poderão frequentar o shopping mediante a presença dos pais. Foto: Helena Moura

Já  a doutora em Direito e professora do Centro Universitário Franciscano  Marília Denardin Budó , discorda a medida adotada. Segundo ela,  é  necessário observar que tal política não foi adotada para cercear a liberdade de ir e vir de quaisquer adolescentes, mas sim daqueles provenientes das periferias santa-marienses. “Está claro que se trata da adoção de uma medida elitista, fundada na insegurança que o convívio com a pluralidade de classe e raça gera nas classes média e alta da sociedade”, afirma a Marília.

A professora ainda enfatiza que  garantir o espaço comercial do shopping center  apenas para  algumas pessoas, reforça a ideia de que os espaços privados de consumo não se caracterizam pela democracia, como seria, por exemplo, a praça, o espaço público. Para ela, a inciativa foi  desmedida e ilegal, contudo, não surpreende, pois reflete uma cultura do medo direcionada aos jovens no Brasil, algo que não é novo.  “Trata-se de um reflexo dessa percepção social, que, a despeito de a legislação ter se modificado para garantir a inserção dos adolescentes na esfera jurídico-constitucional, insiste em se manter” pontua.

Mesmo que provisória, a nova política adotada pelo shopping promete render assunto. De certa forma ,os adolescente são uma classe consumidora em potencial, e por mais que o o local seja privado, a iniciativa de cercear a livre circulação dos adolescentes no shopping parece ir contra ao direito democrático de ir e vir.

A estudante de 14 anos, Emily Andrielli, afirma sentir falta do espaço para encontrar os amigos e considera errado que a maioria  sofra as consequências por causa de uma minoria. Num contra-ponto, a medida é vista por parte  clientela adulta como  uma forma de responsabilizar os envolvidos na pertubação da ordem no shopping, como afirma a vendedora Alessandra Schutz , 30 anos.  Resta saber se haverá um acordo que não somente satisfaça a necessidade de ambas as partes, mas que faça justiça  e democratize os espaços recreativos da cidade.

Mesmo em horários de movimento, ausência dos adolescentes  é percebida com facilidade . Foto: Moura
Mesmo em horários de movimento, ausência dos adolescentes é percebida com facilidade . Foto: Moura

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

 

Porteiros fiscalizam entrada do shopping. Foto: Helena Moura
Porteiros fiscalizam entrada do shopping.
Foto: Helena Moura

A política adotada há uma semana pelo Shopping Royal Plaza Shopping em Santa Maria, divide opiniões e tem sido polêmica tanto nas  ruas quanto nas redes sociais. Desde a última sexta-feira (09) , adolescentes da faixa etária entre 12 e 17 anos, só podem frequentar o shopping apresentando a  identidade e na presença dos pais.  Para garantir a fiscalização  da nova  política adotada, dois seguranças ficam a postos nas entrada do shopping para supervisionar a circulação de qualquer adolescente.

Taís Machado , 31 anos, gerente de Marketing do Shopping Royal Plaza, afirma que a medida  não proíbe a entrada dos jovens, mas sim exige a presença de pais responsáveis  para que haja  um controle maior da ação dos adolescentes.  De forma provisória , a iniciativa visa conscientizar os pais da responsabilidade perante os atos dos seus filhos. Segundo ela, a medida se tornou necessária no momento em que  adolescentes afirmavam em redes sociais que iriam assaltar e depredar o shopping durante o Rolezinho marcado para o dia 10 de maio. Na ocasião, foi solicitado o auxílio da Brigada Militar para garantir a integridade das lojas e principalmente dos clientes.

Adolescentes só poderão frequentar o shopping mediante a presença dos pais.  Foto: Helena Moura
Adolescentes só poderão frequentar o shopping mediante a presença dos pais. Foto: Helena Moura

Já  a doutora em Direito e professora do Centro Universitário Franciscano  Marília Denardin Budó , discorda a medida adotada. Segundo ela,  é  necessário observar que tal política não foi adotada para cercear a liberdade de ir e vir de quaisquer adolescentes, mas sim daqueles provenientes das periferias santa-marienses. “Está claro que se trata da adoção de uma medida elitista, fundada na insegurança que o convívio com a pluralidade de classe e raça gera nas classes média e alta da sociedade”, afirma a Marília.

A professora ainda enfatiza que  garantir o espaço comercial do shopping center  apenas para  algumas pessoas, reforça a ideia de que os espaços privados de consumo não se caracterizam pela democracia, como seria, por exemplo, a praça, o espaço público. Para ela, a inciativa foi  desmedida e ilegal, contudo, não surpreende, pois reflete uma cultura do medo direcionada aos jovens no Brasil, algo que não é novo.  “Trata-se de um reflexo dessa percepção social, que, a despeito de a legislação ter se modificado para garantir a inserção dos adolescentes na esfera jurídico-constitucional, insiste em se manter” pontua.

Mesmo que provisória, a nova política adotada pelo shopping promete render assunto. De certa forma ,os adolescente são uma classe consumidora em potencial, e por mais que o o local seja privado, a iniciativa de cercear a livre circulação dos adolescentes no shopping parece ir contra ao direito democrático de ir e vir.

A estudante de 14 anos, Emily Andrielli, afirma sentir falta do espaço para encontrar os amigos e considera errado que a maioria  sofra as consequências por causa de uma minoria. Num contra-ponto, a medida é vista por parte  clientela adulta como  uma forma de responsabilizar os envolvidos na pertubação da ordem no shopping, como afirma a vendedora Alessandra Schutz , 30 anos.  Resta saber se haverá um acordo que não somente satisfaça a necessidade de ambas as partes, mas que faça justiça  e democratize os espaços recreativos da cidade.

Mesmo em horários de movimento, ausência dos adolescentes  é percebida com facilidade . Foto: Moura
Mesmo em horários de movimento, ausência dos adolescentes é percebida com facilidade . Foto: Moura