Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Exposição marca 60 anos do Centro Universitário Franciscano

_DSC0012.cópia
Exposição 60 anos do Centro Universitário Franciscano (Foto: Fernanda Goçalves/Laboratório de Fotografia e Memória)

 

Desde o primeiro dia do mês de abril, está aberta para visitação a exposição “60 anos transformando realizações junto ao Ensino Superior”. A mostra ficará disponível para visitação até o último dia útil do mês, 30, nas segundas e quintas, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30, bem como nas sextas, das 7h30 às 13h30. A exposição traz obras ilustrativas sobre a instituição. A curadoria é da professora Círia Moro.

O projeto faz parte das comemorações do aniversário de 60 anos do Centro Universitário Franciscano, comemorado no dia 27 de Abril, com atividades marcadas em todo o mês.

A instituição de ensino está em funcionamento desde 1955 e é administrada, atualmente, pela Irmã Iraní Rupolo.

Em entrevista, a reitora cita sua satisfação para com o desenvolvimento que a instituição vem realizando ao longo dos anos, bem como sua história na administração do Centro.

Irmã Irani Rupollo.  Foto: Fernanda Gonçalves
Irmã Iraní Rupolo está à frente da Instituição desde 1997 (Foto: Fernanda Gonçalves/Laboratório de Fotografia e Memória)

Agência Central Sul- Quando e como começou sua trajetória no Centro Universitário Franciscano?

Iraní Rupolo- Eu trabalhei inicialmente como professora, nas escolas de ensino fundamental e médio da mesma mantenedora, no colégio Sant’Anna, na cidade de Guaíra, no Paraná, também em uma escola de ensino fundamental e médio, e depois em Brasília, na direção escolar. Em agosto de 1992, vim para a Faculdade de Filosofia para trabalhar nos cursos de formação de professores. Eu trabalhei aqui alguns anos como professora. Depois eu colaborei e trabalhei com toda a equipe de direção na junção das universidades e na transformação delas em franciscanas e assumi a direção da Unifra em janeiro de 1997.

Agência Central Sul – Como você se sente fazendo parte do aniversário de 60 anos da instituição? 

Iraní Rupolo –  Sinto que a comemoração de aniversário é sempre um momento alegre. Em primeiro lugar, falando do Centro Universitário Franciscano, eu penso que a satisfação é porque a instituição se desenvolveu e continua se desenvolvendo e ampliando suas atividades, não apenas em quantidade, mas também nesta construção qualitativa. Eu penso que o Centro, além de ter uma memória, uma história, é uma instituição muito criativa. Ano a ano ela se recria, trabalha em novas visões, novos cursos, novas possibilidades, tanto na graduação como na pós-graduação. Eu penso em como nos sentimos bem em fazer parte de uma instituição que preza a história e o presente, bem como as perspectivas de futuro.

Agência Central Sul – Neste ano, junto da comemoração dos 60 anos da Unifra, tivemos a inserção do Curso de Graduação em Medicina. Além disso, há outras novidades para os próximos anos? 

Iraní Rupolo – Nós temos um plano institucional, o nosso Plano de Desenvolvimento Institucional. O atual permanecerá de 2015 a 2025. E neste plano temos metas a serem alcançadas, como trabalhar com os alunos e os professores as nossas metodologias e a renovação da sala de aula, para que os estudantes tenham gosto por aprender, que sejam bem envolvidos, procurem ajudar seus professores, instigando-os a ter melhores práticas pedagógicas. Em vista da melhor formação de nossos alunos enquanto profissionais, como cidadãos, engajados e com atitudes empreendedoras, com uma visão de contribuição para com o desenvolvimento humano e social. Além da educação a distância, que é uma ampliação de atividades, também estamos fortalecendo nossas redes de escolas em diversas cidades do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e Brasília. Essa, para mim, é uma grande ampliação, é um ganho de expansão institucional. Também tem a criação de novos cursos tecnológicos, tanto presenciais quanto EaD, cursos de graduação. E estamos trabalhando na qualificação dos cursos de licenciatura, para formação de professores da educação básica, que é uma grande necessidade nacional, mas também a pesquisa e a pós-graduação, sem descuidar da relação com a sociedade através de projetos, programas, atividades conjuntas. É um grande panorama institucional.

Agência Central Sul – A senhora gostaria de deixar algum recado, em forma de agradecimento? 

Iraní Rupolo – Eu penso que essa não é uma comemoração qualquer. Estas datas redondas têm um significado bonito. E esses dias eu comentei com os alunos que é o jubileu do diamante, uma pedra muito preciosa. Então, digo que todos nós somos preciosos nesta instituição e que cada um tem a sua parte a contribuir, sejam os estudantes, os funcionários, os professores, as famílias que nos apoiam, os parceiros, as universidades onde temos intercâmbio, as instituições onde os estudantes fazem seus estágios, enfim, o poder público, os lugares onde os ex-alunos vão realizar seus contratos profissionais. É uma grande rede que talvez a gente não saiba tão bem dimensionar. Mas ela não se restringe a Santa Maria, é bem mais ampla que o Rio Grande do Sul e extrapola os limites brasileiros.

LEIA TAMBÉM

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

_DSC0012.cópia
Exposição 60 anos do Centro Universitário Franciscano (Foto: Fernanda Goçalves/Laboratório de Fotografia e Memória)

 

Desde o primeiro dia do mês de abril, está aberta para visitação a exposição “60 anos transformando realizações junto ao Ensino Superior”. A mostra ficará disponível para visitação até o último dia útil do mês, 30, nas segundas e quintas, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30, bem como nas sextas, das 7h30 às 13h30. A exposição traz obras ilustrativas sobre a instituição. A curadoria é da professora Círia Moro.

O projeto faz parte das comemorações do aniversário de 60 anos do Centro Universitário Franciscano, comemorado no dia 27 de Abril, com atividades marcadas em todo o mês.

A instituição de ensino está em funcionamento desde 1955 e é administrada, atualmente, pela Irmã Iraní Rupolo.

Em entrevista, a reitora cita sua satisfação para com o desenvolvimento que a instituição vem realizando ao longo dos anos, bem como sua história na administração do Centro.

Irmã Irani Rupollo.  Foto: Fernanda Gonçalves
Irmã Iraní Rupolo está à frente da Instituição desde 1997 (Foto: Fernanda Gonçalves/Laboratório de Fotografia e Memória)

Agência Central Sul- Quando e como começou sua trajetória no Centro Universitário Franciscano?

Iraní Rupolo- Eu trabalhei inicialmente como professora, nas escolas de ensino fundamental e médio da mesma mantenedora, no colégio Sant’Anna, na cidade de Guaíra, no Paraná, também em uma escola de ensino fundamental e médio, e depois em Brasília, na direção escolar. Em agosto de 1992, vim para a Faculdade de Filosofia para trabalhar nos cursos de formação de professores. Eu trabalhei aqui alguns anos como professora. Depois eu colaborei e trabalhei com toda a equipe de direção na junção das universidades e na transformação delas em franciscanas e assumi a direção da Unifra em janeiro de 1997.

Agência Central Sul – Como você se sente fazendo parte do aniversário de 60 anos da instituição? 

Iraní Rupolo –  Sinto que a comemoração de aniversário é sempre um momento alegre. Em primeiro lugar, falando do Centro Universitário Franciscano, eu penso que a satisfação é porque a instituição se desenvolveu e continua se desenvolvendo e ampliando suas atividades, não apenas em quantidade, mas também nesta construção qualitativa. Eu penso que o Centro, além de ter uma memória, uma história, é uma instituição muito criativa. Ano a ano ela se recria, trabalha em novas visões, novos cursos, novas possibilidades, tanto na graduação como na pós-graduação. Eu penso em como nos sentimos bem em fazer parte de uma instituição que preza a história e o presente, bem como as perspectivas de futuro.

Agência Central Sul – Neste ano, junto da comemoração dos 60 anos da Unifra, tivemos a inserção do Curso de Graduação em Medicina. Além disso, há outras novidades para os próximos anos? 

Iraní Rupolo – Nós temos um plano institucional, o nosso Plano de Desenvolvimento Institucional. O atual permanecerá de 2015 a 2025. E neste plano temos metas a serem alcançadas, como trabalhar com os alunos e os professores as nossas metodologias e a renovação da sala de aula, para que os estudantes tenham gosto por aprender, que sejam bem envolvidos, procurem ajudar seus professores, instigando-os a ter melhores práticas pedagógicas. Em vista da melhor formação de nossos alunos enquanto profissionais, como cidadãos, engajados e com atitudes empreendedoras, com uma visão de contribuição para com o desenvolvimento humano e social. Além da educação a distância, que é uma ampliação de atividades, também estamos fortalecendo nossas redes de escolas em diversas cidades do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e Brasília. Essa, para mim, é uma grande ampliação, é um ganho de expansão institucional. Também tem a criação de novos cursos tecnológicos, tanto presenciais quanto EaD, cursos de graduação. E estamos trabalhando na qualificação dos cursos de licenciatura, para formação de professores da educação básica, que é uma grande necessidade nacional, mas também a pesquisa e a pós-graduação, sem descuidar da relação com a sociedade através de projetos, programas, atividades conjuntas. É um grande panorama institucional.

Agência Central Sul – A senhora gostaria de deixar algum recado, em forma de agradecimento? 

Iraní Rupolo – Eu penso que essa não é uma comemoração qualquer. Estas datas redondas têm um significado bonito. E esses dias eu comentei com os alunos que é o jubileu do diamante, uma pedra muito preciosa. Então, digo que todos nós somos preciosos nesta instituição e que cada um tem a sua parte a contribuir, sejam os estudantes, os funcionários, os professores, as famílias que nos apoiam, os parceiros, as universidades onde temos intercâmbio, as instituições onde os estudantes fazem seus estágios, enfim, o poder público, os lugares onde os ex-alunos vão realizar seus contratos profissionais. É uma grande rede que talvez a gente não saiba tão bem dimensionar. Mas ela não se restringe a Santa Maria, é bem mais ampla que o Rio Grande do Sul e extrapola os limites brasileiros.