Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Polícias civil e militar estão descontentes com medidas de Sartori

20150903_153024[1]
Polícia Civil, Brigada Militar e Susepe fizeram ato público no Centro de Santa Maria nesta quinta-feira (3) (Foto: Natália Zuliani)

Salários parcelados, situação tensa e arriscando suas vidas. É assim que passaram os últimos dias policiais civis, brigadianos e agentes penitenciários. “Hoje o policial militar não é tido como trabalhador. Nós somos excluídos da Constituição, não temos o direito à greve, não temos o direito a todos os mecanismos que todos os trabalhadores têm para reivindicar seus salários e seus direitos. Mas nós vamos nos manter mobilizados”, afirma João Valdenir Silva Correa, 45 anos, da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho, da Brigada Militar. Na última segunda-feira (31), policiais civis se uniram à Brigada Militar e começaram sua mobilização reivindicando seus direitos perante o Estado do Rio Grande do Sul.

“É o terror que tomou conta. O abalo psicológico é muito grande. São pais e mães de família que estão pensando: pô, o que que eu vou pagar?”, comenta o escrivão Pablo Mesquita, 38 anos, representante da União Gaúcha dos Escrivães, Inspetores, Investigadores, Rádio-telegrafistas e Mecânicos Policiais (UGEIRM). Ele também revela que, apesar de arriscarem a vida todos os dias para proteger a comunidade, é isto que os mantêm trabalhando, afinal, conforme o policial, “não é a gente que escolhe o serviço, é ele que nos escolhe!”. Pablo também comenta que não apoia nenhum tipo de parcelamento, e que, se for necessário tomar essa medida, ” que corte o salário de todos”, opina.

A expectativa da Brigada Militar é que o trabalho retorne nesta sexta-feira (4). Já a Policia Civil decidiu manter a paralisação até sexta (4).

 

 

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20150903_153024[1]
Polícia Civil, Brigada Militar e Susepe fizeram ato público no Centro de Santa Maria nesta quinta-feira (3) (Foto: Natália Zuliani)

Salários parcelados, situação tensa e arriscando suas vidas. É assim que passaram os últimos dias policiais civis, brigadianos e agentes penitenciários. “Hoje o policial militar não é tido como trabalhador. Nós somos excluídos da Constituição, não temos o direito à greve, não temos o direito a todos os mecanismos que todos os trabalhadores têm para reivindicar seus salários e seus direitos. Mas nós vamos nos manter mobilizados”, afirma João Valdenir Silva Correa, 45 anos, da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho, da Brigada Militar. Na última segunda-feira (31), policiais civis se uniram à Brigada Militar e começaram sua mobilização reivindicando seus direitos perante o Estado do Rio Grande do Sul.

“É o terror que tomou conta. O abalo psicológico é muito grande. São pais e mães de família que estão pensando: pô, o que que eu vou pagar?”, comenta o escrivão Pablo Mesquita, 38 anos, representante da União Gaúcha dos Escrivães, Inspetores, Investigadores, Rádio-telegrafistas e Mecânicos Policiais (UGEIRM). Ele também revela que, apesar de arriscarem a vida todos os dias para proteger a comunidade, é isto que os mantêm trabalhando, afinal, conforme o policial, “não é a gente que escolhe o serviço, é ele que nos escolhe!”. Pablo também comenta que não apoia nenhum tipo de parcelamento, e que, se for necessário tomar essa medida, ” que corte o salário de todos”, opina.

A expectativa da Brigada Militar é que o trabalho retorne nesta sexta-feira (4). Já a Policia Civil decidiu manter a paralisação até sexta (4).