Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

TODAS AS PUBLICAÇÕES DE:

Yasmin Zavareze

Yasmin Zavareze

“Não gosto muito de sair para almoçar pois me sinto muito irritada ao escutar gente mastigando perto de mim”, relata a professora de ensino fundamental, Fabiana Silva. Você sente isso também? Se sente irritado ao escutar alguém mastigando? Ou então fica desconfortável quando alguém espirra perto de você? Isso é um sinal de que você tem misofonia. 

A misofonia é um distúrbio que pode causar aversão ou sensibilidade excessiva a sons, como mastigação, respiração, o passar de um giz no quadro, entre outros. A pessoa que sofre de misofonia pode sentir-se desconfortável, ansiosa ou extremamente irritada. Os sentimentos podem variar de pessoa para pessoa, assim como variam de som para som. 

O que causa a misofonia? Antes de diagnosticar um paciente com misofonia é necessário considerar várias coisas, tais como fatores biológicos, genéticos, culturais e ambientais. 

Os pacientes que sofrem dessa condição são hipersensíveis e apresentam sintomas de hiperestesia (alterações da sensopercepção no qual as pessoas apresentam excesso de desconforto a qualquer estímulo ambiental associado ao aumento de intensidade das sensações corporais). 

A misofonia é caracterizada por uma sensibilidade excessiva a certos sons. Imagem: Pixabay.

Ao entrar em contato com um som que cause desconforto, devido a hiperestesia, o paciente acelera o ritmo psíquico causando então a ansiedade, medo e angústia, e assim o descontrole emocional que é um dos principais sintomas da Misofonia. 

A professora do curso de Psicologia da Universidade Franciscana, Janaína Carlesso, comenta sobre a área da neurociências, que estuda as causas da misofonia: “Os indivíduos que têm misofonia processam o som de maneira diferente, reagindo de forma desproporcional aos sons captados do meio.” Ela também explica que, segundo alguns estudos, os fatores desencadeantes (ou gatilhos) quando captados pelo cérebro do paciente apresentam uma hiperatividade nos circuitos neurais trazendo uma maior atividade no hipocampo – que é responsável pela memória, na amígdala – relacionada às emoções e o córtex pré frontal – que está associado ao controle da impulsividade e controle inibitório do comportamento. 

Existe tratamento? Sim! No tratamento o psicólogo busca aliviar o paciente, direcionando-o a focar em sons mais agradáveis e não no som que lhe causa ansiedade. Ouvir música durante uma refeição, ou prestar atenção nos sons da natureza enquanto uma pessoa espirra, são alguns dos redirecionamentos o aconselhados.  Psicoterapia também é algo muito recomendado para pessoas que sofrem de misofonia, pois a aversão a algum ruído específico pode estar relacionado a algum trauma do passado do paciente. 

 Na maioria dos casos, as pessoas sentem-se apenas desconfortáveis com os barulhos, porém, quando o desconforto torna-se ansiedade ou raiva, causando dores no peito, maxilar ou estômago procure por um psicólogo especializado na terapia cognitiva comportamental para dar início ao tratamento. 

Nesse sábado, 12 de novembro, acontece o dia nacional da conscientização sobre a Misofonia, através do Novembro Laranja, campanha que foi idealizada pela Dra. Tanit Ganz Sanchez. A campanha envolve diversas ações, a maioria delas é voltada para profissionais da área de fonoaudiologia e psicologia comportamental, que buscam ampliar seus horizontes acerca do assunto.

Para aqueles que tem interesse em participar da campanha, seja como telespectador da palestra que será ministrada ou como aluno de algum curso que será ofertado, todas as informações necessárias estão nos canais de comunicação do Instituto Ganz Sanchez.

Professoras do curso de Pedagogia da UFN promovem oficina que foi desenvolvida por alunas. A matéria Educação e Tecnologia realiza um projeto que ensina produção de vídeo-aulas, fotografia e Podcasts com o intuito de otimizar e modernizar o ensino.

A professora Sheila Goulart comenta sobre o fato de os métodos de ensino, algumas vezes, não avançarem conforme as mudanças da sociedade e ressalta e importância de utilizar a tecnologia: “Quando se fala em sala de aula, as pessoas logo visualizam quadro e um giz, mas na verdade é muito mais que isso. É necessário aproveitar bastante o espaço que a UFN nos oferece para ministrar esse tipo de didática.”, conta a pedagoga.

Grupo do curso de Pedagogia na Mostra das Profissões. Imagem: Luiza Silveira

Ali Meireles, professora responsável por todos os cursos de licenciatura da Universidade Franciscana, ressalta sobre a importância de mostrar as ferramentas tecnológicas na formação de futuros docentes e demonstrar aos estudantes como a universidade pode oferecer uma formação mais dinâmica, ativa e inovadora usando tecnologias mais atualizadas.

A oficina ocorreu na Sala de convenções, prédio 13, hoje pela tarde.

Na noite da última sexta-feira, 23 de setembro, às 19h, no shopping Praça Nova, alunos do curso de Design de Moda da Universidade Franciscana mostraram seus looks pela primeira vez. Inspirados nos seus filmes favoritos, os designs foram pensados e detalhados por um longo tempo até chegarem à passarela. Trazendo filmes aclamados pela moda cinematográfica, como Legalmente Loira e De repente 30, até o gênero de terror, cada look animou e resultou em muitas palmas da plateia.

Modelo Pablo Kempz usando look confeccionado pela acadêmica Lígia Souza. Imagem: Luiza Silveira

O professor Junior Ruviaro conta sobre a autonomia que os acadêmicos possuem na hora de pensar e desenvolver seus looks:  “O curso de Moda é onde os futuros designers precisam ter esse espaço para colocar sua criatividade. A academia precisa proporcionar atividades onde eles possam elevar a criatividade ao máximo”. 

Com total liberdade de elaboração dos outfits, os alunos precisaram pensar em cada detalhe do design na passarela, desde os detalhes dos acessórios, até a música que seus modelos desfilaram.

 A aluna Gabriela Colman, que trouxe um look baseado no filme “Animais Fantásticos e onde habitam” explica que, quando elegeu esse filme, a imagem do pássaro já veio em sua mente e que, desde então, baseou-se nele, pois queria trazer a magia, o brilho e a leveza do Thunderbird para a passarela.

O desfile encerrou com uma sessão de fotos com as estudantes, professores e patrocinadores do evento.