Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

práticas

Ressignificando práticas na pandemia

Quando ouvi falar pela primeira vez na palavra “pandemia”, estava em viagem de férias no Rio de Janeiro. Meu interesse era visitar o Mosteiro de São Bento, a Casa Roberto Marinho, o Morro do Vidigal, e

Quando ouvi falar pela primeira vez na palavra “pandemia”, estava em viagem de férias no Rio de Janeiro. Meu interesse era visitar o Mosteiro de São Bento, a Casa Roberto Marinho, o Morro do Vidigal, e não avaliei a gravidade das notícias. A riqueza da decoração barroca da igreja do Mosteiro e a diversidade das obras de arte contemporânea da Casa Roberto Marinho eram os alvos da minha atenção. O Morro do Vidigal, infelizmente, não houve como visitar. “Não é seguro”, me disseram.

Apenas ao voltar para Santa Maria, as notícias da China e da Itália se desenharam com toda a sua gravidade. E assim, de uma hora para outra, o mundo virou de ponta cabeça. As notícias eram realmente alarmantes e tudo se tornou incerto. E as aulas? Como fazer? E então, aquilo que era assunto de discussões teóricas (as novas metodologias de ensino on-line, o ensino híbrido), se configurou como realidade urgente. Não mais teoria para aplicação nos próximos anos, mas tarefa urgente a ser implementada.

Ao mesmo tempo em que procurava equacionar esse assunto profissional, a necessidade também de organizar os fazeres do cotidiano, como a alimentação e o convívio com os outros. Não ir a restaurantes, ao café? Não abraçar, não beijar amigos e parentes? O mundo se alterava (tornava-se perigoso?), as práticas mais comuns eram suspensas, mas havia a ilusão, naquele março de surpresas, que seria por pouco tempo…

O então Ministro da Saúde mostrava-se conectado com as orientações das autoridades internacionais de saúde. O desafio apresentado pela pandemia seria enfrentado de forma racional e sensata. Mais uma peste das tantas que a humanidade enfrentou ao longo da sua História, mas certamente vivida com melhores recursos do que aqueles do medievo (Peste Negra) e mesmo do início do Século XX (Gripe Espanhola). Desafios que a humanidade enfrentou… e superou.

Mas este norte governamental logo foi desmoronando. Construir-se nessa conjuntura tão adversa (a de uma tragédia sanitária planetária acrescida por um desgoverno nacional desumano) foi um grande desafio. Reorganizar as tarefas domésticas e profissionais, assim como a encarar o noticiário nacional e não se abalar foram fazeres constantes, enfrentados de modo por vezes solitário.

Passado mais de um ano do início dessa aprendizagem (que continua), não avalio o resultado de todo ruim. A primeira aula virtual foi um desafio e a ausência física de rostos, vozes e olhares dos estudantes quase um impeditivo do trabalho ser executado a contento. No entanto, esse outro mundo antes apenas vislumbrado (o do ensino on-line) se impôs de tal modo que hoje o percebo “quase” natural.

Agora é sonhar com a recuperação da normalidade e também com novas viagens – como aquela ao Rio de Janeiro – e ampliar os conhecimentos do barroco brasileiro (no Mosteiro de São Bento e outros lugares), da arte contemporânea (na Casa Roberto Maranhão) e também do universo das classes populares (Morro do Vidigal). A realidade sempre pode nos proporcionar surpresas. Estejamos abertos para enfrentar desafios (inclusive os planetários) para novos cenários, gostos, saberes e fazeres.

 

 

Por Roselâine Casanova Corrêa, professora no curso de História (UFN), 

Inverno de 2021.