Acabou o sal


Por Luisa Neves

 

Fui fazer almoço com entusiasmo, pois gosto de cozinhar. Estava ali com tudo planejado quando algo inesperado aconteceu para atrapalhar os planos. Vou animada (nem tanto, é só para dar ênfase) ao pote do sal e quando vejo, estava vazio. E adivinhem que dia é hoje? Domingo. E mais: domingo frio e chuvoso, ou seja, não vou sair para comprar sal. Não vou mesmo!

Bom, devo confessar que eu já tinha visto que estava por terminar, mas não me importei. Ontem fui ao supermercado e comprei frutas, bolachas e outras coisitas, mas não lembrei o sal. Sou culpada! Fui eu! E por causa disso o almoço ficou insípido, mesmo com as tentativas de substituir o sal por temperos prontos. Não há mais nada a fazer.

Parece dramático como algo tão fininho e branquinho pode influenciar o nosso dia. Logo ele, o sal, tão quietinho no seu pote, sempre menor do que dos outros condimentos. Como pude não dar importância a quem me serviu sem pedir nada em troca? Esteve sempre ali para dar sabor aos meus dias e colaborar com os pratos que realmente aparecem, sem exigir fama e reconhecimento.

Quando deixamos de valorizar pessoas sem expressão na sociedade (sem sal), mas que sempre estiveram ao nosso lado? O que faz com que não tenhamos tempo para os amigos e parentes? Por que não podemos mais bater um papo com a senhora do lanche ou com o tio da padaria? Certamente, eles terão sabor a acrescentar aos nossos dias!

Nas prateleiras de consumo, paramos para as embalagens coloridas e fortes, geralmente a nossa altura ou mais pra cima. Para que olhar aqueles saquinhos transparentes, pequenos e que ficam lá embaixo? Afinal, não precisamos esforço para adquiri-lo, o preço é acessível, o que tira a expectativa da conquista. Questiono-me se não estou desprezando pessoas simples que querem um pouquinho de atenção, somente alguém para ouvir seus dilemas tão insignificantes para os outros, mas de valor imensurável para elas.

Será que amanhã essas pessoas não farão falta? Mudanças e outras circunstâncias nos farão perceber que a ausência de alguém, dói. Conselhos, risadas, lágrimas e outros momentos são mais significantes do que imaginamos. Estar com pessoas, simplesmente pelo prazer da companhia, sem desejar nada em troca, é nobre. Agradeça o privilégio de ser sabor na vida de alguém. Seja acessível!

Acrescento algo interessante sobre o sal. Ele não tem sentido se estiver só. Não vejo ninguém sentado, degustando com prazer um pacote inteirinho do condimento. O papel dele é melhorar outros alimentos e ao fazê-lo dá o verdadeiro sentido do prato. Suas doses são mínimas, se passar do ponto estraga a receita e consumi-lo sem moderação causa doenças. O sal é chique! Só faz e fala o necessário, não é “passado”.

A verdade é que preciso comprar sal. Vou comprar dois! Então, vai demorar a acabar.

 

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *