Cerca de 30 mil manifestantes saíram às ruas de Santa Maria nessa tarde de sábado


Por Agência CentralSul de Notícias

 

A multidão tomou a rua Floriano Peixoto. Foto: Renan Mattos

Estudantes, famílias, movimentos sociais e entidades em geral, saíram mais uma vez às ruas de Santa Maria aderindo a onda de protestos que se espalharam de norte a sul do Brasil. A concentração iniciou às 10h na Praça Saldanha Marinho. Em seguida, um caminhão de som abriu caminho para as cerca de 30 mil pessoas participaram da manifestação que terminou em frente à Câmara de Vereadores por volta das 14h30, deste sábado (22).

Ora considerado um protesto apartidário, ora um protesto de várias bandeiras, o fato é que diferentes reivindicações estamparam cartazes e motivaram os gritos dos participantes. Foram criticados os gastos com a Copa do Mundo, a PEC 37, a precariedade da saúde e educação do país. Entre as principais reivindicações estavam a redução das tarifas do transporte público, o fim da corrupção, o veto do Ato Médico e o pedido de justiça às famílias das vítimas e sobreviventes da tragédia de 27 de janeiro.

Protestos pediram justiça para a tragédia da boate Kiss. Foto: Renan Mattos.

A administração municipal e a CPI da Boate Kiss foram, novamente, alvos de protesto.

Uma das inúmeras faixas que faziam menção à tragédia trazia o recado: “Nada será arquivado na nossa memória.” Em outra: “ E se fosse um filho teu?”

No meio da multidão um dos cartazes ironizava: “O Ministério da Saúde Adverte: em caso de suspeita de estar gay procure um médico antes de um psicólogo. #naoaoatomedico #naoacuragay.”

Não ao ato médico. Foto: Renan Mattos.

O responsável pela confecção da peça, Dione Gonçalves Lemos, de 24 anos desabafou: “É um retrocesso à saúde, pois sofrem os profissionais e sofrem ainda mais, os pacientes.” Dione é estudante de psicologia.

Já o grupo de ciclistas que se juntou a passeata carregava a faixa: “Esporte não é só futebol” Um senhor de cabelos brancos e passos lentos, erguia bem alto o cartaz: “ Aposentado também protesta!”

Segundo o comandante da Brigada Militar, coronel Jaime Machado Garcia a manifestação foi organizada e pacífica: “Foi tudo muito tranquilo e não houve nenhum incidente. Foi cumprido o itinerário de forma organizada, conforme o acordo que fizemos na reunião com o DCE da UFSM, o CEPRS e demais representantes sindicais.”

Movimento foi pacífico na tarde de hoje. Foto: I.Branco

Cartazes foram colados nas portas do prédio da SUCV. Foto: Renan Mattos

No fim protesto foram colados cartazes na fachada do prédio da SUCV, onde está localizado o Gabinete do Prefeito.  Já na Câmara de Vereadores, um pequeno grupo de manifestantes fez pichações na porta da casa dos edis, escrevendo as palavras: “justiça”, “242 motivos”, entre outras.

Os  motivos que levaram os manifestantes à rua:

Apesar da presença ostensiva do BOE, não houve atritos. Foto: Renan Mattos

“As manifestações são oportunas para que tem algo a reivindicar. Minha motivação é para que o Brasil se torne um país melhor em todos os sentidos: transporte educação, saúde e cultura.” (Fábio Prado Lima, 40 anos – Arquiteto)

“Eu fui lá muito mais para ver sobre o que o pessoal iria se manifestar, para fazer uma análise crítica sobre o que estavam falando. Achei muito fraco e vi que muitos também não gostaram das lideranças. Tinha tanta gente lá, com múltiplas reclamações, não gostei desse direcionamento. O movimento poderia ser mais forte elegendo temas de mais repercussão, ou que atingem mais pessoas. Os caras estavam reclamando das passagens e sequer pararam na frente da ATU [Associação dos transportadores Urbanos] para fazer barulho.” (Felipe Ceretta De Gregori, 27 anos – Advogado)

Manifestantes lotaram as ruas de Santa Maria. Foto: I.Branco

“Eu estava indignada com o que andava acontecendo e triste por ninguém se mobilizar. Sempre participei de marchas e eu não poderia estar fora desta. É um momento histórico contra a injustiça, contra o preconceito.” (Fernanda Beck Moro, 23 anos – Estudante de Artes Visuais)

O prefeito Schimer foi alvo dos protestos. Foto: I.Branco.

“É uma manifestação correta, para melhorar as coisas. O problema é que deixam vândalos entrarem e aí acho que deveriam se organizar melhor e a polícia deveria baixar o cacete.” (Daran Dorneles, 60 anos – Engenheiro Agrônomo)

“O que me motivou foi a possibilidade de divulgar uma ideia destoante do Movimento Passe Livre mostrando que o real problema é a intervenção estatal através de concessões que acabam por gerar oligopólios, estes, por impedirem a livre concorrência estimulam o aumento dos preços e a estagnação da qualidade do serviço prestado.” ( Quelen Garlet, 22 anos – Farmacêutica)

 

Manifestantes defendem a dignidade dos professores. Foto: I. Branco

“A força do povo sempre ajuda. Estamos aqui segurando cartazes porque perdemos muitos amigos, muitos. Quem deveria estar preso não está. Há muita impunidade.” (Leônidas Pinheiro, 23 anos – Estudante de Ciências Sociais)

“Todos nós [do Shopping Popular Independência] apoiamos e esperamos que o protesto seja pacífico. Somos 204 e todos aderiram, pois nossa história sempre foi marcada por manifestações.”(Magaiver Mello, 39 anos – Vendedor)

 

Reportagem: Pâmela Rubin Matge

Fotos: Renan Mattos e I. Branco

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *