Em lançamento de biografia, Beltrame fala sobre combate à violência


 

Em entrevista à Agência CentralSul durante lançamento do seu livro “Todo Dia é Segunda-feira”, o Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, falou sobre seu trabalho por trás das UPP’s (Unidades de Polícia Pacificadora), a violência em Santa Maria e sobre possíveis manifestações durante a Copa do Mundo.

Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, lança biografia em Santa Maria © Foto: Matheus Christo | Núcleo de Fotografia e Memória da UNIFRA

Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, lança biografia em Santa Maria © Foto: Matheus Christo | Núcleo de Fotografia e Memória da UNIFRA

Para o Secretário, ainda faltam melhorias a serem implementadas nas favelas do Rio de Janeiro, e que o objetivo da Polícia Militar do Rio de Janeiro é apenas recuperar território.

“Falta muita coisa, não tenha dúvida, falta todo um processo de consolidação. A UPP é como abrir uma janela, abrir portas. A sociedade toda tem uma dívida a ser paga com essas comunidades que foram renegadas durante décadas. Você precisa primeiro entrar e garantir que as outras coisas cheguem, a Polícia só está lá para isso, para entrar e garantir que as coisas cheguem. O objetivo é recuperar território.” 

Com o aumento dos índices de violência em Santa Maria, que registrou no início do mês o 31º assassinato apenas neste ano, José Mariano Beltrame disse que a cidade está sentindo os efeitos da desigualdade social, e conta que a violência é sobretudo um problema latino-americano. 

“Acho que Santa Maria sofre o que a maioria das cidades da América Latina sofrem, que é oriundo da desigualdade social, da educação, cultura.”

Beltrame ainda conta que os Poderes Públicos priorizam outras questões, e deixam serviços importantes para trás.

“Os Poderes Públicos pensam muito em outras coisas e deixam serviços importantes para trás, e depois as pessoas acham que a polícia vai resolver tudo. É uma visão míope do problema. Nós temos exatamente que sair desse binômio polícia-bandido, e ir atacar outras questões estruturantes que precisam ser vistas. Como Santa Maria é uma cidade que cresce, sem dúvida nenhuma ela hoje está sentindo os efeitos disso, assim como qualquer outra cidade. O problema não é mais carioca, nem santamariense, é um problema brasileiro e sobretudo latino americano.”

As dez cidades com maior índice de violência no RS
Clique sobre as cidades para visualizar os dados criminais no ano de 2013

Fontes: SIP/PROCERGS – Extração em 03 de janeiro de 2014
As informações prestadas nesse mapa levam em consideração os registros para fatos consumados, estes podem sofrer alterações em decorrência do andamento das investigações criminais.

Faltando menos de um mês para a Copa do Mundo, Beltrame disse não ter dúvidas da existência de manifestações durante o evento, e contou também que além da PM e dos manifestantes, a sociedade aprendeu com os protestos que tomaram conta do país em junho do ano passado, prestes a completar um ano.

“Eu acho que nós vamos ter sim manifestação na Copa do Mundo, não tenho dúvida. Mas acho que todos esses movimentos que aconteceram em Junho do ano passado, todos nós aprendemos muito com isso. Acho que a polícia aprendeu, os manifestantes aprenderam, a sociedade aprendeu. Principalmente depois daquele episódio que aconteceu no Rio de Janeiro onde um colega de vocês foi morto”

Referindo-se a Santiago Andrade, cinegrafista da Band ferido em uma explosão durante manifestação no Rio de Janeiro no dia 6 de fevereiro desse ano.

O Secretário revelou que a Inteligência da Polícia Militar já realizou levantamento dos protestos que estão sendo planejados.

“A gente tem levantamento da Inteligência que teremos manifestação, mas eu acho que o que a Polícia aprendeu muito, e acho que as manifestações hoje elas vão para aquilo que a Democracia quer, e o que a Democracia quer é movimentação e não violência.”

Confira abaixo a entrevista na íntegra com José Mariano Beltrame.

Vida no combate à violência

Natural de Santa Maria, Beltrame é formado em Direito pela UFSM e em Administração pela UFRGS. Na década de 1980, ingressou na Polícia Federal, onde atuou como delegado e chefe de Serviço de Inteligência e da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal). Em 2006, assumiu a Secretaria de Segurança Pública do Rio, e de lá pra cá recebeu tanto apoio quanto críticas pela sua gestão. Seu currículo inclui ainda especializações em Inteligência Estratégica, estudos de Guerra e Análise de Dados de Inteligência Policial.

Em novembro de 2010, foi um dos articuladores da ocupação das favelas Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão no Rio de Janeiro, tirando o controle do tráfico na região resultando na apreensão de diversos chefes do narcotráfico e na criação das UPPs, Unidades de Polícia Pacificadora.

“Todo Dia É Segunda-feira”

O lançamento da biografia de José Mariano Beltrame aconteceu na última sexta-feira, dia 16 de maio, na livraria Nobel do Royal Plaza Shopping. No livro, o Secretário aborda desde a sua infância na cidade até fatos recentes como a idealização das UPPs, e o desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza em julho de 2013.

Confira a galeria de imagens abaixo:

Por Marcos Kontze, Matheus Christo e Victor Mostajo

Reportagem realizada para disciplina de Jornalismo Online

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *