Cosplay sustentável


Por Agência CentralSul de Notícias

 

IMG_20150517_153938962_HDR

Iohan fantasiado de Homem de Ferro e sua namorada, Vanessa Nonnemacher fantasiada de Loki (Fotos: Sarah Viana)

Cosplay é a abreviação de costume play,  que pode ser traduzido como “representação de personagem a caráter”, “disfarce” ou “fantasia”. Praticada principalmente – porém, não exclusivamente – por jovens, o cosplay consiste em disfarçar-se ou vestir-se de algum personagem real ou ficcionalconcreto ou abstrato, como, por exemplo, animesmangáscomicsvideojogos ou ainda de grupos musicais — acompanhado da tentativa de interpretá-los na medida do possível. Os participantes (ou jogadores) dessa atividade chamam-se, por isso, cosplayers.

Iohan Cosmaker faz Arquitetura na Unicruz e conta que sempre viveu em uma cidade carente de um movimento cultural. Por essa razão, resolveu utilizar seu conhecimento em arquitetura e sua paixão por comics para dar início a esse projeto. Todas as suas armaduras e trabalhos são feitos de materiais recicláveis, o que torna o projeto, além de bonito e interessante, sustentável.

Esse projeto do Iohan existe há 5 anos. Todos os anos, expõe seus trabalhos na Expotupã. Além de produzir, ele oferece oficinas para ensinar outras pessoas a fazerem suas próprias fantasias. O projeto é muito aceito, e é um o precursor desse tipo de movimento em cidades como Tupanciretã.

“A primeira armadura que produzimos foram, na verdade, duas armaduras medievais no estilo viking. Mas a minha fantasia favorita é a do Homem de Ferro, que demorei 2 anos para concluir a original. Todo ano produzo uma nova idêntica a anterior”, disse o acadêmico de Arquitetura.

Iohan descreve a sensação de se vestir de cosplay nesse movimento como impagável: “Não tem explicação. Tu se fantasia e saí de casa cansado, passando calor e então uma criança sorri te abraça e diz: “Homem de ferro, meu super-herói favorito, e não existe nada melhor que isso”.

IMG_20150517_144126916_HDR

Itens da primeira armadura produzida por Iohan

A fantasia do Homem de ferro por exemplo, é feita inteiramente de papelão, para deixar mais resistente Iohan usa fibra de vidro ou massa acrílica, as armaduras são muito resistentes e duram bastante, mesmo sendo feitas de materiais recicláveis. O custo de uma armadura varia do material e do personagem que o cliente vai querer.

“Eu uso todo o material reciclável que eu puder, sempre que eu posso, até para as pessoas perderem o preconceito de achar que o que é reciclável é inferior, quando na verdade, as vezes é até melhor” manifesta Iohan.

Para o futuro, Iohan pretende expandir o projeto. Ele gostaria de fazer um evento de cosplay por mês em cada cidade. O projeto já foi apresentado fisicamente nos estados do Sul e na Argentina.

Para adquirir mais informações, entre na sua página do Facebook ou pelo número (55) 96840508.

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *