SUS ou planos particulares? A saúde em pauta.


Por Agência CentralSul de Notícias

 

Em algum momento de sua vida, você já precisou de um médico. Seja por um simples resfriado ou até mesmo no caso das mulheres, para o nascimento de seus filhos. E qual é o melhor plano de saúde para você, o público, que no Brasil se chama Sistema Único de Saúde (SUS), ou os planos privados?

Contar com um atendimento médico de qualidade e ter à disposição procedimentos corretos podem fazer toda a diferença no bem-estar e qualidade de vida. Mesmo que vários setores em nosso país sejam precários – e com a saúde não seria diferente – há coisas boas há se falar a respeito do atendimento gratuito. O SUS também funciona e ajuda muitas pessoas, principalmente as que não teriam condições de pagar por consultas particulares ou planos privados de saúde.

O programa de saúde gratuito do Brasil

O Sistema Único de Saúde foi criado há quase 30 anos – antes existiam programas de saúde gratuitas, com outras nomenclaturas e com menos acesso pelas pessoas – e abrange desde o simples atendimento para avaliação da pressão arterial, por meio da atenção primária, até o transplante de órgãos, garantindo acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país.

No ‘papel’ esse sistema funciona, mas na prática é que ele deve ser realmente bom e benéfico ao seu público. A demanda do SUS é muito grande, o que faz com que o sistema não consiga vencê-la, assim causando transtornos à população.

Para a dona de casa Dienifer Gomes da Silva a saúde pública do Brasil é péssima, pois já precisou várias vezes de atendimento e, em todas elas, além da demora, foi mal atendida. “Desde que minha filha nasceu, há 4 anos atrás, comecei a usar mais o SUS e sempre foi muito difícil atendimento pediátrico, principalmente no Pronto Atendimento do Patronato. Da última vez, a médica mal olhou a criança e ainda deu um diagnóstico errado”, contou Dienifer, indignada.

O SUS atende a todos, sem distinção.

Como o SUS funciona em Santa Maria

Em Santa Maria o atendimento SUS ocorre nas unidades de atendimento básico de cada bairro e vila, e nos hospitais Casa de Saúde e Hospital Universitário. Em 2016, no Brasil, o SUS realizou 2,3 bilhões de procedimentos ambulatoriais, mais de 300 milhões de consultas médicas e 2 milhões de partos, segundo informações do Ministério da Saúde.

Para atendimento no HUSM, o paciente deve primeiro ser atendido em um posto de saúde e então ser encaminhado à Secretaria de Saúde de Santa Maria que o transfere para a especialidade dentro do hospital.

A partir de então, esse paciente entrará para uma fila de espera até conseguir marcar uma consulta e, posteriormente, os exames. Os exames, dependendo de qual a finalidade, podem ou não demorar para serem realizados. Alguns também vão para a fila de espera, devido à grande demanda, exceto se for uma emergência, como acidentes, infartos, partos, AVC, entre outros. Nesses casos os pacientes internam pelo Pronto Socorro do hospital e dão entrada em um leito, seja ele no próprio Pronto Socorro, no setor de emergência obstétrico ou no bloco cirúrgico.

A técnica em enfermagem do Hospital Universitário Katiane Speroni  considera o SUS o melhor plano de saúde do Brasil, pois “ele cobre tudo”. Mas acredita que o maior problema. além da grande demanda, está associada a falta de investimentos do governo na prevenção. “Se o paciente se prevenisse, ao invés de se tratar quando descobrisse a doença, os gastos seriam bem menores para todos”, salienta ela.

A alta demanda do SUS faz com que o Sistema tenha dificuldade em atender a todos em tempo hábil.

Planos de saúde particulares são sinônimo de melhor atendimento?

As vantagens em se obter planos de saúde particulares são enormes. Porém, seus valores variam bastante e nem todas as pessoas tem condições de pagar.  Após fechar o contrato e se tornar o beneficiário de determinado plano, você começa a pagar uma mensalidade e pode então ter acesso a médicos de diferentes especialidades.

Em Santa Maria, existem várias empresas que oferecem planos. O supervisor de logística, Pablo da Costa, tem um desses planos e conta que a maior vantagem é para as urgências médicas que possa vir a  precisar, onde haverá um atendimento imediato. “Eu já precisei uma vez e, além de bem atendido, a cirurgia que necessitei foi marcada imediatamente”, contou Pablo.

A seguir uma tabela para compreender melhor como funcionam os dois sistemas:

 PLANOS DE SAÚDE PRIVADOS  SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
Só tem direito quem adere ao plano Todos têm direito
Só pode usufruir quem pagar mensalidades É gratuito
Quem pagar mais, tem direito a mais benefícios. Não existe discriminação
Idosos pagam mais caro Não existe discriminação
Doentes sofrem restrições Não existe discriminação
Existe carências para começar a utilizar os planos Não existe carência
Só realiza atendimento médico-hospitalar Dá atendimento integral
Existe planos que não cobrem alguns exames e internações. Dá atendimento integral
Não tem compromisso com prevenção de doenças Realiza prevenção de doenças e campanhas educativas
Normalmente o agendamento de consultas é feita de forma rápida e o atendimento também é rápido. Dependendo de cada caso, os agendamentos de consultas podem demorar meses, e o atendimento no dia da consulta horas

Planos de saúde pelo mundo

Nos Estados Unidos o sistema de saúde é polêmico e vem sofrendo constantes mudanças. Desde 2010 , o então presidente Barack Obama instituiu o programa Obamacare, que estabelecia que todos os cidadãos deveriam ter convênios particulares. Atualmente, também existe o Trumpcare, do atual presidente Trump.

Em países da Europa, como Inglaterra e Espanha, o Estado também se encarrega de prover saúde em troca do pagamento de impostos. Nos Estados Unidos, por outro lado, a única forma de receber atendimento é pagando um convênio particular. Pessoas abaixo da linha de pobreza e idosos são os únicos beneficiados por serviços gratuitos como o Medicare e Medicaid, que prestam apenas atendimentos mais simples e de emergência.

Na Argentina existem 3 tipos de sistemas:

-O sistema público em que é universal e gratuito utilizado pelas classes mais baixas. É financiado pelo governo.

Obras sociales: Um sistema misto, com investimentos públicos, dos trabalhadores, dos empregadores, dos pensionistas e dos aposentados. Neste o trabalhador paga a metade e o governo a outra metade.

E por fim o sistema privado de saúde: Quando uma pessoa quer usar o serviço de uma clínica privada e paga por ele.

No Uruguai pode se associar a um determinado hospital e utilizar todos os serviços dele. Também existem planos de saúde como no Brasil. Ao ter um emprego formal, o trabalhador tem direito ao plano básico, paga metade do atendimento e sua empresa a outra metade.

 

Texto e fotos produzidos pela acad. Luana Giacomelli na disciplina de Jornalismo III, no 2º semestre de 2019, e supervisionado pela professora Glaíse Palma.

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *