Série Trajetórias: live traz como convidada a professora Laura Fabrício


Por Vitória Gonçalves

 

Nesta terça-feira, 19, prosseguiu a série “Jornalismo UFN: Trajetórias”. A série marca os 18 anos do Curso de Jornalismo na Universidade Franciscana e tem como objetivo compartilhar a jornada do curso. A transmissão ao vivo, via instagram, contou com a participação da professora Laura Fabrício.

Laura é jornalista graduada pela UNIJUÍ, fotógrafa, mestra em Comunicação e Estratégias midiáticas pela UFSM e professora de fotografia desde agosto de 2003 no então Centro Universitário Franciscano – hoje, UFN. É a segunda docente mais antiga do Jornalismo, criadora e coordenadora do LABFEM – Laboratório de Fotografia e Memória. 

Na Live realizada no instagram do curso de Jornalismo (@jornalismoufn) e apresentada pelo professor Bebeto Badke, Laura abordou sua trajetória como professora da instituição e como fotógrafa. A professora ressaltou a influência do seu pai em sua carreira, e como se encontrou em Santa Maria, “a minha vinda para Santa Maria, foi porque eu era nova, desinformada e as portas se abriram para mim pela fotografia”, comentou. A convidada ainda relatou sua experiência no Diário de Santa Maria em 2002 e como contribuiu com a sua fotografia, “foi onde eu fiz o meu chão, no que diz respeito ao fotojornalismo, foi um aprendizado com gente muito importante”. 

Laura mencionou episódios vividos durante na instituição, e a cumplicidade da primeira equipe de jornalismo da UFN, “a gente continua batalhando e fazendo com que esse curso seja o melhor possível, com toda nossa paixão, com todo conhecimento que a gente vem acumulando, sobre o que é fazer jornalismo ao longo desses anos, inclusive, depois das nossas formações, das nossas capacitações, de tudo, para tentar fazer o melhor para os alunos”, comenta a professora. A orientadora finaliza compartilhando o fotógrafo que marcou a sua vida, o fotojornalista de guerra Robert Capa, e o significado da fotografia para si, “fotografia é o que eu sou hoje como pessoa”, compartilhou, “fotografia é vida, é memória, é tudo que eu sou e eu agradeço muito a fotografia por isso”, acrescentou.

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *