Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Uma lição de amor ao próximo

Com as intensas atividades cotidianas, muitas vezes, sobra pouco tempo para as pessoas se dedicarem a projetos sociais. Mas, a Catedral Diocesana de Santa Maria, através do projeto Ação Social, dá exemplo de solidariedade, dando subsídios às necessidades de pessoas carentes.

O Ação Social é desenvolvido nas dependências da Paróquia Catedral Diocesana de Santa Maria e é dividido em três partes: projeto AMAR, profissionalizante (PRO-AM-PRO) e enxoval do bebê. Os projetos contam com o apoio de voluntários que, gratuitamente, dedicam parte do seu tempo para auxiliar pessoas carentes, as quais procuram ajuda. As iniciativas começam em março e vão até o final de ano.

 

Projeto PRO-AM-PRO

O PRO-AM-PRO conta com 180 alunos e 12 cursos profissionalizantes. Os encontros acontecem uma vez por semana, das 14h às 17h. Eloah de Freitas Lima Ventura se dedica, hoje, a coordenar o Projeto Artes Manuais Profissionalizantes. Professora aposentada, há 30 anos é colaboradora em projetos sociais Para a coordenadora, não importa a religião dos inscritos. “Tenho alunas budistas, espíritas e evangélicas. Todas são acolhidas com o mesmo carinho”, salienta.

É no grande salão, entre bordados, pinturas e fitas, que as alunas aprendem uma nova profissão. As oficinas, além de ensinarem uma renda extra, servem também de consultório sentimental. “Aqui é o momento de prazer, é gratificante ver as amizades que se formam. O coleguismo que existe dá uma energia muito positiva”, explica Eloah.   No mês de junho, as alunas do PRO-AM-PRO receberam certificado de Mérito Comunitário pela participação no Dia do Desafio-SESC.

 

Saiba mais informações sobre o PRO-AM-PRO

Onde  – O projeto acontece todas às quartas-feiras, nas dependências da Catedral Diocesana de Santa Maria.

Horário – das 14h às 17h.

Custo – Não tem custo nenhum, é gratuito. Os alunos levam somente o material.

Como participar – Basta procurar a coordenadora no local. Doações de materiais podem ser entregues na secretaria da Catedral

Mais informações pelo fone: (55) 3221 2695.                    

 

Projeto AMAR

Coordenado por Edi Moreira, professora aposentada, o Projeto AMAR foi fundado em abril de 1982. Preocupada com o futuro das crianças de rua, a paróquia criou o projeto e com a ajuda da professora, que há muito tempo trabalhava como assistente social, buscou colaboradores que acreditassem na idéia.

O objetivo do PA é auxiliar crianças carentes, que apresentam dificuldades de aprendizado, retirá-las das ruas para evitar que peçam esmolas, auxiliar crianças usuárias de drogas e, principalmente, fazer o trabalho de prevenção. Os recursos são das contribuições de dízimos e de doações da comunidade. Hoje, 20 crianças e adolescentes, de 7 a 14 anos de idade, recebem orientação de professores, fonoaudióloga, psiquiatra e clínico geral.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

Grande parte das crianças vem ao encontro do projeto por intermédio do Conselho Tutelar ou pela Vara da Criança e da Juventude. No período das 8h30 até as 11h30, elas recebem atenção dos voluntários.

Foi com a ajuda das doações que montaram a estrutura para desenvolver o projeto. A casa dos menores tem cozinha, sala de brinquedos com televisão, banheiro e uma máquina de lavar. A rotina começa com o café da manhã, logo, com a ajuda de professores, fazem as tarefas da escola, participam de recreação e aprendem a fazer higienização.

A equipe de colaboradores foi treinada na CACISM, onde recebeu uma carteira, que os identifica como voluntários. Nenhuma das pessoas que participa tem vínculo empregatício e não recebe nenhum valor pela colaboração.

As mães também recebem orientação uma vez na semana, que ajuda na educação das crianças. Participam de aulas de bordados e edredons. “Orientamos as mães para que elas tenham condições de dar o mínimo possível de educação e não incentivar os filhos a irem para as ruas pedir dinheiro”, diz Edi.

A felicidade de poder participar do grupo está estampada nos rostos dos pequenos, que, muitas vezes, vivem em condições de miséria. G. C. F., de seis anos, diz ficar feliz por tomar o café da manhã junto dos amigos: “gosto de vir, porque aqui eu tomo banho, as professaras lavam minhas roupas e brinco com meus colegas”.

Ao longo dos anos, a coordenadora Edi Moreira reuniu no seu caderno de anotações um diário com a passagem das crianças que participaram do PA. Histórias de alegria, tristeza e de saudades daqueles que já não fazem mais parte do projeto podem ser evidenciadas. “Logo no início foi muito difícil trabalhar com crianças de rua. Uma manhã apareceu uma das nossas crianças com uma arma, apontando para os colegas. Mexia muito com meus sentimentos ver aqueles inocentes serem devorados por essa vida”, lamenta Edi. “Teve uma manhã que vi o pátio da sede sitiada por policias que procuravam meninos de rua, que tinham roubado uma senhora na frente da paróquia”, acrescenta.

Edi lembra das visitas que fez às casas dos menores: “Fui a uma casa em condições deploráveis, nem parecia Santa Maria, fiquei chocada com a situação que aquela família vivia. Era de extrema pobreza, a única comida que as crianças tinham era o que nós oferecíamos durante o tempo que estavam conosco”.

Saiba mais informações sobre o Projeto AMAR

Onde – Nas dependências da Paróquia no centro da cidade.

Horário-  O projeto acontece de segunda a quinta das 8h30 às 11h30

Custo- É gratuito.

Como participar – Basta procurar a coordenadora no local.

Doações de materiais podem ser entregues na secretaria da Catedral Mais informações pelo fone: (55) 3221 2695.                    

 

Projeto Enxoval do Bebê

A distribuição gratuita do enxoval do primeiro bebê a mães carentes é a meta principal do projeto. Todas as quartas-feiras, às 14h, um grupo de senhoras que participam do projeto se reúne na catedral para confeccionar e distribuir o “kit enxoval” a mães que vão até elas encaminhadas pelas paróquias da periferia da cidade. A finalidade do trabalho, além de assistencial, é de orientar a gestação no pré-natal e os primeiros cuidados com o recém nascido.

O material para confecção do enxoval vem de doações da comunidade e de ajudas do dízimo da catedral

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Com as intensas atividades cotidianas, muitas vezes, sobra pouco tempo para as pessoas se dedicarem a projetos sociais. Mas, a Catedral Diocesana de Santa Maria, através do projeto Ação Social, dá exemplo de solidariedade, dando subsídios às necessidades de pessoas carentes.

O Ação Social é desenvolvido nas dependências da Paróquia Catedral Diocesana de Santa Maria e é dividido em três partes: projeto AMAR, profissionalizante (PRO-AM-PRO) e enxoval do bebê. Os projetos contam com o apoio de voluntários que, gratuitamente, dedicam parte do seu tempo para auxiliar pessoas carentes, as quais procuram ajuda. As iniciativas começam em março e vão até o final de ano.

 

Projeto PRO-AM-PRO

O PRO-AM-PRO conta com 180 alunos e 12 cursos profissionalizantes. Os encontros acontecem uma vez por semana, das 14h às 17h. Eloah de Freitas Lima Ventura se dedica, hoje, a coordenar o Projeto Artes Manuais Profissionalizantes. Professora aposentada, há 30 anos é colaboradora em projetos sociais Para a coordenadora, não importa a religião dos inscritos. “Tenho alunas budistas, espíritas e evangélicas. Todas são acolhidas com o mesmo carinho”, salienta.

É no grande salão, entre bordados, pinturas e fitas, que as alunas aprendem uma nova profissão. As oficinas, além de ensinarem uma renda extra, servem também de consultório sentimental. “Aqui é o momento de prazer, é gratificante ver as amizades que se formam. O coleguismo que existe dá uma energia muito positiva”, explica Eloah.   No mês de junho, as alunas do PRO-AM-PRO receberam certificado de Mérito Comunitário pela participação no Dia do Desafio-SESC.

 

Saiba mais informações sobre o PRO-AM-PRO

Onde  – O projeto acontece todas às quartas-feiras, nas dependências da Catedral Diocesana de Santa Maria.

Horário – das 14h às 17h.

Custo – Não tem custo nenhum, é gratuito. Os alunos levam somente o material.

Como participar – Basta procurar a coordenadora no local. Doações de materiais podem ser entregues na secretaria da Catedral

Mais informações pelo fone: (55) 3221 2695.                    

 

Projeto AMAR

Coordenado por Edi Moreira, professora aposentada, o Projeto AMAR foi fundado em abril de 1982. Preocupada com o futuro das crianças de rua, a paróquia criou o projeto e com a ajuda da professora, que há muito tempo trabalhava como assistente social, buscou colaboradores que acreditassem na idéia.

O objetivo do PA é auxiliar crianças carentes, que apresentam dificuldades de aprendizado, retirá-las das ruas para evitar que peçam esmolas, auxiliar crianças usuárias de drogas e, principalmente, fazer o trabalho de prevenção. Os recursos são das contribuições de dízimos e de doações da comunidade. Hoje, 20 crianças e adolescentes, de 7 a 14 anos de idade, recebem orientação de professores, fonoaudióloga, psiquiatra e clínico geral.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

O projeto oferece reforço escolar, orientação educacional, alimentação, recreação e outras atividades complementares. Conta com a ajuda de profissionais voluntários, na área da Educação, Saúde e Artes. A coordenadora acredita que a soma das atividades venha refletir numa boa formação de caráter.

Grande parte das crianças vem ao encontro do projeto por intermédio do Conselho Tutelar ou pela Vara da Criança e da Juventude. No período das 8h30 até as 11h30, elas recebem atenção dos voluntários.

Foi com a ajuda das doações que montaram a estrutura para desenvolver o projeto. A casa dos menores tem cozinha, sala de brinquedos com televisão, banheiro e uma máquina de lavar. A rotina começa com o café da manhã, logo, com a ajuda de professores, fazem as tarefas da escola, participam de recreação e aprendem a fazer higienização.

A equipe de colaboradores foi treinada na CACISM, onde recebeu uma carteira, que os identifica como voluntários. Nenhuma das pessoas que participa tem vínculo empregatício e não recebe nenhum valor pela colaboração.

As mães também recebem orientação uma vez na semana, que ajuda na educação das crianças. Participam de aulas de bordados e edredons. “Orientamos as mães para que elas tenham condições de dar o mínimo possível de educação e não incentivar os filhos a irem para as ruas pedir dinheiro”, diz Edi.

A felicidade de poder participar do grupo está estampada nos rostos dos pequenos, que, muitas vezes, vivem em condições de miséria. G. C. F., de seis anos, diz ficar feliz por tomar o café da manhã junto dos amigos: “gosto de vir, porque aqui eu tomo banho, as professaras lavam minhas roupas e brinco com meus colegas”.

Ao longo dos anos, a coordenadora Edi Moreira reuniu no seu caderno de anotações um diário com a passagem das crianças que participaram do PA. Histórias de alegria, tristeza e de saudades daqueles que já não fazem mais parte do projeto podem ser evidenciadas. “Logo no início foi muito difícil trabalhar com crianças de rua. Uma manhã apareceu uma das nossas crianças com uma arma, apontando para os colegas. Mexia muito com meus sentimentos ver aqueles inocentes serem devorados por essa vida”, lamenta Edi. “Teve uma manhã que vi o pátio da sede sitiada por policias que procuravam meninos de rua, que tinham roubado uma senhora na frente da paróquia”, acrescenta.

Edi lembra das visitas que fez às casas dos menores: “Fui a uma casa em condições deploráveis, nem parecia Santa Maria, fiquei chocada com a situação que aquela família vivia. Era de extrema pobreza, a única comida que as crianças tinham era o que nós oferecíamos durante o tempo que estavam conosco”.

Saiba mais informações sobre o Projeto AMAR

Onde – Nas dependências da Paróquia no centro da cidade.

Horário-  O projeto acontece de segunda a quinta das 8h30 às 11h30

Custo- É gratuito.

Como participar – Basta procurar a coordenadora no local.

Doações de materiais podem ser entregues na secretaria da Catedral Mais informações pelo fone: (55) 3221 2695.                    

 

Projeto Enxoval do Bebê

A distribuição gratuita do enxoval do primeiro bebê a mães carentes é a meta principal do projeto. Todas as quartas-feiras, às 14h, um grupo de senhoras que participam do projeto se reúne na catedral para confeccionar e distribuir o “kit enxoval” a mães que vão até elas encaminhadas pelas paróquias da periferia da cidade. A finalidade do trabalho, além de assistencial, é de orientar a gestação no pré-natal e os primeiros cuidados com o recém nascido.

O material para confecção do enxoval vem de doações da comunidade e de ajudas do dízimo da catedral