Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Bem Viver: um projeto de cooperativismo

Um projeto que já está dando resultados. Assim pode-se definir a Cooperativa Bem Viver que realiza trabalho com 21 catadores de materiais recicláveis na cidade de São Pedro do Sul, região central do Rio Grande do Sul, onde também está localizada sua sede. Desde a inauguração, em 1° de julho deste ano, a Bem Viver está possibilitando aos catadores a valorização de seu trabalho.

 Antes da Cooperativa, os catadores coletavam uma certa quantia de material. Porém, por não possuírem um local para armazenar e também por precisarem do dinheiro da coleta para sobreviver, acabavam vendendo o material para atravessadores de outras cidades por um preço muito baixo.

Através da Bem Viver, os cooperados passaram a comercializar seus materiais por um preço justo, já que agora possuem o prédio da cooperativa para armazenar a coleta. Isso possibilita que o material seja vendido em grande quantidade e de uma só vez.

       A idéia de criar a cooperativa partiu da estudante de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (Unifra), Daiana Schneider Vieira, 22 anos. Daiana, que é natural de São Pedro do Sul, sempre gostou da área de psicologia comunitária, por isso resolveu participar da disciplina optativa “Psicologia e Desenvolvimento Comunitário”. O objetivo da disciplina era criar um projeto de intervenção em uma comunidade.

      Para efetivar seu projeto, a estudante resolveu propor as entidades LIONS e LEO Clube, a idéia de realizar um trabalho com catadores de materiais recicláveis através de uma Cooperativa. O objetivo de seu projeto seria o de conscientizar a população quanto à separação do lixo, e principalmente, proporcionar melhores condições de trabalho aos catadores da cidade.

    Outra finalidade seria a de ter um local onde os catadores pudessem armazenar o material coletado, acumulando uma grande quantidade para vender a empresas que valorizassem o produto. “Fui bastante feliz nessa proposta, pois tanto o LIONS quanto o LEO Clube, não pensaram duas vezes em me apoiar e estão dando todo o respaldo que preciso” afirma Daiana.

       A estudante, que também é coordenadora geral do projeto Bem Viver, diz que os catadores estão demonstrando um grande empenho para que o trabalho na cooperativa tenha sucesso. “Sempre que marcamos reuniões, a grande maioria comparece e cumpre com seus deveres. Eles ajudam uns aos outros e parecem ter encarado o espírito cooperativo. Quando um tem material que não consegue levar até a cooperativa, outro que tem carrinho busca esse material e ajuda a pesar e guardar lá” diz.

       Os catadores contam que estão gostando de participar da Cooperativa Bem viver. Muitos afirmam que as pessoas passaram a confiar mais em seus trabalhos. “O comportamento das pessoas na rua mudou, eles passaram a nos respeitar” diz a catadora Marina Rodrigues da Silva, 38 anos. Marina acredita ainda que desempenha um papel importante através de seu trabalho. “Com a questão do aquecimento global, o nosso trabalho é muito importante, me sinto até orgulhosa”, festeja.

      O catador João Batista Munhoz, 38 anos, afirma que trabalhar na companhia dos colegas é uma das coisas boas da cooperativa. “Eles são pessoas muito boas” diz João. Ele salienta que o apoio da comunidade de São Pedro do Sul tem sido importante para a realização do trabalho dos catadores. “A maioria das pessoas está deixando o lixo separado. Isso é muito bom e se mais pessoas puderem deixar, melhor”, ressalta.

      A Bem Viver é organizada através de uma diretoria composta pelos próprios catadores, que ocupam os cargos de presidente, vice-presidente, secretário e tesoureiro.  Também há um conselho fiscal composto por três cooperados e um segundo tesoureiro. Existe ainda uma escala, onde cada catador doa um dia de seu trabalho para ficar na cooperativa recebendo, pesando e armazenando o material (foto-Gilberto Lampert, Especial para ACS).  Os participantes levam o material para a cooperativa à medida em que os arrecadam, onde ficam armazenados até se conseguir uma boa quantia e logo após é feita a venda para o comprador que manter o melhor preço.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Um projeto que já está dando resultados. Assim pode-se definir a Cooperativa Bem Viver que realiza trabalho com 21 catadores de materiais recicláveis na cidade de São Pedro do Sul, região central do Rio Grande do Sul, onde também está localizada sua sede. Desde a inauguração, em 1° de julho deste ano, a Bem Viver está possibilitando aos catadores a valorização de seu trabalho.

 Antes da Cooperativa, os catadores coletavam uma certa quantia de material. Porém, por não possuírem um local para armazenar e também por precisarem do dinheiro da coleta para sobreviver, acabavam vendendo o material para atravessadores de outras cidades por um preço muito baixo.

Através da Bem Viver, os cooperados passaram a comercializar seus materiais por um preço justo, já que agora possuem o prédio da cooperativa para armazenar a coleta. Isso possibilita que o material seja vendido em grande quantidade e de uma só vez.

       A idéia de criar a cooperativa partiu da estudante de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (Unifra), Daiana Schneider Vieira, 22 anos. Daiana, que é natural de São Pedro do Sul, sempre gostou da área de psicologia comunitária, por isso resolveu participar da disciplina optativa “Psicologia e Desenvolvimento Comunitário”. O objetivo da disciplina era criar um projeto de intervenção em uma comunidade.

      Para efetivar seu projeto, a estudante resolveu propor as entidades LIONS e LEO Clube, a idéia de realizar um trabalho com catadores de materiais recicláveis através de uma Cooperativa. O objetivo de seu projeto seria o de conscientizar a população quanto à separação do lixo, e principalmente, proporcionar melhores condições de trabalho aos catadores da cidade.

    Outra finalidade seria a de ter um local onde os catadores pudessem armazenar o material coletado, acumulando uma grande quantidade para vender a empresas que valorizassem o produto. “Fui bastante feliz nessa proposta, pois tanto o LIONS quanto o LEO Clube, não pensaram duas vezes em me apoiar e estão dando todo o respaldo que preciso” afirma Daiana.

       A estudante, que também é coordenadora geral do projeto Bem Viver, diz que os catadores estão demonstrando um grande empenho para que o trabalho na cooperativa tenha sucesso. “Sempre que marcamos reuniões, a grande maioria comparece e cumpre com seus deveres. Eles ajudam uns aos outros e parecem ter encarado o espírito cooperativo. Quando um tem material que não consegue levar até a cooperativa, outro que tem carrinho busca esse material e ajuda a pesar e guardar lá” diz.

       Os catadores contam que estão gostando de participar da Cooperativa Bem viver. Muitos afirmam que as pessoas passaram a confiar mais em seus trabalhos. “O comportamento das pessoas na rua mudou, eles passaram a nos respeitar” diz a catadora Marina Rodrigues da Silva, 38 anos. Marina acredita ainda que desempenha um papel importante através de seu trabalho. “Com a questão do aquecimento global, o nosso trabalho é muito importante, me sinto até orgulhosa”, festeja.

      O catador João Batista Munhoz, 38 anos, afirma que trabalhar na companhia dos colegas é uma das coisas boas da cooperativa. “Eles são pessoas muito boas” diz João. Ele salienta que o apoio da comunidade de São Pedro do Sul tem sido importante para a realização do trabalho dos catadores. “A maioria das pessoas está deixando o lixo separado. Isso é muito bom e se mais pessoas puderem deixar, melhor”, ressalta.

      A Bem Viver é organizada através de uma diretoria composta pelos próprios catadores, que ocupam os cargos de presidente, vice-presidente, secretário e tesoureiro.  Também há um conselho fiscal composto por três cooperados e um segundo tesoureiro. Existe ainda uma escala, onde cada catador doa um dia de seu trabalho para ficar na cooperativa recebendo, pesando e armazenando o material (foto-Gilberto Lampert, Especial para ACS).  Os participantes levam o material para a cooperativa à medida em que os arrecadam, onde ficam armazenados até se conseguir uma boa quantia e logo após é feita a venda para o comprador que manter o melhor preço.