Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Canto, música e dança na Ibitory-retan

O palco do Theatro Treze de Maio se transformou na Ibitory-retan, termo indígena que significa Terra da Alegria, na noite de ontem. O Musical Imembuy retratou a lenda da origem da cidade a partir do conto do escritor santa-mariense Cezimbra Jacques. O espetáculo dirigido por Bebeto Badke foi escrito por Orlando Fonseca e musicado por Otávio Segala, com arranjos musicais de Ricardo Freire.

A índia Imembuy e o bandeirante Rodrigo cantaram e dançaram sua história de amor em uma adaptação moderna do conto publicado em 1912. “Eu trabalho com a noção tribos urbanas, Santa Maria hoje representada a partir de uma lenda atualizada” afirma o diretor do musical Bebeto Badke.

A montagem da lenda trouxe uma mistura do ballet clássico da Escola de Dança Royalle e o street dance do Estúdio Fernando Serpa. “No início foi difícil, mas muito bom trabalhar com um estilo diferente” conta a bailarina Marilie da Silva.

Cezimbra Jacques aparece representado para coroar o final da apresentação com imagens da Santa Maria das décadas de 40, 50, 60 e 70. As imagens foram cedidas pela Casa de Memória Edmundo Cardoso e selecionadas por Luiz Alberto Cassol.

Apresentar o espetáculo na semana de aniversário da cidade é mais um presente para os santa-marienses. “Eu tenho um apreço muito grande pela minha cidade e acho que as pessoas devem ter projetos para a cidade, me orgulho muito de, nesse momento, estar dando um presente para a cidade”, afirma o escritor da peça, Orlando Fonseca, que trabalha no resgate do conto desde 1994.

 

Próximo espetáculo

Os convites para o Musical Imembuy foram distribuídos no Theatro Treze de Maio durante a semana. Infelizmente, as três seções oferecidas estão esgotadas. O vice-prefeito Werner Rempel foi prestigiar o musical e afirmou que a Prefeitura Municipal de Santa Maria estaria interessada em levar a peça para a periferia da cidade. “Estamos na expectativa de captar recursos para levar a peça para os quatro cantos da cidade.”

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O palco do Theatro Treze de Maio se transformou na Ibitory-retan, termo indígena que significa Terra da Alegria, na noite de ontem. O Musical Imembuy retratou a lenda da origem da cidade a partir do conto do escritor santa-mariense Cezimbra Jacques. O espetáculo dirigido por Bebeto Badke foi escrito por Orlando Fonseca e musicado por Otávio Segala, com arranjos musicais de Ricardo Freire.

A índia Imembuy e o bandeirante Rodrigo cantaram e dançaram sua história de amor em uma adaptação moderna do conto publicado em 1912. “Eu trabalho com a noção tribos urbanas, Santa Maria hoje representada a partir de uma lenda atualizada” afirma o diretor do musical Bebeto Badke.

A montagem da lenda trouxe uma mistura do ballet clássico da Escola de Dança Royalle e o street dance do Estúdio Fernando Serpa. “No início foi difícil, mas muito bom trabalhar com um estilo diferente” conta a bailarina Marilie da Silva.

Cezimbra Jacques aparece representado para coroar o final da apresentação com imagens da Santa Maria das décadas de 40, 50, 60 e 70. As imagens foram cedidas pela Casa de Memória Edmundo Cardoso e selecionadas por Luiz Alberto Cassol.

Apresentar o espetáculo na semana de aniversário da cidade é mais um presente para os santa-marienses. “Eu tenho um apreço muito grande pela minha cidade e acho que as pessoas devem ter projetos para a cidade, me orgulho muito de, nesse momento, estar dando um presente para a cidade”, afirma o escritor da peça, Orlando Fonseca, que trabalha no resgate do conto desde 1994.

 

Próximo espetáculo

Os convites para o Musical Imembuy foram distribuídos no Theatro Treze de Maio durante a semana. Infelizmente, as três seções oferecidas estão esgotadas. O vice-prefeito Werner Rempel foi prestigiar o musical e afirmou que a Prefeitura Municipal de Santa Maria estaria interessada em levar a peça para a periferia da cidade. “Estamos na expectativa de captar recursos para levar a peça para os quatro cantos da cidade.”