Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Pelos filhos, a saída é ficar longe deles

Nem no dia delas, elas conseguem ficar perto dos filhos. Mães que trabalham ou que estão longe, reclamam que o maior presente que poderiam ganhar era ficar perto dos seus filhos no segundo domingo de maio. Mas, também, afirmam que são eles o motivo pelo qual elas suportam a ausência.

Margareth Souza trabalha em um posto de gasolina há três anos e confessa que há dois, não consegue almoçar com o filho Gabri, de 6 anos, e só chega em casa à noite, quando ele já está dormindo. “Eu sei que ele deve sentir falta, mas é por ele que estou aqui, espero que um dia ele entenda” analisa ela.

A vendedora Sônia Ferraz não pode passar o dia das mães com sua filha Lorena, por que ela estuda em Porto Alegre. “Ela me liga mais do que o normal no domingo e chora também, meu coração fica apertado dá vontade de sair correndo” lamenta Sônia que há três anos não comemora seu dia com a filha.

Apesar da distância ou da falta de tempo, os filhos entendem que, de longe ou de perto, as mães estão sempre presentes. Juliano Marco da Luz é filho de Lucinda, que é garçonete de um restaurante. “Eu tenho muito orgulho de ter uma mãe batalhadora assim, quando ela chega em casa de noite eu dou um abraço bem apertado” diz Juliano.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nem no dia delas, elas conseguem ficar perto dos filhos. Mães que trabalham ou que estão longe, reclamam que o maior presente que poderiam ganhar era ficar perto dos seus filhos no segundo domingo de maio. Mas, também, afirmam que são eles o motivo pelo qual elas suportam a ausência.

Margareth Souza trabalha em um posto de gasolina há três anos e confessa que há dois, não consegue almoçar com o filho Gabri, de 6 anos, e só chega em casa à noite, quando ele já está dormindo. “Eu sei que ele deve sentir falta, mas é por ele que estou aqui, espero que um dia ele entenda” analisa ela.

A vendedora Sônia Ferraz não pode passar o dia das mães com sua filha Lorena, por que ela estuda em Porto Alegre. “Ela me liga mais do que o normal no domingo e chora também, meu coração fica apertado dá vontade de sair correndo” lamenta Sônia que há três anos não comemora seu dia com a filha.

Apesar da distância ou da falta de tempo, os filhos entendem que, de longe ou de perto, as mães estão sempre presentes. Juliano Marco da Luz é filho de Lucinda, que é garçonete de um restaurante. “Eu tenho muito orgulho de ter uma mãe batalhadora assim, quando ela chega em casa de noite eu dou um abraço bem apertado” diz Juliano.