Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Chegada da gripe muda comportamentos

 O anúncio de que a gripe A chegou em Santa Maria provocou uma corrida às farmácias da cidade em busca de máscaras. O uso desse meio de proteção é recomendado já que o vírus H1N1 é novo e as pessoas ainda não desenvolveram resistência a ele, fato que explica a rapidez com que a doença se espalhou pelo mundo.

 

 

 A farmacêutica Melissa Brasil, que trabalha em uma farmácia na rua Venâncio Aires, conta que desde o dia 24 de junho tem vendido em torno de 80 máscaras cirúrgicas por dia, a grande maioria, para pessoas que vão viajar, mesmo que para longe das áreas de risco. “O pessoal está procurando tanto a máscara como outros meios de evitar a gripe. Teve gente procurando até por vitamina C injetável”, diz. “Eles têm muitas dúvidas sobre a gripe e a eficácia das máscaras”, completa.

Segundo o gerente de um estabelecimento localizado na avenida Rio Branco que preferiu não se identificar, o estoque de máscaras está mais baixo por causa da grande procura “embora ainda não se note muita gente usando”, comenta.

O farmacêutico Airton Grundling afirma que o movimento na farmácia em que atende, também na avenida Rio Branco, está mais intenso. Porém, ele  acredita que o aumento esteja diretamente ligado à estação do ano, que costuma trazer mais gente em busca de anti-gripais do que a nova gripe. “Essa época aumenta a procura por vitaminas por conta da estação”, explica.

Um dado curioso é que diversas farmácias do centro da cidade não trabalham com a venda de máscaras. É importante lembrar que apesar da alta procura, este produto não é o ideal para a prevenção da nova gripe. Isto porque a máscara tem uma validade estimada em três ou quatro horas apenas.

 

Município se prepara

O diretor geral da Secretaria de Saúde de Santa Maria, Luiz Skinovsky, afirma que a cidade está preparada para atender casos da nova gripe: “Os profissionais receberam orientações de uma infectologista. Estão capacitados, mas é difícil a identificação porque os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal, comum neste período”.

No momento, pessoas com sintomas podem procurar a unidade básica de saúde para serem avaliados e, se necessário, encaminhados ao HUSM para realização de exames.

Skinovsky ressalta: “Não é necessário alarde. É considerado suspeito apenas quem teve contado com pessoas que vieram da Argentina há pouco tempo e que têm sintomas da doença”.

Na última sexta-feira, 26 de junho, uma reunião definiu a criação de sete Grupos de Trabalho (GTs) em Santa Maria. Eles farão uma prevenção à gripe através de medidas e estratégias para combater o avanço da Influenza A. A ação é coordenada pela Defesa Civil Estadual, Defesa Civil Municipal, UFSM, Secretaria Municipal de Saúde e 4° Coordenadoria Regional de Saúde.

Segundo a Defesa Civil, a orientação será feita através de material gráfico explicativo e abordagens. Admir Nascimento explica que os grupos atuam em diferentes locais. Além das medidas de prevenção nas unidades de saúde, haverá postos fixos na rodoviária e no Calçadão, serão feitas visitas às escolas da cidade, empresas e comércio e o Exército e as polícias rodoviária e federal vão realizar blitzes no trânsito.

 

O atendimento

O atendimento aos casos suspeitos de gripe A é feito no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), onde o Núcleo de Vigilância Epidemiológica tem divulgado boletins diários com informações sobre a paciente internada na UTI e sobre o número de pacientes com sintomas de gripe que chegam ao Hospital. Destes, 11 foram notificados e tiveram material coletado para análise nos últimos dias. O resultado dos exames leva de 4 a 5 dias úteis para sair.

Foram confirmados, até agora, 5 casos de infecção por Influenza H1N1 em Santa Maria, 4 deles procedentes de Buenos Aires, e 1 deles contatante domiciliar de uma das pacientes procedentes de Buenos Aires. Todos foram liberados e retomaram suas atividades com condições estáveis de saúde, garante um dos médicos responsáveis no HUSM, Dr. Fábio Lopes Pedro.

 

Na Unifra

A Reitora da Unifra, professora Irani Rupolo, recebeu, na última terça-feira, 30 de junho, correspondência eletrônica da Delegada Regional de Saúde, Claudete Schroeder Lopes, com informação que tranquiliza a comunidade acadêmica e reitera a adequação dos procedimentos adotados pela Instituição como medidas de prevenção à gripe tipo A.

A correspondência informa que o exame do aluno da Unifra, que estava com suspeita de H1N1, teve resultado negativo. O documento também parabeniza a Instituição pelas atitudes tomadas, incluindo o caso da professora, que exerceu seu papel de cidadã no isolamento ao qual foi encaminhada, evitando possíveis contágios.

 

Saiba sobre a ocorrência da Gripe A no Estado

 

Fotos: Giuliano Olivar (Laboratório de Fotografia e Memória)

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

 O anúncio de que a gripe A chegou em Santa Maria provocou uma corrida às farmácias da cidade em busca de máscaras. O uso desse meio de proteção é recomendado já que o vírus H1N1 é novo e as pessoas ainda não desenvolveram resistência a ele, fato que explica a rapidez com que a doença se espalhou pelo mundo.

 

 

 A farmacêutica Melissa Brasil, que trabalha em uma farmácia na rua Venâncio Aires, conta que desde o dia 24 de junho tem vendido em torno de 80 máscaras cirúrgicas por dia, a grande maioria, para pessoas que vão viajar, mesmo que para longe das áreas de risco. “O pessoal está procurando tanto a máscara como outros meios de evitar a gripe. Teve gente procurando até por vitamina C injetável”, diz. “Eles têm muitas dúvidas sobre a gripe e a eficácia das máscaras”, completa.

Segundo o gerente de um estabelecimento localizado na avenida Rio Branco que preferiu não se identificar, o estoque de máscaras está mais baixo por causa da grande procura “embora ainda não se note muita gente usando”, comenta.

O farmacêutico Airton Grundling afirma que o movimento na farmácia em que atende, também na avenida Rio Branco, está mais intenso. Porém, ele  acredita que o aumento esteja diretamente ligado à estação do ano, que costuma trazer mais gente em busca de anti-gripais do que a nova gripe. “Essa época aumenta a procura por vitaminas por conta da estação”, explica.

Um dado curioso é que diversas farmácias do centro da cidade não trabalham com a venda de máscaras. É importante lembrar que apesar da alta procura, este produto não é o ideal para a prevenção da nova gripe. Isto porque a máscara tem uma validade estimada em três ou quatro horas apenas.

 

Município se prepara

O diretor geral da Secretaria de Saúde de Santa Maria, Luiz Skinovsky, afirma que a cidade está preparada para atender casos da nova gripe: “Os profissionais receberam orientações de uma infectologista. Estão capacitados, mas é difícil a identificação porque os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal, comum neste período”.

No momento, pessoas com sintomas podem procurar a unidade básica de saúde para serem avaliados e, se necessário, encaminhados ao HUSM para realização de exames.

Skinovsky ressalta: “Não é necessário alarde. É considerado suspeito apenas quem teve contado com pessoas que vieram da Argentina há pouco tempo e que têm sintomas da doença”.

Na última sexta-feira, 26 de junho, uma reunião definiu a criação de sete Grupos de Trabalho (GTs) em Santa Maria. Eles farão uma prevenção à gripe através de medidas e estratégias para combater o avanço da Influenza A. A ação é coordenada pela Defesa Civil Estadual, Defesa Civil Municipal, UFSM, Secretaria Municipal de Saúde e 4° Coordenadoria Regional de Saúde.

Segundo a Defesa Civil, a orientação será feita através de material gráfico explicativo e abordagens. Admir Nascimento explica que os grupos atuam em diferentes locais. Além das medidas de prevenção nas unidades de saúde, haverá postos fixos na rodoviária e no Calçadão, serão feitas visitas às escolas da cidade, empresas e comércio e o Exército e as polícias rodoviária e federal vão realizar blitzes no trânsito.

 

O atendimento

O atendimento aos casos suspeitos de gripe A é feito no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), onde o Núcleo de Vigilância Epidemiológica tem divulgado boletins diários com informações sobre a paciente internada na UTI e sobre o número de pacientes com sintomas de gripe que chegam ao Hospital. Destes, 11 foram notificados e tiveram material coletado para análise nos últimos dias. O resultado dos exames leva de 4 a 5 dias úteis para sair.

Foram confirmados, até agora, 5 casos de infecção por Influenza H1N1 em Santa Maria, 4 deles procedentes de Buenos Aires, e 1 deles contatante domiciliar de uma das pacientes procedentes de Buenos Aires. Todos foram liberados e retomaram suas atividades com condições estáveis de saúde, garante um dos médicos responsáveis no HUSM, Dr. Fábio Lopes Pedro.

 

Na Unifra

A Reitora da Unifra, professora Irani Rupolo, recebeu, na última terça-feira, 30 de junho, correspondência eletrônica da Delegada Regional de Saúde, Claudete Schroeder Lopes, com informação que tranquiliza a comunidade acadêmica e reitera a adequação dos procedimentos adotados pela Instituição como medidas de prevenção à gripe tipo A.

A correspondência informa que o exame do aluno da Unifra, que estava com suspeita de H1N1, teve resultado negativo. O documento também parabeniza a Instituição pelas atitudes tomadas, incluindo o caso da professora, que exerceu seu papel de cidadã no isolamento ao qual foi encaminhada, evitando possíveis contágios.

 

Saiba sobre a ocorrência da Gripe A no Estado

 

Fotos: Giuliano Olivar (Laboratório de Fotografia e Memória)