Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Conhecimento aliado à inovação

"Não há empresa inovadora se a sociedade
não for inovadora".
Ciência, Tecnologia e Inovação – Desafios e Perspectivas no Contexto Brasileiro foi o tema da conferência de encerramento do XIII Simpósio de Ensino
Pesquisa e Extensão (SEPE), com o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Mota. A palestra ocorreu na Unifra, na última sexta-feira, dia 13.

“Produzir ciência é ir além da fronteira do conhecimento, enquanto
tecnologia está associada a equipamentos, produtos e processos que
decorrem da ciência e transformam conhecimento em algo específico.
Quanto à inovação, é a roda em andamento”, diz o professor universitário, hoje no MCT.

A
inovação no contexto atual é relevante. É a soma de ideias, mais
formas de produção, mais consumo de mercado. “A boa ideia só é
inovação quando afeta o mundo real e ganha consumidores. Para existir
inovação tem de existir empresas”, pontua o palestrante.

Segundo
o professor, a grande dificuldade hoje é de como se relaciona à produção
de investimentos com a indústria, que se estabelece com carência de
pesquisa e desenvolvimento. Exemplos brasileiros de
inovação podem ser o Pré-Sal (Brasil como primeiro
país a extrair petróleo abaixo da camada do sal) e Embrapa – em atuações
de transmissão de conhecimento que vão das universidades à incorporação
da tecnologia que se estende aos produtores. 

Também foi comentado por Ronaldo Mota* o exemplo da proporção de  ritmos musicais que uma sociedade domina ou pratica. A pluralidade musical seria, em tese, grande potencial inovador.

A
importância em administrar o conhecimento, bem como a atuação do
professor em estimular pessoas a serem inovadoras foram abordadas.
Enxergar o conhecimento como transformador e reciclar as metodologias
de ensino que privilegiem o trabalho em equipe e não mais individual,
já é um passo. “O mundo mudou. Formar pessoas já não é o suficiente,
hoje necessitamos aprender a transformar o que já aprendemos. A
inovação é a mudança mais relevante no mundo todo.Você deve aprender a
aprender.

  

 *Ronaldo
Mota possui bacharelado em Física pela Universidade de São Paulo, mestrado na Universidade Federal da Bahia, doutorado na
Universidade Federal de Pernambuco e pós-doutorados na
University of British Columbia-Canadá e na University of Utah. É professor titular da
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e, atualmente, secretário do MCT.Ocupou outros
cargos no MCT e no MEC, onde já assumiu interinamente como ministro da Educação.

 

 

 
Foto: Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

"Não há empresa inovadora se a sociedade
não for inovadora".
Ciência, Tecnologia e Inovação – Desafios e Perspectivas no Contexto Brasileiro foi o tema da conferência de encerramento do XIII Simpósio de Ensino
Pesquisa e Extensão (SEPE), com o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Mota. A palestra ocorreu na Unifra, na última sexta-feira, dia 13.

“Produzir ciência é ir além da fronteira do conhecimento, enquanto
tecnologia está associada a equipamentos, produtos e processos que
decorrem da ciência e transformam conhecimento em algo específico.
Quanto à inovação, é a roda em andamento”, diz o professor universitário, hoje no MCT.

A
inovação no contexto atual é relevante. É a soma de ideias, mais
formas de produção, mais consumo de mercado. “A boa ideia só é
inovação quando afeta o mundo real e ganha consumidores. Para existir
inovação tem de existir empresas”, pontua o palestrante.

Segundo
o professor, a grande dificuldade hoje é de como se relaciona à produção
de investimentos com a indústria, que se estabelece com carência de
pesquisa e desenvolvimento. Exemplos brasileiros de
inovação podem ser o Pré-Sal (Brasil como primeiro
país a extrair petróleo abaixo da camada do sal) e Embrapa – em atuações
de transmissão de conhecimento que vão das universidades à incorporação
da tecnologia que se estende aos produtores. 

Também foi comentado por Ronaldo Mota* o exemplo da proporção de  ritmos musicais que uma sociedade domina ou pratica. A pluralidade musical seria, em tese, grande potencial inovador.

A
importância em administrar o conhecimento, bem como a atuação do
professor em estimular pessoas a serem inovadoras foram abordadas.
Enxergar o conhecimento como transformador e reciclar as metodologias
de ensino que privilegiem o trabalho em equipe e não mais individual,
já é um passo. “O mundo mudou. Formar pessoas já não é o suficiente,
hoje necessitamos aprender a transformar o que já aprendemos. A
inovação é a mudança mais relevante no mundo todo.Você deve aprender a
aprender.

  

 *Ronaldo
Mota possui bacharelado em Física pela Universidade de São Paulo, mestrado na Universidade Federal da Bahia, doutorado na
Universidade Federal de Pernambuco e pós-doutorados na
University of British Columbia-Canadá e na University of Utah. É professor titular da
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e, atualmente, secretário do MCT.Ocupou outros
cargos no MCT e no MEC, onde já assumiu interinamente como ministro da Educação.

 

 

 
Foto: Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)