Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Depois de um dia calmo, agora é esperar o resultado

As eleições para presidente da República encerram às 17h.  A divulgação dos resultados só deve sair por volta das 20h. 

 

 

eleicoes2010_seg_turno_gabiperufo.jpgNas eleições deste domingo algumas mudanças puderam ser percebidas na cidade. Além de ter somente um candidato em quem votar – presidente da República -, o eleitor percebia que a maioria das ruas estavam mais limpas e as sessões eleitorais mais calmas, diferentemente do primeiro turno. Nenhuma ocorrência grave foi registrada no Cartório Eleitoral e nem na Polícia Federal. Dois locais de votação próximos um do outro – as escolas Cilon Rosa e Marieta D’Ambrósio – apresentavam as calçadas sujas com material impresso de campanha.

 

Até às 16h deste domingo, o Cartório Eleitoral informou que nada de grave havia ocorrido, e que o único problema foi em uma urna que teve que ser trocada.

 

A tarde deste domingo estava tranquila – quem deixou para escolher o presidente neste horário não precisou enfrentar filas e pôde votar em apenas alguns segundos. No primeiro turno as pessoas demoraram cerca de um minuto e meio para votar, já no segundo, o tempo foi de, aproximadamente, 30 segundos.

 

 

 

 

Justificativas 

eleicoes2010_estudanteenfermagem_gabiperufo.jpgQuem não conseguiu ir à sua cidade para exercer a cidadania deveria justificar o voto. Na Escola Estadual Olavo Bilac, a fila para justificar era maior e mais movimentada do que nas sessões eleitorais. Para a estudante de Enfermagem Tatiele de Paula, 23 anos, natural de São Borja, o segundo turno foi melhor na questão da limpeza, no entanto, os insultos entre os candidatos a incomodaram um pouco. “Poucas ideias e mais ofensas entre eles. Poderiam discutir possibilidades, propostas”.

Apesar de não ter conseguido votar, a estudante acharia melhor se tivesse conseguido ir exercer seu direito. “É uma pena, não pude ir mesmo dessa vez”, fala, mas diz ter um candidato para torcer. “O meu candidato é o mesmo do primeiro turno”.

Mal entendido

Em uma das sessões da Escola Olavo Bilac, houve um mal entendido entre os mesários e uma eleitora. Segundo a presidente da mesa, Fabiana Jobim, 22 anos, a eleitora os denunciou no Cartório Eleitoral alegando que eles estavam com “botons” de candidatos nas roupas. “Não estamos fazendo nada, não sabemos por que ela falou isso”, reclama Fabiana.

A presidente da mesa acrescenta que o motivo do mal entendido foi pelo fato de um dos mesários estar usando fones de ouvido. “Ele só estava com fones, não tinha mais nada, mesmo. Não sabemos por que ela falou aquilo”, conta. Fabiana ainda ressalta que algumas pessoas foram mal educadas na hora de votar. “Tem pessoas que não sei o que pensam de nós. Estamos aqui de voluntários e ainda recebemos xingamentos”.

O caso sobre a eleitora e os mesários foi somente um mal entendido. Segundo a Polícia Federal, nenhum fato de grande proporção foi registrado na cidade e, nesse caso, possivelmente o problema tenha sido resolvido no local e não foi preciso ser levado adiante.

Além dessa confusão, outro fato que chamou a atenção foi o número de pessoas que não haviam ido votar  nessa sessão no Bilac. Segundo os mesários, 338 pessoas estavam na lista, mas somente 190 tinham comparecido até as 15h30min.

Fotos: Pedro Porto e Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As eleições para presidente da República encerram às 17h.  A divulgação dos resultados só deve sair por volta das 20h. 

 

 

eleicoes2010_seg_turno_gabiperufo.jpgNas eleições deste domingo algumas mudanças puderam ser percebidas na cidade. Além de ter somente um candidato em quem votar – presidente da República -, o eleitor percebia que a maioria das ruas estavam mais limpas e as sessões eleitorais mais calmas, diferentemente do primeiro turno. Nenhuma ocorrência grave foi registrada no Cartório Eleitoral e nem na Polícia Federal. Dois locais de votação próximos um do outro – as escolas Cilon Rosa e Marieta D’Ambrósio – apresentavam as calçadas sujas com material impresso de campanha.

 

Até às 16h deste domingo, o Cartório Eleitoral informou que nada de grave havia ocorrido, e que o único problema foi em uma urna que teve que ser trocada.

 

A tarde deste domingo estava tranquila – quem deixou para escolher o presidente neste horário não precisou enfrentar filas e pôde votar em apenas alguns segundos. No primeiro turno as pessoas demoraram cerca de um minuto e meio para votar, já no segundo, o tempo foi de, aproximadamente, 30 segundos.

 

 

 

 

Justificativas 

eleicoes2010_estudanteenfermagem_gabiperufo.jpgQuem não conseguiu ir à sua cidade para exercer a cidadania deveria justificar o voto. Na Escola Estadual Olavo Bilac, a fila para justificar era maior e mais movimentada do que nas sessões eleitorais. Para a estudante de Enfermagem Tatiele de Paula, 23 anos, natural de São Borja, o segundo turno foi melhor na questão da limpeza, no entanto, os insultos entre os candidatos a incomodaram um pouco. “Poucas ideias e mais ofensas entre eles. Poderiam discutir possibilidades, propostas”.

Apesar de não ter conseguido votar, a estudante acharia melhor se tivesse conseguido ir exercer seu direito. “É uma pena, não pude ir mesmo dessa vez”, fala, mas diz ter um candidato para torcer. “O meu candidato é o mesmo do primeiro turno”.

Mal entendido

Em uma das sessões da Escola Olavo Bilac, houve um mal entendido entre os mesários e uma eleitora. Segundo a presidente da mesa, Fabiana Jobim, 22 anos, a eleitora os denunciou no Cartório Eleitoral alegando que eles estavam com “botons” de candidatos nas roupas. “Não estamos fazendo nada, não sabemos por que ela falou isso”, reclama Fabiana.

A presidente da mesa acrescenta que o motivo do mal entendido foi pelo fato de um dos mesários estar usando fones de ouvido. “Ele só estava com fones, não tinha mais nada, mesmo. Não sabemos por que ela falou aquilo”, conta. Fabiana ainda ressalta que algumas pessoas foram mal educadas na hora de votar. “Tem pessoas que não sei o que pensam de nós. Estamos aqui de voluntários e ainda recebemos xingamentos”.

O caso sobre a eleitora e os mesários foi somente um mal entendido. Segundo a Polícia Federal, nenhum fato de grande proporção foi registrado na cidade e, nesse caso, possivelmente o problema tenha sido resolvido no local e não foi preciso ser levado adiante.

Além dessa confusão, outro fato que chamou a atenção foi o número de pessoas que não haviam ido votar  nessa sessão no Bilac. Segundo os mesários, 338 pessoas estavam na lista, mas somente 190 tinham comparecido até as 15h30min.

Fotos: Pedro Porto e Gabriela Perufo (Laboratório de Fotografia e Memória)