Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Cada vez menos humanos

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

Santa Maria, 19 de novembro de 2011.

A
data consubstancia o lugar e o tempo no qual este comentário é escrito. Tempo
estranho, oscilando do total desvario a períodos de razoável sanidade.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

 Nos últimos meses
muito tem sido visto no cenário internacional em termos de reivindicações de
países e novos rearranjos de forças – a dita primavera árabe. A bem da verdade,
a Líbia constituiu um caso à parte: único país com um dito ditador com
aspirações socialistas – ou seriam socializantes; tremendamente marcado por um
nacionalismo sedutor num primeiro momento de manifestações acaloradas de
pertencimento da população. O nacionalismo é um sentimento baseado na irracionalidade
– essa que nutre e faz nascerem as guerras e os desentendimentos mais difíceis
de superar entre os Estados.

Nesse ínterim, a morte de Kadhafi se dá quase ao vivo –
sendo filmada, retratada e divulgada por seus algozes e retuitada – repercutida
mundo afora como mais um episódio numa guerra. Nessas nossas guerras
contemporâneas, tão cheias de tecnologia e imagens aéreas, o assassinato do
ex-ditador é um das raras cenas em que vemos sangue humano escorrendo, mais que
isso, vemos um homem implorando por sua vida de forma desesperada e vã. Ele é
morto, torturado, exposto, humilhado como um Judas – como se encarnasse o
próprio mal de sua sociedade. Estarão os líbios agora salvos de todas as iniquidades,
da guerra, da insensatez humana e da violência do Estado? Em outras palavras: o
que morre com Kadhafi? O que realmente é morto?

Um homem velho, decadente, implora por sua vida – há relatos
segundo agências internacionais, que ele teria sofrido abuso sexual – num ato
de pura selvageria. Que Estado líbio pode nascer disso? Será que uma democracia
floresceria com essa morte – irrigada por esse sangue? No horizonte há uma
descrença e um simulacro de justiça: no dia 19/11, os sites de notícias
informam – com certo suspiro- que o último filho vivo de Kadhafi foi capturado.
O jovem ex-candidato a ditador Saif Al-Islam foi preso e está vivo. Há um certo
ar de alívio, como se restasse um indivíduo sobre o qual a justiça possa ser
feita, uma vez que a vingança foi largamente sangrenta e realizada pela família
do ex-ditador. As agências afirmam que ele está em boas condições de saúde,
apesar de seus dedos da mão direita estarem enfaixados – resultado de um
bombardeio da Otan. Por que será que esse bombardeio só atingiu uma mão?
Existem armas com essa precisão e potência cirúrgica? Bom, o fato é que agora
ele figura como o troféu da justiça, será sobre ele que se realizará um julgamento
justo com direito de defesa e acusação formal, com provas e arguições. Assim
como vemos nos seriados que os Estados Unidos vendem em larga escala para o
mundo.

Em tempos de mega velocidades e informação instantânea o que
se evidencia é o total despreparo para agir com justiça e humanidade. Michel
Foucault há muitos anos alertou que, historicamente, quando o Estado realizava a
punição no corpo do acusado, confunde o carrasco e a vítima. Essa é uma das
razões pelas quais o encarceramento foi adotado como uma conduta mais humana.
Esta prática da prisão nos pouparia de perguntar quem seria mais assassino: o
ditador que mata para manter o poder ou as coalizões montadas por interesses
momentâneos que vingam o que afirmam ser crime contra a humanidade?

Cada vez menos humanos. Cada vez menos humanos são os nossos
direitos sem defesa.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

Santa Maria, 19 de novembro de 2011.

A
data consubstancia o lugar e o tempo no qual este comentário é escrito. Tempo
estranho, oscilando do total desvario a períodos de razoável sanidade.

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

 Nos últimos meses
muito tem sido visto no cenário internacional em termos de reivindicações de
países e novos rearranjos de forças – a dita primavera árabe. A bem da verdade,
a Líbia constituiu um caso à parte: único país com um dito ditador com
aspirações socialistas – ou seriam socializantes; tremendamente marcado por um
nacionalismo sedutor num primeiro momento de manifestações acaloradas de
pertencimento da população. O nacionalismo é um sentimento baseado na irracionalidade
– essa que nutre e faz nascerem as guerras e os desentendimentos mais difíceis
de superar entre os Estados.

Nesse ínterim, a morte de Kadhafi se dá quase ao vivo –
sendo filmada, retratada e divulgada por seus algozes e retuitada – repercutida
mundo afora como mais um episódio numa guerra. Nessas nossas guerras
contemporâneas, tão cheias de tecnologia e imagens aéreas, o assassinato do
ex-ditador é um das raras cenas em que vemos sangue humano escorrendo, mais que
isso, vemos um homem implorando por sua vida de forma desesperada e vã. Ele é
morto, torturado, exposto, humilhado como um Judas – como se encarnasse o
próprio mal de sua sociedade. Estarão os líbios agora salvos de todas as iniquidades,
da guerra, da insensatez humana e da violência do Estado? Em outras palavras: o
que morre com Kadhafi? O que realmente é morto?

Um homem velho, decadente, implora por sua vida – há relatos
segundo agências internacionais, que ele teria sofrido abuso sexual – num ato
de pura selvageria. Que Estado líbio pode nascer disso? Será que uma democracia
floresceria com essa morte – irrigada por esse sangue? No horizonte há uma
descrença e um simulacro de justiça: no dia 19/11, os sites de notícias
informam – com certo suspiro- que o último filho vivo de Kadhafi foi capturado.
O jovem ex-candidato a ditador Saif Al-Islam foi preso e está vivo. Há um certo
ar de alívio, como se restasse um indivíduo sobre o qual a justiça possa ser
feita, uma vez que a vingança foi largamente sangrenta e realizada pela família
do ex-ditador. As agências afirmam que ele está em boas condições de saúde,
apesar de seus dedos da mão direita estarem enfaixados – resultado de um
bombardeio da Otan. Por que será que esse bombardeio só atingiu uma mão?
Existem armas com essa precisão e potência cirúrgica? Bom, o fato é que agora
ele figura como o troféu da justiça, será sobre ele que se realizará um julgamento
justo com direito de defesa e acusação formal, com provas e arguições. Assim
como vemos nos seriados que os Estados Unidos vendem em larga escala para o
mundo.

Em tempos de mega velocidades e informação instantânea o que
se evidencia é o total despreparo para agir com justiça e humanidade. Michel
Foucault há muitos anos alertou que, historicamente, quando o Estado realizava a
punição no corpo do acusado, confunde o carrasco e a vítima. Essa é uma das
razões pelas quais o encarceramento foi adotado como uma conduta mais humana.
Esta prática da prisão nos pouparia de perguntar quem seria mais assassino: o
ditador que mata para manter o poder ou as coalizões montadas por interesses
momentâneos que vingam o que afirmam ser crime contra a humanidade?

Cada vez menos humanos. Cada vez menos humanos são os nossos
direitos sem defesa.