Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Desmistificando a doação de sangue e o transplante de medula óssea

Muito pouco se ouve falar em processos de hemoterapia, que nada mais é do que o emprego terapêutico do sangue. Em torno dele muitos mitos são criados, diminuindo assim o número de doadores. Antigamente, a transfusão sanguínea era feita sempre através do sangue integral. Novas pesquisas foram feitas e o processo se tornou mais eficaz. O receptor não precisaria receber todos os hemocomponentes de um sangue, ou seja, os glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plasma e plaquetas, mas sim apenas aquele componente que o paciente necessita.

Dalnei Pereira, médico hemato-oncologista e professor adjunto na UFSM.

O médico hematologista e oncologista, Dalnei Pereira, professor adjunto de hematologia e oncologia da UFSM afirma que com a evolução da medicina a complexidade da transfusão se tornou maior. “Não só no sentindo de fazer a transfusão daquele componente que o individuo necessita, mas também potencializar a quantidade do hemocomponente do que aquelas relacionadas à transfusão de um sangue total, contendo todos esses elementos”.

Atualmente, a prioridade é sempre pela transfusão de hemocomponentes, jamais de sangue total, só usado em raras exceções como, por exemplo, quando o indivíduo teve uma hemorragia aguda, ou num processo cirúrgico onde o paciente tem uma perda significativa de sangue. A terminologia médica também mudou. O antes chamado “sangue integral” é o atual “sangue total” na semântica médica.

Menos riscos na coleta e  transfusão

Santa Maria, sempre foi pioneira nos processos de hemoterapia. Em 1975 o Hospital de Caridade Astrogildo de Azevedo, HCAA, já contava com a Hematerese – nome dado à máquina que faz o processo de transfusão de sangue, permitindo separar as plaquetas do plasma, e do sangue. Nesse processo, as plaquetas são separadas e o sangue retorna ao paciente. Esse processo tem o nome de “doação por Aférese”, e exige critérios para que seja feita a doação. O candidato à doação tem que ter um número de plaquetas suficientes para fazer a filtragem pela máquina. A coleta é feita através de duas punções venosas, sendo uma em cada braço, com o tempo de duração de 1h aproximadamente. Todo esse processo só veio a favorecer, pois na doação de sangue habitual um doador só consegue doar uma unidade de plaquetas, já na Aférese pode chegar até oito unidades. Segundo a Coordenadora do Hemocentro Regional de Santa Maria, Carla Coelho, a doação por Aférese é bem melhor para os pacientes. “Esse tipo de coleta é interessante já que um doador pode nos render oito unidades, sendo benéfico para o receptor. É que ele estará recebendo uma menor quantidade de antígenos, anticorpos de pessoas estranhas enquanto você faz um pool de plaquetas de oito pessoas diferentes, com a aférese dá a possibilidade de uma pessoa só, expondo menos o paciente a riscos.”

Santa Maria atualmente conta com uma unidade móvel de coleta de sangue, um ônibus com todos os equipamentos necessários. Facilitando o acesso para as pessoas que não tem como se deslocar até o Hemocentro. Para maiores informações pelo telefone (55) 3221-5262.

Leia a matéria completa no blog Noticiência

Por Aline Schefelbanis e Jéssica Padilha, acadêmicas de jornalismo da Unifra.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Muito pouco se ouve falar em processos de hemoterapia, que nada mais é do que o emprego terapêutico do sangue. Em torno dele muitos mitos são criados, diminuindo assim o número de doadores. Antigamente, a transfusão sanguínea era feita sempre através do sangue integral. Novas pesquisas foram feitas e o processo se tornou mais eficaz. O receptor não precisaria receber todos os hemocomponentes de um sangue, ou seja, os glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plasma e plaquetas, mas sim apenas aquele componente que o paciente necessita.

Dalnei Pereira, médico hemato-oncologista e professor adjunto na UFSM.

O médico hematologista e oncologista, Dalnei Pereira, professor adjunto de hematologia e oncologia da UFSM afirma que com a evolução da medicina a complexidade da transfusão se tornou maior. “Não só no sentindo de fazer a transfusão daquele componente que o individuo necessita, mas também potencializar a quantidade do hemocomponente do que aquelas relacionadas à transfusão de um sangue total, contendo todos esses elementos”.

Atualmente, a prioridade é sempre pela transfusão de hemocomponentes, jamais de sangue total, só usado em raras exceções como, por exemplo, quando o indivíduo teve uma hemorragia aguda, ou num processo cirúrgico onde o paciente tem uma perda significativa de sangue. A terminologia médica também mudou. O antes chamado “sangue integral” é o atual “sangue total” na semântica médica.

Menos riscos na coleta e  transfusão

Santa Maria, sempre foi pioneira nos processos de hemoterapia. Em 1975 o Hospital de Caridade Astrogildo de Azevedo, HCAA, já contava com a Hematerese – nome dado à máquina que faz o processo de transfusão de sangue, permitindo separar as plaquetas do plasma, e do sangue. Nesse processo, as plaquetas são separadas e o sangue retorna ao paciente. Esse processo tem o nome de “doação por Aférese”, e exige critérios para que seja feita a doação. O candidato à doação tem que ter um número de plaquetas suficientes para fazer a filtragem pela máquina. A coleta é feita através de duas punções venosas, sendo uma em cada braço, com o tempo de duração de 1h aproximadamente. Todo esse processo só veio a favorecer, pois na doação de sangue habitual um doador só consegue doar uma unidade de plaquetas, já na Aférese pode chegar até oito unidades. Segundo a Coordenadora do Hemocentro Regional de Santa Maria, Carla Coelho, a doação por Aférese é bem melhor para os pacientes. “Esse tipo de coleta é interessante já que um doador pode nos render oito unidades, sendo benéfico para o receptor. É que ele estará recebendo uma menor quantidade de antígenos, anticorpos de pessoas estranhas enquanto você faz um pool de plaquetas de oito pessoas diferentes, com a aférese dá a possibilidade de uma pessoa só, expondo menos o paciente a riscos.”

Santa Maria atualmente conta com uma unidade móvel de coleta de sangue, um ônibus com todos os equipamentos necessários. Facilitando o acesso para as pessoas que não tem como se deslocar até o Hemocentro. Para maiores informações pelo telefone (55) 3221-5262.

Leia a matéria completa no blog Noticiência

Por Aline Schefelbanis e Jéssica Padilha, acadêmicas de jornalismo da Unifra.